Itep identifica corpos das quatro primeiras vítimas da rebelião de Alcaçuz

Publicação: 16/01/17
O Instituto Técnico-Científico da Polícia (Itep) já realizou a identificação dos quatro primeiros corpos dos detentos mortos na rebelião que aconteceu na penitenciária de Alcaçuz no último sábado (14). Os corpos de Jefferson Pedroza Cardoso, Anderson Barbalho da Silva, George Santos de Lima e Diogo de Melo Ferreira foram identificados através necropapiloscopia, exame de comparação das impressões digitais.
Itep ampliou estrutura de pessoal para fazer necrópsia de corpos de detentos de Alcaçuz
#SAIBAMAIS#Conforme foi anunciado pela direção do órgão na manhã de hoje (16), a identificação, que começou por volta das 15h, deve ser feita em etapas em função do grande número de vítimas. Quatro corpos estão sendo transportados por vez do caminhão frigorífico para o Instituto, onde os cadáveres passarão pelos exames de necropapiloscopia, arcada dentária e DNA.

Em seguida, as informações coletadas são cruzadas com o banco de dados do Itep para identificar as vítimas. Por último, os familiares são chamados para liberarem os respectivos corpos.

Três dos quatro corpos identificados já foram liberados e um permanece no Itep por falta de funerária. A mulher de uma das vítimas, Bete Sena, 20 anos, afirmou que conversou com a equipe de assistência social do Itep para repassar características do companheiro, Diego de Melo Ferreira, morto no confronto.

Ela conta que soube da morte do companheiro através de colegas de presídio. Diego, que cumpria sete anos e onze meses de prisão em Alcaçuz, teve a pena convertida para o semiaberto em fevereiro de 2015. Porém, a decisão não foi cumprida.

"Ele conseguiu duas cartas de guia mas, mesmo assim, não transferiram ele para o semiaberto", explica Bete, que também afirmou entrar na justiça contra o Estado pela morte do companheiro.


AO VIVO Imagens mostram situação de Alcaçuz

Publicação: 14/01/17
Veja imagens gravadas AO VIVO de Alcaçuz, onde está ocorrendo uma rebelião de grandes proporções.
Do lado de fora dos presídio, mais de 50 mulheres de presos estão desesperadas em busca de informações.



#SAIBAMAIS#

Mas informações em instantes

Maia fala de reeleição com ministro da Justiça e advogado de Cunha

Publicação: 11/01/17
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), conversou sobre sua reeleição para o comando da Casa durante almoço no Palácio do Planalto, nessa terça-feira, 10, com advogados, deputados aliados e o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes (PSDB).

Entre os advogados presentes estavam Luís Inácio Adams, que chefiou a Advocacia-Geral da União (AGU) durante o primeiro e segundo mandatos da ex-presidente Dilma Rousseff, e Marcos Joaquim, um dos advogados do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).
Rodrigo Maia
Segundo relatos, durante o encontro, Adams prometeu ao presidente da Câmara fazer um artigo defendendo a viabilidade jurídica da reeleição de Maia ao comando da Casa. A disputa pela presidência e outros cargos da Mesa Diretora está marcada para o próximo dia 2 de fevereiro.

Adversários do deputado do DEM questionam a candidatura dele. Usam como argumento o artigo 57 da Constituição Federal, que proíbe reeleição de membros da Mesa Diretora para o mesmo cargo na mesma legislatura, ou seja, no mesmo mandato.

Maia, por sua vez, argumenta que o veto não se aplica a presidentes eleitos para mandato-tampão como ele. O deputado do DEM foi eleito presidente da Câmara em julho de 2016, após o então presidente da Casa, o hoje deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), renunciar ao cargo.

Esse argumento é usado em uma série de pareceres jurídicos encomendados por Maia para defender a legalidade de sua candidatura, entre eles, do advogado Heleno Torres, professor de Direito da Universidade de São Paulo (USP).

No encontro, o ministro da Justiça, Maia e os advogados também discutiram sobre a crise da segurança pública que atinge o País, com as rebeliões em presídios de Manaus (AM) e Boa Vista (RR).

Estadão Conteúdo

Moraes diz que mortes de presos em RR foi "acerto de contas interno" do PCC

Publicação: 06/01/17
O ministro da Justiça, Alexandre Moraes, disse hoje (6) que as mortes de pelo menos 33 presos da Penitenciária Agrícola de Monte Cristo (Pamc), na zona Rural de Boa Vista (RR), foram resultado de um acerto de contas entre integrantes da mesma facção, o PCC (Primeiro Comando da Capital). Moraes negou que as mortes sejam "uma retaliação" do PCC a outra facção, a Família do Norte (FDN), após chacina em presídio de Manaus com a morte de 56 presos. As duas organizações criminosas disputam o controle do tráfico de drogas e o interior das unidades prisionais do Amazonas.

#SAIBAMAIS#“Segundo dados que me foram passados, desde as últimas rebeliões [no presídio de Roraima] houve a separação das facções nesse presídio. Todos [os mortos naquele presídio] eram ligados à mesma facção, que é o PCC. Dos 33 mortos, três eram estupradores e os demais eram rivais internos que haviam traído os demais. Então, na linguagem popular, trata-se de um acerto de contas interno”, disse o ministro, ao ressaltar o caso é grave.

Diante do ocorrido, Moraes vai ainda hoje a Roraima para se reunir com a governadora do estado, Suely Campos. O ministro negou que a situação do presídio do estado tenha saído do controle, mas admitiu se tratar de uma “situação difícil”.

“Roraima já teve problemas no segundo semestre do ano passado, com 18 mortes em consequência de rebeliões. [No que se refere] à questão de termos rebeliões ou mortes, talvez tenha sido um grande erro cuidar apenas do problema”, disse.

Moraes falou sobre as mortes após detalhar o Plano Nacional de Segurança, no Palácio do Planalto.

Segundo a Secretaria de Justiça e Cidadania de Roraima, o tumulto na unidade começou durante a madrugada. Policiais do Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar entraram no presídio no começo da manhã e a situação já está sob controle. As autoridades estaduais ainda não divulgaram detalhes sobre o ocorrido. De acordo com a imprensa local, que divulgou imagens como sendo de hoje, presos podem ter sido decapitados. A Pamc é o maior presídio de Roraima.

As mortes em Roraima ocorrem na mesma semana em que 60 presos foram assassinados em estabelecimentos prisionais do Amazonas. O governo federal anunciou ontem o Plano Nacional de Segurança Pública para tentar reduzir o número de homicídios dolosos e feminicídios; promover o combate integrado à criminalidade transnacional e a racionalização e a modernização do sistema penitenciário.

Fonte: Agência Brasil


Brasil tem recorde de 6,6 milhões de turistas estrangeiros em 2016

Publicação: 04/01/17
O Brasil atingiu o número recorde de 6,6 milhões de visitas de estrangeiros, em 2016. O ano em que o país sediou as Olimpíadas e as Paralimpíadas registrou aumento de 4,8% na entrada de turistas internacionais em relação ao ano anterior.
Turistas estrangeiros movimentaram US$ 6,2 bilhões na economia brasileira
O movimento histórico dos turistas estrangeiros injetou na economia brasileira o montante de US$ 6,2 bilhões. O valor equivale a mais de R$ 21 bilhões e é 6,2% maior do que o registrado em 2015. A entrada de recursos não foi recorde como o número de visitantes devido às variações do câmbio que refletem diretamente no turismo.

Os dados foram divulgados hoje (04) pelo Ministério do Turismo, com informações do Banco Central e da Polícia Federal. “Os números são extremamente positivos. Se comparados com o contexto internacional, mostram que ainda podemos avançar muito, mas comprovam que soubemos aproveitar os megaeventos que realizamos no país”, afirmou o ministro do Turismo, Marx Beltrão.

O perfil da maior parte dos visitantes que desembarcaram no Brasil de janeiro a dezembro é de latinos e norte-americanos, seguidos de europeus. Os argentinos mantiveram a tradicional liderança entre os visitantes ao ultrapassarem a marca de 2,1 milhões de turistas. Os Estados Unidos ocuparam o segundo lugar, com o envio de 600 mil pessoas. Em seguida, aparecem na lista Chile, Paraguai, Uruguai, França, Alemanha, Itália, Inglaterra, Portugal e Espanha.

O lazer é o principal objetivo da viagem, apontado por metade dos turistas. A mesma proporção de turistas ficou em hotéis, flats ou pousadas e viajou em família ou de casal. Cerca de 30% do total de viajantes foram influenciados por amigos e parentes e 40% se informaram pela internet. Os dados farão parte da Demanda Turística Internacional, estudo elaborado anualmente pelo Ministério do Turismo e que só deve ser divulgado em detalhes no fim do semestre.

Expectativa de crescimento
Para 2017, a expectativa é que o fluxo de estrangeiros no país cresça em torno de 6%, mesma tendência de crescimento registrada em outros países que sediaram Olimpíadas, no ano seguinte ao evento. A Inglaterra, por exemplo, país que sediou os Jogos antes do Brasil, registrou aumento médio de 5% ao ano depois do megaevento. O último crescimento registrado no país antes dos Jogos tinha sido de 0,92%

O aumento no fluxo no Brasil também é esperado devido ao retorno positivo dos turistas ouvidos pelo Ministério do Turismo no período dos Jogos. A pesquisa mostra que mais de 87% dos estrangeiros pretendem voltar ao Brasil e que 94,2% dos brasileiros querem retornar ao Rio de Janeiro.

Para garantir a continuidade do movimento alto de turistas, o governo prepara um pacote de medidas que deve ser lançado ainda no primeiro semestre deste ano. “O desafio do Ministério do Turismo é transformar o ganho de imagem em geração de emprego, o desejo de retorno do turista internacional em realidade, além de fazer os brasileiros conhecerem mais os destinos domésticos. Para isso, estamos investindo na melhoria de infraestrutura, qualificação de mão-de-obra e promoção dos nossos destinos”, informou o ministério.

Grande parte dos hóspedes esperados já deve chegar no verão. O ministério estima que o número de viagens pelo Brasil nos meses mais quentes (de dezembro a fevereiro) deve chegar a 73,4 milhões, número ligeiramente superior às 72,8 milhões viagens realizadas no verão 2015.

Em 2016, o Ministério do Turismo recebeu R$ 235,9 milhões, o terceiro pior orçamento da Esplanada. Com a liberação de alguns créditos e recursos para PAC, o ano fechou com o valor empenhado de R$ 671,4 milhões.

Segundo a pasta, os recursos devem ser ampliados em 2017. “O turismo é uma das atividades que dá mais retorno, mesmo com investimentos mínimos. Acredito que se conseguirmos passar as medidas que estamos trabalhando com o apoio da Casa Civil, esse problema de recursos estará sanado”, disse Beltrão.

Fonte: Agência Brasil