Eli, Lama Sabachthani (EP)

Publicação: 10/10/09
Bugs – Independente
• www.bugsrock.com.br
Nervoso, visceral e mais cru que os trabalhos anteriores, o novo EP da potiguar Bugs prova que ainda há muito caldo para espremer do bom e velho rock’n roll. Formada por Paolo, Denilton, Augusto e Dimetrius, a banda renova seu fôlego como quarteto e deixa para trás aquele papo de ser “considerada grande promessa da música independente no RN”: o EP de nome enigmático, que em aramaico significa “Deus, porque nos abandonaste” – considerada a última frase de Jesus Cristo na cruz do Calvário –, soa honesto e verdadeiro ao desencanar da perseguição por psicodelia e experimentalismos. Claro que ainda é evidente a influência do lado non-sense e a presença do psicodelismo no rock produzido pelo Bugs, mas deixou de ser o centro das atenções no quesito sonoridade concentrando-se nas letras. Ponto positivo! Outro detalhe que torna a música dos potiguares ainda mais interessante, é o fato de todas as letras serem em português – coisa rara entre bandas do gênero no Brasil.

Meu apartamento é pequeno, mas tenho o lado de fora para andar
Alexandre Lima (Rádio Experienza) – Independente
• www.radioxperienza.com.br
A “Rádio Experienza” de Alexandre Lima sintoniza música eletrônica e reggae, Dado Villa-Lobos e Zé Garaldo, Cláudio Zoli, ragga muffin e hip hop. Com pegada pop e um nome quilométrico, o álbum ora lembra o lado comportado do rock tupiniquim dos anos 1980, ora soa como a engajada fase d’O Rappa nos tempos do baterista Marcelo Yuka: muito balanço, efeitos, batida marcada e letras despreocupadas com temáticas – o objetivo principal de “Meu apartamento é pequeno, mas tenho o lado de fora para andar” é envolver o ouvinte nesse universo, independente de rótulos. A faixa “Ouro Negro”, que pelo capricho da produção deve ser o xodó do artista neste trabalho, conta com as participações especiais do guitarrista da saudosa Legião Urbana e um dos trovadores da MPB Zé Geraldo, mais os músicos Hariton Nataniellides (viola e violino) e Leo Caetano (arranjos).

Arlequim dourado (EP)
Arlequim Dourado – Independente
• www.myspace.com/ arlequimdourado
Arlequim Dourado, formado por Philipe Brito, Caio Viana, Paula Martins e Rodrygo Gadelha, lança mão de um experimento instrumental pretensioso: em apenas quatro faixas, o quarteto cearense tenta fundir regionalismo, virtuosidade, heavy metal, música eletrônica, Luiz Gonzaga e Hermeto Pascoal. Se para uns sobra experimentalismo, para outros falta um foco que a identifique. As faixas são tão diversas que a música do grupo perde força com o excesso de ingredientes – cada qual quis deixar parte de sua influência sem pensar a coisa como um todo. Forjado nos corredores do curso de Licenciatura em Educação Musical da UFC, Arlequim Dourado engrossa o caldo da música instrumental produzida na esquina do continente – uma vocação que envolve, notadamente, tanto o Ceará quanto o Rio Grande do Norte e a Paraíba. Destaque para a formação pouco convencional do grupo, que se apresenta com quatro guitarras no palco.