A musa do neorrealismo italiano

Publicação: 25/03/20
Alex Medeiros
alexmedeiros1959@gmail.com 

Nas imagens de ontem do vazio e silêncio em algumas ruas da Itália e da Espanha, onde os sinais de vida surgem às vezes nas janelas transformadas em balcões, tribunas ou palcos para exposição de sentimentos de medo e solidariedade, destacavam-se panos azuis; lenços, toalhas e camisas simbolizando o adeus à atriz Lucía Bosé, falecida na segunda-feira aos 89 anos. Foi uma estrela das mais brilhantes nos céus das artes dos dois países.

Foi em meados dos anos 1970 que vi pela primeira vez a atriz, quando Natal tinha sessões de cinema de arte nas manhãs de sábado e projeções de bons filmes europeus em salas de diretórios acadêmicos e até em bares (lembro de ter visto um documentário de Wooodstock no Violão de Ouro). Em Satyricon, de Fellini, foi um “olá”; mas em Sob o Signo do Escorpião, dos irmãos Paolo e Vittorio Taviani, foi contemplação. A beleza cênica e sólida aos 38 anos.

Lucía Bosé nasceu na Itália, viveu a infância e juventude em Milão e com apenas 16 anos despontou do balcão de uma pastelaria para a passarela do concurso Miss Itália 1947, de onde saiu eleita e consagrada como a mais bela.

Foi naquela casa de massas caseiras que um dia um homem entrou, parou diante da garota e disse “você tem cara de cinema”. Era um tal de Luchino Visconti, que se tornaria um gênio das telas e revelaria ao mundo Alain Delon.

Logo depois de tornar-se miss, Lucía recebeu um bilhete de Visconti: “você se lembra? Eu tinha razão”. Não demorou e os cineastas Giuseppe de Santis e Michelangelo Antonioni a convidaram para atuar, com indicação de Visconti.

Algum leitor deve estar perguntando o que tem a ver com Lucía Bosé os panos azuis nas janelas da quarentena. É que nos últimos anos, a atriz ficou marcada e marcou sua presença aparecendo em público sempre com cabelos azulados.

Antonioni foi um entre outros grandes diretores que lhe deu grandes papéis, como no seu primeiro longa de ficção, Crônica de um Amor, em 1950. A modelo e amante do roteiro transparecia saída da vida real do próprio cineasta.

Na fase mais pródiga da atriz, ela dividiu o estrelato com o casamento com Luiz Miguel Dominguin, o toureiro espanhol e galã que arrebatou corações de mulheres como Ava Gardner, Lana Turner, Lauren Bacall e Rita Hayworth.

Mas o marido quase conheceu o outro lado da moeda, como a dor de corno de Frank Sinatra ao sabê-lo com Ava. Lucia balançou diante do craque italiano Riva durante umas férias na onírica ilha de Capri, no famoso golfo de Nápoles.

A vida na Espanha não se resumiria ao casamento, mas principalmente ao seu protagonismo na historiografia do cinema espanhol, dimensionado no clássico de realismo socialista A Morte de um Ciclista, de Juan Antonio Bardem, 1955.

No ano seguinte, estrelou em Assim é a Aurora, um dos primeiros trabalhos do icônico diretor Luis Buñuel ao retornar de uma temporada no México e que abriu a famosa trilogia com A Morte no Jardim e Os Ambiciosos, 1956 e 1959.

O cineasta e poeta francês Jean Cocteau também se encantou por ela, e a colocou ao lado de figuras como Charles Aznavour, Jean Marais, Maria Casares e Yul Brynner em O Testamento de Orfeu, produzido em 1960.

Meu melhor encontro com ela foi perto dos 30 anos, ela com 56, na adaptação do romance Crônica de uma Morte Anunciada, de Gabriel 

Garcia Marquez. Fui buscá-la numa locadora em 1988, um ano depois dela chegar aos cinemas.

Ontem vi no YouTube partes da série da RAI, Le Regazze di Piazza di Spagna, de 1952. Depois imitei italianos e espanhóis, forrei o travesseiro com uma fronha azul e olhei a noite escura como os cabelos da jovem e bela Lucía Bosé.

coluna


As castas
Provocado pela GloboNews sobre redução no salário dos políticos, o deputado Rodrigo Maia disse que todos os servidores privilegiados, como deputados, senadores, juízes, fiscais de renda, devem se unir para ajudar o povo.

A pandemia
Em novembro do ano passado, o coronavírus já estava atacando pessoas na cidade de Wuhan. Médicos e jornalistas chineses alertaram o governo, mas foram perseguidos. Só em 20 de janeiro a China anunciou o surto, já tarde.

A diferença
De volta ao Brasil e respondendo em casa por seus crimes, Lula tratou de alimentar a politicagem nas redes sociais. Em silêncio há algum tempo, Barack Obama voltou às redes para enviar mensagens de combate ao coronavírus.

Vacinação
O sistema de drive thru utilizado pelas equipes do sistema de saúde para vacinar as pessoas contra a gripe influenza bem poderia ser realizado em alguns shoppings já fechados, facilitando a mobilidade das pessoas.

Tráfego
Pela primeira vez estou vendo as ruas de Natal com mais fluxo de automóveis do que metrópoles como São Paulo. Ontem, pelo menos na BR 101 entre a FIERN e o Natal Shopping, o tráfego sugeria que não existe quarentena.

Estados Unidos
O presidente Donald Trump disse ontem na Fox News que deseja que o país volte aos negócios até 12 de abril, no domingo de Páscoa. Ele quer arriscar uma pausa na quarentena, mesmo com a piora da pandemia em Nova York.

Reação 
Alguns especialistas em saúde pública nos EUA reagiram ao intento de Trump, acham que diminuir as restrições muito cedo pode colocar uma pressão enorme nos hospitais e provocar ainda mais mortes e danos à economia.