2022 no Brasil e RN

Publicação: 2021-02-24 00:00:00
Ney Lopes 
Jornalista, ex-deputado federal, professor de direito constitucional da UFRN e advogado

Não é fácil formular previsões para as “eleições majoritárias” do Brasil e do RN, em 2022. No horizonte predomina o fumacento cenário dos “egos” em conflitos dentro dos partidos, que se assemelham a tempestades de fogo político.  O presidente Bolsonaro fortaleceu a reeleição, com a vitória dos seus candidatos no Congresso, ao conseguir dividir o bloco de centro-direita, que somava apoios, até na esquerda não radical. O DEM, PSDB e MDB submergem em processo de autodestruição. O DEM enfrenta crises internas, como as ambições de Ronaldo Caiado, que sonha em ser vice de Bolsonaro. Mandetta, inquieto, poderá sair pela falta de indicação do seu nome à presidência.

No PSDB, o clima é igualmente de desagregação. O governador João Doria, mesmo com a força do governo de SP, não controla a sigla, por insistir no seu próprio nome como candidato à Presidência. O tucano Eduardo Leite, governador do Rio Grande do Sul, já declara a pretensão de disputar o Planalto.  O MDB dá sinais de afastamento do deputado Baleia Rossi da presidência, com a substituição pelo governador do DF, Ibaneis Rocha. Isso ocorrendo, a tendência será o partido aliar-se ao presidente Bolsonaro.

A vitória nas Mesas do Congresso desarticulou a esquerda, ao ponto da tradicional petista deputada Marília Arraes ter sido apoiada pelo deputado Arthur Lira para disputar a segunda-secretaria. No PT, Lula, sem ouvir ninguém, lançou Haddad à presidência em 2022. Conseguiu criar inúmeras dissidências. O PDT interpretou como rejeição ao ex-ministro Ciro Gomes. Pelo visto, só restam cinzas, até agora.

No RN, a reeleição da governadora Fátima Bezerra não é contestada no seu grupo político. Entretanto, internamente no PT estadual existem dissidências entre o deputado Fernando Mineiro, que é simpatizante e amigo do ex-ministro José Dirceu, ao contrário de Fátima. Recorde-se que, em 2017, na eleição para escolha do presidente nacional do PT, Mineiro votou em Gleisi Hoffmann, que fez na Convenção desagravo público a Dirceu e o chamou de “herói do povo brasileiro”. Fátima apoiou Lindbergh Farias.

A mesma discordância ocorreu no rompimento do PT com Robinson Faria (2016). Assumindo o governo em 2019, Fátima usou panos mornos. Mineiro integrou a sua equipe, embora não alcançasse o objetivo de assumir Secretaria de Planejamento, ou Recursos Hídricos. A tensão diminuirá, se Mineiro assumir mandato de deputado federal.

A oposição à Fátima Bezerra é uma incógnita. DEM e MDB sem mobilidade política.  Líderes de expressão como José Agripino e Garibaldi Alves, ainda cautelosos. PSDB cooptado pelo governo estadual. O ex-prefeito Carlos Eduardo preserva bom conceito e votos em Natal, faltando maior estadualização do seu nome. O ministro Rogério Marinho teme lançar-se ao governo e insiste no Senado, o que seria temerário pelos mesmos fatores que o levaram a derrota como deputado. Candidato ao governo, ele teria o “cartão de visitas” do bom administrador, como demonstra no ministério que ocupa e poderia despertar na população a certeza de que a sua experiência e transito nacional ajudariam o estado reerguer-se.

O prefeito Álvaro Dias, sem dúvida opção de peso. Mas, repete que não sairá da prefeitura. O deputado Fábio Faria atrela o seu futuro político ao governo Bolsonaro e a posição do seu pai, ex-governador Robinson Faria, na disputa de 2022. Inegavelmente, grupo com base eleitoral. Quem coloca a “cabeça de fora” é o rei do melão, Luiz Roberto Barcelos, paulista, empresário competente, dirigente da empresa Famosa, em Mossoró. A assessoria confirma a sua candidatura a deputado federal, por enquanto. Sabe-se que o objetivo é governador, vice ou senador. Ele faz pesquisas permanentes. Adota a estratégia de conhecer o “mercado”, antes de lançar o produto. Já dispõe de “plano eleitoral“, no qual detalha as próximas 63 semanas, até a campanha de 2022.

Percebe-se ter chegado a hora de prévio e amplo debate público, com propostas realistas dos pré-candidatos (executivo e legislativo). Acabou o fetiche da tal “velha, ou nova” política. As eleições municipais mostraram rejeição ao voto “às cegas”. 2022 exigirá credenciais notórias de “credibilidade, competência e experiência”. O difícil será apagar nos partidos as “fogueiras das vaidades”, o que leva a indicação de nomes, exclusivamente por critérios de grupos, ou “ilusório” peso eleitoral, sem observação do perfil desejado pelo eleitor. A solução para melhor qualificar a disputa, seria o “candidato avulso”. Mas, como na comédia de Shakespeare, não passa de “sonho numa noite de verão! ”.  Pelo andar da carruagem, 2022 será tão imprevisível, quanto foi 2018.










Os artigos publicados com assinatura não traduzem, necessariamente, a opinião da TRIBUNA DO NORTE, sendo de responsabilidade total do autor.