70% dos reservatórios do RN estão em situação crítica

Publicação: 2017-11-05 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
O mais recente relatório de Situação Volumétrica dos 47 reservatórios, com capacidade superior a cinco milhões de metros cúbicos, monitorados Instituto de Gestão das Águas (Igarn) aponta 70% dos mananciais em situação crítica. Em comparativo com o relatório do dia 4 de julho, os reservatórios considerados em volume morto eram 19 e, atualmente, são 20, correspondendo a 42,53% dos monitorados pelo Igarn. Do total, 13 reservatórios estão secos e os restantes já possuem previsão para entrar em volume morto nos próximos meses, inclusive a barragem Armando Ribeiro Gonçalves, a maior de todo o Estado.  O plano emergencial de segurança hídrica do RN foi elaborado em 2015, por uma determinação do poder Executivo Estadual.

O açude Itans, em Caicó, tem capacidade de 81 milhões de m³. Está com menos de 1% da capacidade (volume morto). Situação idêntica a a 70% dos reservatórios do RN
O açude Itans, em Caicó, tem capacidade de 81 milhões de m³. Está com menos de 1% da capacidade (volume morto). Situação idêntica a a 70% dos reservatórios do RN

À época, participaram de sua elaboração o Gabinete Civil, a Defesa Civil, a Secretaria Estadual de Recursos Hídricos (Semarh), a Secretaria do Estado de Agricultura (Sape) e o Igarn. Alguns pontos foram apontados como Josivan como fundamentais para esse processo de elaboração: o monitoramento das águas, sua fiscalização e regulação, planejamento de infraestrutura necessária para manter e distribuir essa água, manutenção e operação de campo dos reservatórios e, por fim, regras de operação e restrição em eventos críticos, como é o caso do que está ocorrendo atualmente no Estado:

“É preciso tomar decisões políticas, administrativas e econômicas para enfrentar essa seca, que é a maior dos últimos 100 anos. Ou a gente se preocupa quando a água está acima da cabeça, ou quando a água está abaixo da sola dos pés. É o momento das prefeituras se reunirem com seus técnicos, na medida de suas possiblidades, para elaborar planos municipais de gestão de águas: quanto a indústria consome? E os serviços? E a população como um todo? Como vamos reduzir o desperdício? Tudo isso vai variar de acordo com a realidade de cada município, por isso uma iniciativa nesse sentido é fundamental”, disse Josivan Cardoso.

Em 2010, sete anos atrás, dos de 4,4 bilhões de metros cúbicos nos 47 reservatórios monitorados, o nível do abastecimento estava em 3,2 bilhões de metros cúbicos, uma situação considerada saudável pelo Igarn, com aproximadamente 73% da capacidade hídrica das águas superficiais sendo preenchidas. Atualmente, no entanto, o Estado apresenta uma capacidade de armazenamento de 590 milhões de metros cúbicos dos reservatórios, o que representa apenas 13% do total de reserva hídrica de água superficial nos reservatórios que fazem o sistema funcionar no RN.

Cardoso recorda que a atuação do Igarn passou a ter mais relevância a partir de 2014, quando o Estado consumia em média por ano cerca de 700 milhões de metros cúbicos de água. “Com o trabalho de gestão, conseguimos manter o abastecimento, captado nos 47 reservatórios superficiais monitorados pelo Instituto, reduzindo essa média de consumo para 270 milhões de m³”.

Falhas estruturais em reservatórios
Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh)  elaborou os termos de referência para se fazer um projeto executivo de recuperação da Barragem Passagem das Traíras, apontada como uma das 25 barragens com defeitos estruturais graves, segundo Relatório de Segurança de Barragens 2016 da Agência Nacional de águas (ANA). 

A contratação do estudo custará R$ 750 mil, já as obras de reparo custam em torno de R$ 3 milhões, mas o local precisa passar por um estudo técnico para se afirmar o valor, exato, segundo o secretário titular da Semarh, Ivan Júnior.

Em reunião com gestores de vários municípios, o titular da Semarh, Ivan Junior, explicou que o Governo do Estado irá tentar convênio com o Governo Federal por meio do programa Governo Cidadão.

“Tentamos verba com o Ministério da Integração, mas não deu certo. Como é uma obra emergencial, faremos o projeto com recursos próprios e a obra tentaremos de outras forma”, disse Ivan Júnior.

Problemas
A barragem  das Passagem das Traíras, em Jardim do Seridó, apresenta problemas de segurança com relação a qualidade do concreto e na galeria de inspeção, além da necessidade de avaliar a condição das falhas e descontinuidade na ombreira direita próximo ao contato com o maciço, conforme detalhado em relatório.

Gargalheiras
O segundo reservatório do Rio Grande do Norte incluído no relatório da ANA é o Marechal Dutra (Gargalheiras)/RN. Pelo estudo, o reservatório apresenta trincas na galeria e na face de montante e de jusante que percorrem todo maciço da barragem. O coordenador estadual do Dnocs no Rio Grande do Norte, José Eduardo Alves Wanderley, o Gargalheiras está inserido no Programa de Recuperação de Barragens, que seria feito com verbas via Programa de Aceleração e Crescimento (PAC), do Governo Federal, mas os recursos, na ordem de R$ 1,5 milhões, foram contingenciados em julho deste ano. O Dnocs aguarda a liberação da verba para iniciar as obras de reparo. 

Reservatórios do RN
Saiba a situação dos reservatórios que estão em situação crítica:

Bacia Apodi/Mossoró
Bonito II (São Miguel) - Volume morto
Capacidade máxima - 10.865.000 m³
Volume Atual - 10.756 m³ (0,10%)

Passagem* (Rodolfo Fernandes) - Volume morto
Capacidade máxima - 8.273.877 m³
Volume atual - 465.956 m³ (5,63%)

Malha Vermelha* (Severiano Melo) - Volume morto
Capacidade máxima - 7.537.478 m³
Volume atual - 31.670 m³ (0,42%)

Tourão (Patu) - Volume morto
Capacidade máxima - 7.985.249 m³
Volume atual - 92.566 m³ (1,16%)

Morcego (Campo Grande) - Volume morto
Capacidade máxima - 6.708.331 m³
Volume atual - 546.926 m³ (8,15%)

Santo Antonio de Caraúbas (Caraúbas) - Volume morto
Capacidade máxima - 8.538.109 m³
Volume atual - 178.183 m³ (2,09%)

Rodeador* (Umarizal) - Volume morto
Capacidade máxima - 21.403.850 m³
Volume atual - 814.363 m³ (3,80%)

Santa Cruz do Apodi (Apodi) - suporta 17 meses (02/2019)
Capacidade máxima - 599.712.000 m³
Volume atual - 100.644.150 m³ (16,78%)

Umarí (Upanema) - Suporta 13 meses (10/2018)
Capacidade máxima - 92.813.650 m³
Volume atual - 49.238.142 m³ (16,82%)

Beldroega* (Paraú) - suporta 14 meses (11/2018)
Capacidade máxima -  8.057.520 m³
Volume atual - 5.088.386 m³ (63,15%)

Eng. Armando R. Gonçalves (Assu) - suporta 3 meses (12/2017)
Capacidade máxima - 2.400.000.000
Volume atual - 343.028.333 (14,29%)

Pataxó* (Ipanguaçu) - suporta 18 meses (03/2019)
Capacidade máxima - 15.017.379 m³
Volume total - 10.628.973 m³ (70,78%)

Rio da Pedra* (Santana do Matos) - Volume morto
Capacidade total - 13.602.215 m³
Volume total - 51.606 m³ (0,38%)

Boqueirão de Angicos* (Afonso Bezerra) - Volume morto
Capacidade total - 16.018.308 m³
Volume atual - 910.626 (5,68%)

Sabugi (São João do Sabugi) - suporta 14 meses (11/2018)
Capacidade Total - 65.334.880 m³
Volume atual - 6.060.738 m³ (9,28%)

Itans (Caicó) - Volume morto
Capacidade total - 81.750.000 m³
Volume atual - 800.000 m³ (0,98%)

Passagem das Traíras* (São José do Seridó) - Volume morto
Capacidade total - 49.702.394 m³
Volume atual - 3.027 m³ (0,01%)

Zangarelhas (Jardim do Seridó) - Volume morto
Capacidade total - 7.916.000 m³
Volume atual - 70.369 m³ (0,89%)

Caldeirão de Parelhas* (Parelhas) - Volume morto
Capacidade total - 9.320.657
Volume atual - 480.517 (5,16%)

Marechal Dutra* (Acari) - volume morto
Capacidade total - 44.421.480 m³
Volume atual - 3.894 m³ (0,01%)

Dourado (Currais Novos) - Volume morto
Capacidade total - 10.321.600 m³
Volume atual - 6.395 m³ (0,06%)

Carnaúba (São João do Sabugi) - suporta 12 meses
Capacidade total -  25.710.900
Volume atual - 4.907.400 (19,09%)

Esguicho* (Ouro Branco) - Volume morto
Capacidade total - 27.937.310 m³
Volume atual - 105.022 m³
(0,38%)

Bacia Ceará-Mirim
Poço Branco (Poço Branco) - suporta 14 meses
Capacidade total - 136.000.000 m³
Volume atual - 8.306.659 m³ (6,11%)

Bacia Potengi
Campo Grande (São Paulo do Potengi) - Volume morto
Capacidade total - 23.139.587 m³
Volume atual - 182.379 m³ (0,79%)

Tabatinga (Macaíba)
Capacidade total - 89.835.678 m³
Volume atual - 7.552.049 m³ (8,41%)

Bacia Trairi
Inharé (Santa Cruz)
Capacidade total - 17.600.000 m³
Volume atual - 20.000 m³ (0,11%)

*Os reservatórios poderão atingir volume mínimo na data indicada, caso não chova.
*Medição feita em 20/10/2017, pelo Igarn.


continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários