A atuação do terapeuta ocupacional na aprendizagem

Publicação: 2019-12-22 00:00:00
A+ A-
Lady Kelly Farias da Silva
[Terapeuta Ocupacional da Casa Durval Paiva]

Quando falamos em educação, percebemos que são muitas as parcerias que auxiliam nesse processo e o terapeuta ocupacional é um dos profissionais que pode colaborar nesse sentido, visto ter uma formação que atua de forma ampla, nos aspectos relacionados à cognição, às questões psicomotoras e sociais, além de possuir conhecimento necessário para contribuir nos mais diferentes desafios que as crianças e adolescentes apresentam, como por exemplo, em relação ao processo de aprendizagem. Esta intervenção é feita de acordo com as necessidades que o aluno apresenta em sala de aula e que possa estar interferindo de certa forma no seu desenvolvimento escolar.

A participação do pedagogo é estimular as técnicas e o saber que irão promover a habilidade pedagógica e o terapeuta ocupacional também tem sua participação, por se tratar de um especialista de suma importância para a vida dos estudantes, que precisam de algum auxílio no ambiente escolar, possibilitando o acesso à educação, pois acredita que a principal oportunidade para estes desenvolverem aspectos intelectuais, sociais, emocionais e físicos é por meio da participação nos espaços educacionais inclusivos. Trata-se de uma intervenção mais direcionada, que pode envolver comprometimentos relacionados à coordenação motora fina, disfunção neuromotora, processamento sensorial, dificuldade nos aspectos cognitivos (atenção, concentração, memória, percepção, pensamento), dentre outros. Esta atuação multidisciplinar é fundamental para o desenvolvimento de aprendizagem dos alunos.

Na classe hospitalar da Casa Durval Paiva essa prática é comum, por trabalharmos em equipe e quando existe alguma queixa que pode vir do aluno, de seus familiares ou da própria classe, buscamos investigar o motivo dessa dificuldade dentro do ambiente e contexto social, em seguida, intervimos nas demandas que possam estar impedindo o desenvolvimento global do paciente, de forma que a classe hospitalar e o setor de terapia ocupacional se complementam.

O terapeuta ocupacional utiliza algumas ferramentas para que as crianças e os adolescentes descubram suas habilidades, como é o caso das brincadeiras, que proporcionam a estimulação dos aspectos psicomotores, cognitivos e ainda, aspectos sensoriais, como: audição, visão e tato, fatores importantes para o conhecimento das crianças e adolescentes, além de conceitos relevantes para o seu desenvolvimento, que incluem o espaço, tempo, cor, profundidade, percepções, dentre outros, incentivando o desenvolvimento do aprendizado.

A terapia ocupacional desenvolve, treina e capacita alunos e professores para o uso da tecnologia assistiva que são produtos e instrumentos, equipamentos ou tecnologias adaptadas ou especialmente projetadas para melhorar a funcionalidade da pessoa com deficiência ou mobilidade reduzida, assim como, a adaptação de mobiliário, prescrição e adaptação de cadeira de sala de aula adequadas, de material escolar específico, que venha a facilitar o manuseio dos alunos e torná-los mais autônomos em suas atividades escolares.

A parceria entre a pedagogia e a terapia ocupacional se faz necessária e merece atenção, visto que nenhuma área é absoluta, assim, precisa existir sensibilidade em perceber que os objetivos são os mesmos e que ambas podem trabalhar em conjunto para o aprimoramento de habilidades que irão interferir na vida do aluno. Desenvolvendo atividades lúdicas e pedagógicas, é possível promover evoluções globais que, de certa forma, também influenciam em uma vida mais independente, com mais autonomia, favorecendo significativamente o acesso a uma vida com mais qualidade.


Deixe seu comentário!

Comentários