"A canonização será uma data histórica e abençoada", diz Dom Jaime

Publicação: 2017-10-08 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Cledivânia Pereira
Editora Executiva

No próximo domingo (15) em cerimônia presidida pelo Papa Francisco, em Roma, os 30 Mártires de Cunhaú e Uruaçu serão canonizados. Para o arcebispo metropolitano de Natal, Dom Jaime Vieira Rocha, este será um momento histórico e abençoado para o RN e para o Brasil. Em entrevista concedida à TRIBUNA DO NORTE, Dom Jaime explica como será a programação para celebrar os novos santos em Roma e no Brasil. Ele, também, avalia que a canonização deve ajudar a impulsionar o turismo religioso no Estado.
Arcebispo de Natal, dom Jaime Vieira, comentou nova orientação do Papa sobre absolvição a fiéis
O que significa para a igreja do Brasil e RN a canonização dos Mártires de Uruaçu e Cunhaú?
É algo realmente inefável. Realmente é uma benção plena da graça do amor de Deus para o RN, para a igreja do Brasil e para toda a Igreja Católica, a canonização de 30 santos. E isso é importantíssimo porque se constitui um momento oportuno para que todos nós, povo de Deus - católicos, fiéis, e até mesmo para as outras igrejas -  façamos deste momento algo que vem para a renovação espiritual, o reavivamento de nossa fé. Uma vivência de fé mais autêntica, mais comprometida com um mundo novo. Um mundo diferente que certamente terá perspectivas de uma base mais sólida, que vença todos os vendavais do tempo, as procelas do momento presente e dos mares tão agitados no mundo, como também no nosso Brasil. É necessário pararmos um pouco e nos valermos, nos revestirmos de sentimentos mais profundos, como também de um testemunho de que estamos perto de Deus, de que estamos voltados para o seu amor e a sua misericórdia. E, assim, nos tratarmos e nos vermos todos como irmãos. Como filhos de Deus. Por isso a canonização de 30 santos brasileiros tem uma grande significação para todos nós.

A partir da canonização, como a arquidiocese vai trabalhar na expansão da memória dos novos santos no Estado? Está prevista a criação de novas paróquias?
A partir da grande benção da canonização dos nosso Mártires, nós iremos continuar, cada vez mais, a fortalecer e promover a devoção. Agora, não mais aos beatos Mártires, mas, sim, aos santos Mártires de Cunhaú e Uruaçu, através das paróquias já existentes. A paróquia dedicada ao Padre André de Soveral, em Emaús. O Padre Ambrósio Francisco de Ferro, tem a sua paróquia no bairro Planalto; e o leigo Mateus Moreira tem, também, a sua paróquia em Cidade Verde, Parnamirim. E em Natal, em Nazaré, tem o santuário dos Mártires de Cunhaú e Uruaçu, muito amplo e edificado como fruto da beatificação no ano 2000. Com o processo de canonização, os Protomártires do Brasil se tornaram muito mais conhecidos, até em outros estados. Por exemplo, em São Paulo, lá no Tatuapé, numa paróquia de Nossa Senhora do Parto, terá um altar dedicado  à memória de nossos Santos Mártires. Estivemos em Aparecida/SP, participando do novenário no  último dia 5, e tive a graça de levar uma porção de areia, tanto de Cunhaú como de Uruaçu, para entregar ao pároco da paróquia para ser colocada como relíquia no novo altar dedicado aos Santos Mártires. De modo que acreditamos que a devoção aos nossos Mártires crescerá cada vez mais, tanto em Cunhaú, naquela capelinha original que presenciou o martírio de 16 de julho de 1645. Assim como em Uruaçu, onde está o monumento erguido logo após a beatificação, e no santuário, em Nazaré/Natal-RN.

Como será a comitiva religiosa do RN e do Brasil que estará no evento? Qual a programação religiosa prevista lá em Roma e aqui no Brasil e RN?
Teremos em Roma, na solenidade de canonização, umas 300 pessoas. Diversos diversos grupos de fiéis,  organizados por vários párocos do RN organizaram esses grupos. Da nossa igreja, teremos a presença de 33 padres do Estado, e também contaremos com bispos de outras regiões do País. A informação que temos, é que serão ao todo 42 padres do Brasil. A programação começa às 17h do sábado (14), no Colégio Pio Brasileiro, um momento de reencontro com todos os brasileiros que estão em Roma. Será a 'vésperas solenes', antecedendo a solenidade oficial. Dia 15 (domingo) é a data histórica e abençoada da solenidade canonização dos nossos Mártires. A celebração ocorrerá às 10h, na Praça de São Pedro, e será presidida pelo   Papa Francisco. E ali será o momento em que todos nós (bispos, padres, autoridades, fiéis) estaremos presentes. Do Brasil, irá comitiva do Itamaraty com autoridades, comandada pelo presidente Câmara Federal, Rodrigo Maia. Além de deputados e prefeitos dos municípios de Natal, Canguaretama e São Gonçalo do Amarante. Também estará lá a nossa conhecida Camerata, regida pelo Padre Pedro Ferreira. A Camerata vai se apresentar antes da canonização, na praça de São Pedro.

Temos, ainda, no dia 16, logo após a canonização e dentro do ritual de canonização, uma missa de ação de graças. É uma missa solene que será no altar da confissão no interior da Basílica de São Pedro, para nós uma deferência muito honrosa.
E essa missa será presidida pelo Presidente da CNBB, Cardeal Sérgio da Rocha (Cardeal Arcebispo de Brasília).

Logo em seguida, nós voltaremos para o Brasil. E chegando, nós teremos o grande momento da celebração de ação de graças em Uruaçu, no dia 28 de outubro. Esta missa será presidida pelo cardeal Cláudio Hummes. Nós convidamos com muita antecedência para presidir este momento.

No dia 29, no Santuário de Nazaré/Natal-RN, também teremos uma grande celebração. E no dia 4 de novembro, terei a grande alegria de encerrar as celebrações alusivas à ação de graças pelos nosso Mártires, lá em Cunhaú, na capelinha de Nossa Senhora das Candeias.

A igreja pretende aumentar a visibilidade do monumento aos mártires? Como o senhor encara as possibilidades do turismo religioso?
A partir da canonização teremos a responsabilidade de promover e incrementar cada vez mais essa afluência de fieis de todas as partes do RN e de outros estados do Brasil a esses lugares que nos remetem a uma vivência profunda da fé e  devoção aos Santos Mártires de Cunhaú e Uruaçu. Nós já temos em Uruaçu o monumento que certamente passará por uma ampliação e melhorias da infraestrutura para que assim os nosso peregrinos sejam tratados e acolhidos com todo o conforto possível. Precisa de melhorias  em relação à segurança, bem-estar, refeições, local onde os fieis fiquem mais juntos. Hoje, já podemos contar com o poder público voltado para o viés econômico do turismo religioso. Nós sabemos, a partir de estudos realizados em várias partes do mundo, que uma importante fatia de turismo está ligado ao turismo religioso. Aqui no Brasil, por exemplo, há importantes santuários como Aparecida (SP), Nova Trento (SC), da Santa Paulinho... No Nordeste, há Canindé, no Ceará, Bom Jesus da Lapa, na Bahia. Nós temos, no RN, esses lugares que agora tomaram um grande proporção de visibilidade por causa da canonização Mártires e, também, temos a estrutura de Santa Rita, em Santa Cruz, que tem no turismo religioso uma grande importância na economia local. Nós devemos investir nisto e precisamos contar com a ajuda do poder público, porque só a Igreja não tem condições para isso. Uma vez que havendo o turismo, haverá também o aumento de divisas e de lucro para o Estado.

Há um projeto mais elaborado nesse sentido de turismo religioso? Há sinalização de parcerias com poder público e iniciativa privada para isso?
Realmente notamos que vai havendo um desenvolvimento de um projeto mais elaborado em vista de um turismo religioso em nosso Estado. A partir da própria secretaria estadual de turismo, como as das prefeituras. Muito importante porque já tomamos conhecimento que tem montando todo um roteiro de turismo religioso no Estado, passando por Santa Cruz, e os monumentos de Cunhaú e Uruaçu, como também em Patu... Há muitas referências como a Festa de Santana de Caicó, a de Santa Luzia, em Mossoró, e a de Nossa Senhora Aparecida, em Natal. Percebe-se, claramente, uma tendência e um momento forte para investimentos em turismo religioso no RN. E nosso objetivo é que esse crescimento seja mais racional e planejado.

A Igreja Católica não tem, oficialmente, a quantidade de santos. Isso não abre possibilidades de críticas  quanto a uma certa banalização de canonizações?
Esta reflexão não tem sentido. O Papa São João Paulo II  canonizou muito mais santos de uma só vez... muito mais de 100 santos de uma vez, como os que foram martirizados na Guerra Civil espanhola, ou os Mártires do México... Não há nenhum contradição no número de santos. E agora, o Papa Francisco está canonizando os nosso mártires da América Latina, do Brasil. De forma alguma podemos dizer que isso banaliza a canonização.

Como o senhor analisa o fato do processo de canonização ter dispensado milagres?
O Papa, como Pontífice maior da Igreja Católica, tem autoridade para tomar esta decisão. Nós falávamos sempre em graças alcançadas e o Papa reconhecia que todo o processo deveria ser feito com todo o rigor e detalhamento das graças alcançadas, como foi feito. Ele também pode dispensar o registro ou a prova de milagres. Ele está fundamentado no gesto máximo de dar à vida pela fé.  Famílias inteiras – jovens, crianças, adultos – derramaram o sangue pelo nome de Cristo. Então, para o Papa foi suficiente, juntamente com um processo muito sério para a beatificação, e que foi continuado para a canonização - elaborado pela Congregação da Causa dos Santos, com a nossa ajuda e contribuição, através do Padre Júlio César, que foi nomeado para servir de interlocução do processo.
 
No caso específico dos Mártires, como deverá ser a forma correta para a  devoção e invocação de graças por parte do fiel, já que de alguns não há informação clara sobre seus nomes?

As pessoas podem até alegar que não sabem os nomes de todos, uma vez que é um número elevado de santos. A forma correta é nos valermos, rezarmos aos Santos Mártires de Uruaçu e Cunhaú, a  Padre André de Soveral, Ambrósio Francisco de Ferro, Mateus Moreira e seus 27 companheiros leigos. E assim, certamente, é emocionante quando entoamos a ladainha de nossos Mártires e tomamos conhecimento dos nomes de famílias inteiras, do pai, da mãe, dos filhos, dos amigos dos jovens, aqueles que foram martirizados. É muito tocante vermos a lista dos mártires. 


continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários