A crise do livro

Publicação: 2018-11-09 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Woden Madruga
woden@tribunadonorte.com.br

Geraldo Batista de Araújo anda meio frustrado com a pouca venda de seu livro, ”Moleque do Acari II”, lançado em Natal no começo de outubro. Algumas de suas queixas me chegaram através de bate papos pela internet e também numa conversa rápida que tivemos após a missa do Dia de Finados, celebrada por Monsenhor Lucas, no Morada da Paz.  Num de seus meios revela que não publicará mais livros (tem textos nas gavetas que dão uns três livros): “Não compensa publicar livros. Infelizmente os tempos são outros. O brasileiro sempre leu pouco, agora pior ainda. ”
É verdade. Mas discordei da sua ideia de não publicar novos livros (ele já publicou meia dúzia, todos bem vendidos), a crise que atravessamos pode ser passageira, tomara que sim. Estamos acompanhando, por exemplo, o fechamento de várias lojas de duas das principais redes de livrarias do país, a Cultura e a Saraiva. A crise não é de hoje. Li pra ele essa notícia publicada num dos jornais de São Paulo:

“O volume de vendas de livros vem caindo cerca de 3% ao ano desde 2015. Além da crise econômica que afeta diferentes setores, a chegada da Amazon ao Brasil, em 2014, atraiu para o e-commerce clientes que antes compravam no varejo tradicional. A situação das grandes redes de livrarias acaba agravando a crise do mercado editorial brasileiro. Livrarias não têm conseguido pagar os seus fornecedores (editoras) nos últimos meses. Como num efeito de casca, os donos das editoras estão sendo obrigados a demitir, reduzir a quantidade de lançamentos e, em alguns casos, lutar contra a possibilidade de fechar as portas. ”

No rastro dessas notícias negativas, que confirmam que o brasileiro também lê pouco, tem esta outra nota que li, semana passada, na coluna de Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo: “A Prefeitura de São Paulo descobriu que um em ada quatro alunos da cidade não têm sequer um livro em casa. O secretário Alexandre Schneider, da Educação, e o prefeito Bruno Covas relançam nesta quinta (1º) o programa “Minha Biblioteca”, para dar dois livros de graça por ano para cada um dos 430 mil alunos da rede. ”

Exemplo que deveria ser seguido por todas as prefeituras do país, assim como os professores deveriam estimular a leitura entre seus alunos, indicando livros. Eles, os professores, também lendo.

Volto ao imeio de Geraldo Batista:

- Agradeço, penhoradamente, a cobertura que você deu para o lançamento do meu último livro. Infelizmente os tempos são outros. Não compensa publicar livros. No lançamento do meu penúltimo livro, “Romance no Gueto de Varsóvia”, vendi 300 exemplares. Agora, com “Moleque do Acari II”, vendi a “fabulosa” quantia de 64 exemplares.

- O brasileiro sempre leu pouco, agora pior ainda. Foi a minha última aventura. Tento textos para publicar pelos menos 3 livros, mas ficarão dormindo nos meus arquivos do computador.  Nem Porpino compareceu. Quando ele lançar o seu livro serei o primeiro da fila e levarei meu livro de presente para ele.

- Duas curiosidades:1)Convidei todos os desembargadores do nosso TJE; nenhum compareceu. 2) Todos os médicos convidados compareceram. Mais ainda: nenhum jornalista compareceu. Você não conta nesta lista, pois já havia lido o meu livro. Um abraço, Geraldo. ”

Sim, já li o “Moleque do Acari II”, gostei muito e recomendo a todos a sua leitura. Gosto de passear por aqueles sertões encontrando sua gente, sua paisagem, ouvindo suas histórias. Aguardarei o próximo livro de Geraldo.

Política 
Do editorial do Estadão, de ontem:
- O fato de que Jair Bolsonaro foi eleito com quase 58 milhões de votos não pode servir como argumento para que seu governo se julgue dispensado de dialogar com os eleitos do Congresso. Tampouco pode considerar que o Congresso deve necessariamente se dobrar à alegada força moral do presidente – que, segundo ele mesmo diz, não irá se render ao toma lá dá cá que notabilizou a relação dos governos anteriores com o Congresso e que foi fortemente repudiado nas urnas.

- Quando o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, sugere que é preciso dar uma “prensa neles”, isto é, nos congressistas, para que ao menos uma reforma parcial da Previdência seja aprovada ainda nesta legislatura, isso denota preocupante prepotência sobre a capacidade do presidente eleito Jair Bolsonaro de impor sua agenda no Congresso mesmo antes de assumir o cargo.”

Mérito ABCZ 
Dois norte-rio-grandenses tiveram seus nomes aprovados por unanimidades pela diretoria da Associação Brasileira de Criadores de Zebu para serem agraciados com a medalha do Mérito ABCZ: Kleber Bezerra, na categoria Criador, e Rodrigo Coutinho Madruga, na categoria Técnico. As medalhas serão entregues em maio de 2019, durante a Exposição de Uberaba, Minas, quando a ABCZ estará comemorando o centenário de sua fundação.

Kleber, empresário da agropecuária, é criador das raças zebuínas Guzerá e Nelore. Já presidiu a ANORC.  Rodrigo, agrônomo, fazendo atualmente pós-graduação em Zootecnia (área de Produção Animal) da UFRN, integra o colégio de juízes da ABCZ já tendo julgado em exposições em vários estados e também no exterior (México e Colômbia). Dirige o escritório da ABCZ no Rio Grande do Norte.

Chuva 
Continua chovendo no Ceará. Do final de outubro até agora. São finas, esparsas, mas animadoras.  As de ontem, segundo o boletim da Funceme, caíram nas regiões do Maciço de Baturité, Litoral Norte e no Cariri. Entre 6 e 8,5 milímetros.
Continua chovendo também no sul do Piauí.

Parisot 
A UFRN promove no dia 15 a VIII Mostra de Violoncelo de Natal, celebrando o centenário de nascimento de Aldo Parisot, um dos maiores violoncelistas do mundo, nascido em Natal. Haverá um concerto no auditório do Hotel Holiday Inn.  No programa, peças de Villa-Lobos (Bachiana, 5), Oriano de Almeida, Bach e Piazolla.

Aldo Parisot foi solista de algumas das maiores orquestras sinfônicas do mundo. Foi professor da Yale University. Vive nos Estados Unidos desde a década da 1940.

Filosofia 
A Nova Acrópole anuncia a sua programação para comemorar o Dia Mundial da Filosofia. Vai do dia 15 ao dia 18, no Natal Shopping. Na abertura, dia 15 (quinta-feira da outra semana), ás 16h30, haverá a palestra sobre o tema “O que precisamos saber sobre a felicidade?”




continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários