A efêmera glória de Allende

Publicação: 2020-09-11 00:00:00
Alex Medeiros 
alexmedeiros1959@gmail.com

A queda do ex-presidente chileno, o socialista Salvador Allende, em 11 de setembro de 1973, completa hoje 47 anos. Sempre foi narrada com a pincelada dramática nas tintas da crueldade dos militares de Augusto Pinochet. Os muitos livros são como versões de novela tétrica da vida real, com cenas de imolação de um dirigente popular arrancado do governo e do poder por um golpe engendrado por um general nativo com apoio logístico da CIA e FBI.

Em 2009, enquanto o Chile vivia então em harmonia política e equilíbrio econômico, surgiram fragmentos de alguns capítulos perdidos nas cinzas e no sangue daquele passado. Revelados com trechos libertos do drama de um presidente aquartelado pelo exército que ele pensava exercer liderança. Uma reportagem apareceu numa revista chamada The Clinic, inserindo na História um romance clandestino, um amor secreto com pitadas de riscos diplomáticos.

Era uma entrevista com Glória Gaitán, filha do principal caudilho colombiano, Jorge Eliécer Gaitán, que foi assassinado em 1948, tendo a sua morte provocado a pior noite de violência já ocorrida até então nas ruas de Bogotá. 

Gloria desvendou um vácuo histórico nas últimas 72 horas de Salvador Allende no interior do Palácio La Moneda, na contramão do livro “A Conjuntura – os Mil e um Dias do Golpe”, da jornalista Monica Gonzalez Mujica (sem edição aqui).

Havia um hiato no domingo 9 de setembro, véspera do início dos ataques militares. A autora do livro detalhou a agenda de Allende nos dias anteriores e posteriores, menos daquele domingo de um presidente sem um paradeiro.

Consta que nas 48 horas antecedentes aos bombardeios, Allende cumpriu normalmente sua rotina de tensão e crise e recebeu em palácio o próprio Pinochet, que até lhe garantiu lealdade e mentiu sobre o que viria a seguir. 

As lacunas da História se preencheram nas declarações de Glória: o chefe de Estado guardou o sagrado domingo para o namoro. Eles se conheceram em Cuba, lugar onde um dia ela também esteve nos braços de Che Guevara. 

Em 1973 chegou em Santiago, sem lenço e sem documento, após o fim de um casamento. O presidente Allende também estava se divorciando de Hortensia Bussi, a mãe de suas filhas. Ela ganhou uma sinecura e logo estava na cama.

No domingo dia 9, o casal se entregou ao idílio, uma trégua na guerra por vir. Ela via nele uma encarnação do pai, ele encontrava nela a última doçura de um sonho virado em pesadelo. Nos lençóis, ela disse que por ele mataria o inimigo. 

Ele lhe segurou o rosto e refutou: “es que si tú lo matas al general golpista, entonces, qué nos diferencia de ellos?”. No fatídico bombardeio do La Moneda, Gloria Gaitán refugiou-se na embaixada colombiana, depois sumiu e calou-se.

A revelação de 2009 remete à clássica canção de Caetano Veloso, composta anos antes do bombardeio. As novas notícias sobre cardinales e guerrilhas sugerem que Allende caetaneou: “em caras de presidentes, em grandes beijos de amor, em dentes, pernas, bandeiras, bomba e Brigitte Bardot”.

Créditos: Divulgação

Aulas
No balanço das horas e meses sem escola, a experiência da aula virtual não deixará saudade. Como disse o saudoso procurador Miguel Josino, “a vida na sala de aula é uma relação hermenêutica de ensino e aprendizagem”.

Debate
Augusto Nunes vem aí com o programa Direto ao Ponto, no nível que conduziu nos seus tempos do Roda Viva, na TV Cultura, hoje reduzido a papo de DCE nos anos 70. Será às segundas-feiras, 21h30, na plataforma de vídeo Panflix.

McCartney
O que terá ocorrido de grave para o Twitter restringir o perfil da fotógrafa Mary McCartney, filha do beatle Paul? Sua conta segue com aviso sobre “atividade incomum”. A página é uma das poucas (dezesseis) que Paul McCartney segue. 

Fagner
Keber Maia é um jovem que se divide entre o trabalho nos Correios e a pintura. Sua técnica é uma simbiose da feitura clássica com ferramentas digitais; e neste estilo concluiu uma tela com o cantor Fagner, para entregar-lhe breve.

Encontros
O PGR Augusto Aras citou um trecho da canção “Encontros e Despedidas”, eternizada por Elis Regina, na posse de Luiz Fux ontem no STF: “São só dois lados / da mesma viagem / o trem que chega / é o mesmo trem da partida”.

Encontros II
No livro “Contos de Encontros”, que estou concluindo a partir das crônicas aqui na coluna, optei pela canção na abertura: “Tem gente que chega pra ficar / tem gente que vai pra nunca mais”. (De Milton Nascimento e Fernando Brant)

Pendenga
Alguns jogadores do ABC que gravaram ironias contra o América durante comemoração do título em Ponta Negra, deixaram o local às pressas após integrantes da torcida Máfia Rubra ameaçar ir lá para ouvir tudo ao vivo.

Bairros
Racing, Estrela do Mar, Real Madrid e Palmeiras (Rocas), Bola Preta, Corinthians e Arsenal (Quintas), Santa Cruz (Mãe Luíza), Treze (Vila Dom Eugênio), Sport (Igapó), Flamengo (Petrópolis), Vênus (Cidade da Esperança), Monte Castelo (Nova Descoberta), CRB (Dix Sept Rosado), América (Bom Pastor) e Santos (Coréia). Saudade dos tempos de bons times nos bairros de Natal, que hoje ganhariam de ABC e América.





Os artigos publicados com assinatura não traduzem, necessariamente, a opinião da TRIBUNA DO NORTE, sendo de responsabilidade total do autor.