“Estou farto de amor ralo”

Publicação: 2020-03-31 00:00:00
A+ A-
Entre as asas de pássaros, cigarros acesos, casas com reboco, silêncios e o amor, Thiago Medeiros se (re)acende a cada segundo em suas palavras. Em seu terceiro livro, intitulado “Ardência”, ele traz o amor para dançar nos salões da vida e abre seu livro para o financiamento coletivo até dia 14 de abril, quando o poeta completa 31 voltas ao redor do sol. “Ardência vem de um processo de reconhecimento sobre o amor e do amor, às vezes em situações que a gente acha que é amor e não é. Ele traz imagens de tudo o que se confunde com o amor”, reflete Thiago.

Créditos: Radah MeloO livro de Thiago Medeiros é um passeio entre a redescoberta do amor e suas libertaçõesO livro de Thiago Medeiros é um passeio entre a redescoberta do amor e suas libertações


Ele lembra, que desde a experiência com o espetáculo “João, ou eu só Queria ver os Pássaros”, em cartaz em 2016, ficou muito presente a imagem dos pássaros em seus pensamentos. “A imagem da metáfora dos pássaros ficou reverberando aqui dentro. E Ardência vem muito envolto disso, dessa metáfora. Os pássaros que são descendentes diretos dos dinossauros, que precisaram mudar o DNA para resistir, mudaram para uma aparência de leveza, para existir. E pode ser eu, pode ser nós”, acredita.

O livro parte dessa metáfora para falar sobre a vida. Dividido em seis capítulos, a obra se completa através dos intertítulos: Bicho Corpo,Para não esquecer, Margem, Feira, Motriz e Amor Coragem, onde cada um alcança uma metáfora diferente. “Os poemas passeiam na descoberta do mar, quando pela primeira vez que refleti que estava apaixonado foi na praia. É um passeio pelo mar, pelo amor da mãe, pelo amor de si, e em como resistir acreditando no amor num país como esse”.  Um dos poemas diz: “Nos querem calados porque sabem da força/a esperança ainda arde/eu sei, dói /não desista /de você, nem de mim/se for possível/não desista do amor. “O livro é sobre persistir, resistir, sobreviver e além de tudo, olhar para dentro”. 

Criador do grupo “Insurgências Poéticas”, Thiago é além de escritor, um agitador cultural, reunindo pessoas de várias linguagens em suas edições. Esta será a primeira vez que não haverá lançamento físico. “Essa tem sido uma das grandes angustias. Pela primeira vez não teremos lançamento presencial. E logo eu que sempre gostei de juntar todo mundo. Mas é uma reflexão importante que estamos tendo, principalmente da equipe, para que possamos preservar a saúde e criar meios da ciranda não parar”. 

A direção de arte do livro é assinada por Rita Machado, Selo Insurgências Poéticas  , Editora Offset , Capa e material de divulgação Creaty e Textos de Ada Lima, Cellina Muniz, Luiz Renato Almeida e Mattheus Rocha. As fotos são de Diogo Ferreira. “E  contamos com a sensibilidade de outros trabalhadores de outras classes que possam fazer com que a nossa não pare porque temos muitas contas a pagar”, acrescenta. 

Sobre o livro: 
“Em “ARDÊNCIA”, Thiago Medeiros, capta como poucos, atento à respiração da cidade, o prazer e a dor do canto em que vive, retratada por ângulos surpreendentes” – Luiz Renato Almeida.
Poema:

p á s s a r o  s o l i t á r i o 
há dias não acendia a luz do quarto
queria que todos os dias fossem noite
longos dias na grande batalha 
entre vespas e muriçocas
queria ter coragem 
e gritar também
(mais uma vez) 
elas venceram.

Serviço: 
O novo trabalho com literatura de Thiago Medeiros, está em pré-venda pelo site da vakinha online até o dia 14 de abril).





Deixe seu comentário!

Comentários