A excelência ao discordar

Publicação: 2020-08-07 00:00:00
Ítalo Mitre Alves de Lima
CEO da Arena das Dunas Concessão e Eventos S.A.

Entregar mais valor em um produto ou serviço é um objetivo perseguido com afinco por profissionais e empresas. 
Em um ambiente permeado por incertezas, trabalhar em equipe previne a ocorrências de erros de julgamento e é um grande ativo para todos os negócios.

O valor do trabalho em equipe emerge quando a atuação coletiva gera um incremento de valor à soma dos indivíduos. Nesse cenário a liderança se depara com dois desafios: (i)atrair competências diversas e complementares entre si; (ii) garantir um ambiente adequado para manifestações divergentes.

O primeiro ponto está conectado à composição da equipe. Que tipo de profissional devemos trazer para o time?
Nesse pormenor, há que se cuidar da multiplicidade de profissionais. Não se trata apenas de escolher os melhores de um determinado perfil e agrupá-los em um coletivo. 

A diversidade ganha aqui uma outra relevância, que a leva além da inclusão de representações dos grupos presentes no espectro social. Deve-se cuidar de compor sua equipe com pessoas de diferentes perfis, características e histórias pessoais, para através dessa pluralidade se obter diferentes respostas e soluções para os problemas do cotidiano.

Daniel Kahneman e Amos Tversky, dois psicólogos que se dedicaram a compreender o funcionamento da mente durante a realização de escolhas, desenvolveram um estudo intitulado Julgamento sob incerteza: heurísticas e vieses. O estudo indicou que, em ambiente de incerteza, os indivíduos tendem a valorizar informações e percepções subjetivas e adotá-las como fundamentos decisórios, se afastando da racionalidade. Essa é a forma do nosso cérebro facilitar o processo de avaliação de alternativas e economizar sua energia. 

Assim, de forma inconsciente, as pessoas tendem a usar os estereótipos arquivados em experiências anteriores e tomar decisões com base em suas percepções, descartando outros elementos complementares e “empurrando” suas ações em caminhos enviesados por esses processos. 

Uma segunda missão do gestor é garantir ao seu time a liberdade e confiança de manifestar seus pontos de vistas.

Não se trata de estimular conflitos ou individualismo. Contudo, é preciso administrar esses choques sem descartar as potencialidades de cada membro do time. 

Geert Hofstede, psicólogo holandês e membro do departamento de recursos humanos da IBM nas décadas de 60 e 70, analisou a relevância das diferentes culturas nas cooperações entre os subordinados e seus líderes. Cunhou um indicador que chamou de índice de distanciamento do poder.

Sobre o tema, Malcolm Gladwel em seu Fora de Série – Outliers analisou o comportamento desse componente cultural em dois desastres aéreos. 

Em ambos, os fins trágicos foram consequências de uma dificuldade cultural, diga-se um temor reverencial, da equipe em se comunicar com a liderança. 

O que podemos aprender com essas tragédias? Ora, pessoas individualmente são suscetíveis a cometer erros, ainda que tenham as melhores qualificações técnicas.

Para mitigar esse risco, é preciso investimento – de tempo, recursos e energia - em regras de governança corporativas, essas focadas no comando (diretores, conselheiros, acionistas etc.), implementando mecanismo de contrapesos, com regras que afastem os já tratados riscos inerentes ao individualismo. O professor Alexandre Di Miceli da Silveira resumiu com propriedade: um bom sistema de governança pode levar a melhores decisões, por meio de um processo decisório mais estruturado, embasado e menos sujeito a conflitos de interesses e aos vieses cognitivos dos indivíduos (Governança Corporativa no Brasil e no mundo). 

É essencial, todavia, que os princípios da governança corporativa permeiem não só a alta gestão, mas também toda a cultura da companhia. 

Ora, para explorar a melhor capacidade de uma equipe, extraindo sua melhor eficiência e evitando a ocorrência de erros fatais, a gestão deve manter uma equipe com diferentes competências, pensando diferentemente, além de gerar oportunidades para expressar seus pontos de vista com segurança. Nesse lugar é que conseguimos gerar o maior valor para o negócio. 


Os artigos publicados com assinatura não traduzem, necessariamente, a opinião da TRIBUNA DO NORTE, sendo de responsabilidade total do autor.