A força da ancestralidade de Clara

Publicação: 2020-03-31 00:00:00
A+ A-
Enquanto grávida de Vida, sua primeira filha, Clara Pinheiro começou a sentir não só o movimento de dentro, mas também a refletir sobre toda a transformação que acontecia em sua história. Eram dias e noites escrevendo e sentindo a ancestralidade bater forte em seu peito. Com essa força, ela lança seu quinto disco intitulado “Volte e Pegue” que está em campanha de financiamento até o mês de maio. 
“No final de 2015 engravidei e comecei a revisitar memórias minhas e comecei o processo de empoderamento de mulher negra que sou e me colocar nesse lugar. Comecei a ler muito sobre isso e estar conectada com a negritude, com o nosso lugar, de onde vivo, dos lugares que freqüento”, contou Clara ao VIVER.

Créditos: Augusto JuniorCantora Clara Pinheiro se prepara para lançar seu quinto álbumCantora Clara Pinheiro se prepara para lançar seu quinto álbum


Junto com as leituras, ela começou a ver a filha crescer e a produzir diferentes letras, músicas e somou parcerias importantes com Renata Marquez, Marília Negra Flor e Juliana Ataíde. “E o disco fala muito sobre esse lugar da mulher negra, habitante da periferia, de estar à margem da sociedade”.

O título “Volte e Pegue”, é a tradução do símbolo Sankofa  utilizado pelo sistema de escrita do povo Akaan na África Central. A sankofa está associada diretamente ao provérbio “não é tabu voltar para trás e recuperar o que você perdeu”. Este símbolo traz uma ave migratória andando para frente e olhando para trás. “E essa volta para pegar o que foi esquecido é meu olhar para os ancestrais para caminhar firme para frente”, reflete. 

Com treze anos de estrada, Clara coleciona quatro títulos importantes na discografia da música potiguar brasileira. “Clara e a Noite”, “Vol.II”, “Amor da Outra” e “Entre Aberta”, contam também com memórias fortes de sua trajetória, porém agora mais amadurecida. 
Sua relação com a periferia e o olhar aguçado para o despertamento do outro e de si vem desde que Clara é criança. “Eu moro na vila de Ponta Negra. O bairro em si tem muita resistência, apesar de toda invasão que teve no local, algumas práticas culturais ainda sobrevivem. Aqui temos as rendeiras, a cultura da pesca, os cocos... E a minha relação com meu bairro é muita cotidiana. Aqui eu pude ver e reviver muitas formar de preconceito e racismo. Aqui eu pude identificar a falta de auto estima mas também a bravura de um povo inteiro”, conta.
Uma das canções do disco, assinada com Juliana Ataíde: “Carga Vil”, traz um tanto do seu olhar no mundo e diz: “Negro no Brasil já foi carga /Negro no Brasil já foi carga vil /Negro no Brasil já foi carga /Negro no Brasil já foi carga viu? Fechou o olho e quando abriu já estava no Brasil... Se não viu foi porque não quis.”

Além de Juliana, o disco conta com a participação da compositora e cantora Ayra Soares, de Pretta Soul, Marília Negra Flor, Dj Samir Lemos e a Mixagem do disco é de Pedras Leão, Gabriel Solto, com produção de Clara e Caxangá, seu parceiro de décadas. 

Mulher Negra
Por acreditar que a revolução tem que acontecer a partir da mulher negra, Clara fez questão de convidar para o projeto o maior número de mulheres negras possível. “Somos nós quem estamos mais à margem da sociedade.  É a mãe preta de periferia, aquela que não tem como gerar economia e é a grande maioria da realidade do nosso país.  E eu quis muito trazer para o trabalho, trazer artistas pretas para pensar e trocar essa energia”, afirma.  

A campanha estará aberta até maio através da plataforma “Vakinha” e tem como proposta o lançamento físico do disco, porém devido a pandemia mundial que atravessamos, ainda é incerto. “O cronograma está construído diante da situação que estamos vivendo hoje. A idéia é que fique até maio, que a campanha fique aberta até uma semana depois do show, mas ainda não sabemos se será online ou presencial. E vou sentindo até lá”, disse.

Na última segunda feira (23), Clara fez uma live ao vivo de apresentação da campanha. “Como não toco instrumento, e preciso dos músicos para estarem comigo, fico com receio de fazer mais lives para apresentar as canções, embora não me falte o desejo, precisamos compreender que não é possível agora”. Na live foram apresentadas algumas canções do disco e releituras com versões de Caetano Veloso e da cação “A Carne” de Seu Jorge. “É muito doido esse momento que vivemos agora, mas ele veio para nos dar lições. É raro. Esse momento em que podemos perceber das pessoas estarem em casa com as famílias e voltando a olhar para outras coisas e nesse momento que vemos que não dá para comer dinheiro. Aqui em casa estamos todos na minha mãe, todos juntos e está sendo delicioso. Tem essa parte de não poder sair, do medo da pandemia, mas o que mais me assusta é pensar no depois. Imaginar que vamos passar meses com comércio fechado, o que vai acontecer na economia de nosso país e com os pobres que já vivem com tanta dificuldade. O que mais me assusta é isso. Aonde estaremos quando tudo isso acabar”, reflete. 

Serviço
Campanha do disco “Volte e Pegue” de Clara Pinheiro

Recompensas:  
R$30 > Carta escrita a punho por Clara + Agradecimento em perfil de rede social

R$50 > Carta escrita a punho por Clara + 1 Botton + Agradecimento em perfil de rede social

R$100 > Carta escrita a punho por Clara + 1 Botton com a Logo do projeto + 1 Foto Impressa Exclusiva e Autografada por Clara e Augustus (10X15) + Agradecimento em perfil de rede social

R$300 > 1 Foto Impressa Exclusiva e Autografada por Clara e Augustus (10X15) + Versão inédita de 1 música do álbum + 1 Camisa com Verso da letra de uma música + Agradecimento em perfil de rede social
 
R$500 > 1 Foto Impressa Exclusiva e Autografada por Clara e Augustus (10X15) + Versão inédita de 1 música do álbum + 1 Camisa com Verso da letra de uma música + 1 Cerveja Artesanal (Brejeira) produzida e engarrafada por Clara + Agradecimento em perfil de rede social
 
R$ 1.500 > SHOW*  + 1 Foto Impressa Exclusiva e Autografada por Clara e Augustus (10X15) + Versão inédita de 1 música do álbum + 1 Camisa com Verso da letra de uma música + 1 Cerveja Artesanal (Brejeira) produzida e engarrafada por Clara + Agradecimento em perfil de rede social










Deixe seu comentário!

Comentários