Cookie Consent
Natal
Água do Potengi é a mais poluída do RN
Publicado: 00:00:00 - 04/09/2016 Atualizado: 02:23:49 - 04/09/2016
Arthur Barbalho
Repórter

A qualidade da água das principais bacias hidrográficas e reservatórios para abastecimento do Rio Grande do Norte melhorou nos últimos anos. É o que aponta o levantamento feito pelo projeto Água Azul, desenvolvido pelo Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte (Idema) em parceria com outros órgãos públicos estaduais e federais em todo em solo potiguar. Contudo, dois fatores influem diretamente para que os números não sejam melhores: a falta de saneamento nos centros urbanos e a seca prolongada que o RN enfrenta há pelo menos cinco anos. Assim, casos como o da poluição no rio Potengi, o maior do estado e que divide a zona Norte do restante de Natal, ainda devem demorar a ter alguma solução.
Água Azul coleta amostras de água em 110 pontos diferentes do Estado e em 82 poços
Em todo o Rio Grande do Norte, o Projeto Água Azul monitora 110 pontos de coleta de água superficial, além outros 82 poços. O trabalho é feito através do Instituto de Gestão de Águas do RN (Igarn), parceiro do programa juntamente com a Universidade Federal do RN (UFRN) Instituto Federal de Educação, de Ciência e Tecnologia (IFRN), Universidade Estadual do RN (UERN), além da Empresa de Pesquisa Agropecuária do RN (Emparn). Em geral, boa parte dos que estão nos centros urbanos - seja em Natal ou no interior - sofrem com a questão da falta de saneamento.

Leia Mais

“O Potengi hoje é um rio que está com sua capacidade de saturação no limite. É um rio poluído. O que salva ele é o fato de estar na foz, uma vez que com as marés altas, ele é constantemente renovado. Então, isso dá uma sobrevida a ele. É um rio poluído, como todos os que margeiam as grandes cidades, ainda mais as que não são saneadas. Nossa expectativa é que com o saneamento de Natal chegando ao 100%, essa carga (de poluição) vai diminuir e o rio seja purificado, restabeleça suas condições naturais”, disse Luiz Augusto Santiago Neto, diretor técnico do Idema e um dos responsáveis pelo programa. “A despoluição do Potengi passa necessariamente pelo esgotamento sanitário. Com Natal 100% saneada, isso vai reduzir abruptamente a carga que lançada no rio por fossas clandestinas, pela própria contaminação do lençol freático. A tendência é que com as chuvas, a  água do lençol freático seja despoluída, mas é um processo que leva anos e vai também vai depender 90% do esgotamento sanitário”, afirmou ele.

Segundo o diretor responsável pelo Idema, a cada seis meses o programa realiza a análise da água dos reservatórios e mananciais monitorados no estado. “É um acordo feito entre os órgãos envolvidos, que constataram que tecnicamente este seria o prazo ideal”, esclareceu Luiz Augusto. O trabalho de coleta e análise é feito pelo Igarn, que entre 2008 e o primeiro semestre deste ano identificou uma melhora na qualidade da água em todas as bacias do estado. Já nos principais reservatórios, a situação ainda preocupa. “Na barragem Armando Ribeiro Gonçalves identificamos uma concentração hipereutrófica (aumento da concentração de nutrientes, que pode causar mal odor ou mortandade de peixes, por exemplo) alta, o que gera uma preocupação”, disse o diretor presidente do Igarn, Josivan Cardoso. A questão foi levantada também pelo diretor do Idema, que reforçou a importância da necessidade de chuvas e de saneamento também no interior do estado.

“A medida que a água vai diminuindo, mais poluição o reservatório tem. Por exemplo, o açude Japi (em São José de Campestre, atualmente com 0,1% de sua capacidade) é um que está poluído. O Gargalheiras (em Acari) secou ao ponto que a água hoje é suja. Pau dos Ferros, o Itans (em Caicó), todos esses reservatórios grandes recebem contribuições de esgoto. É inevitável. Enquanto as cidades não forem saneadas, deverão passar por esses problemas. É um problema que só será resolvido quando todas as cidades tiverem o seu saneamento. Porque com isso, você vai eliminar as fossas, embora sempre existindo alguém que vai fazer o clandestino”, completou Luiz Augusto.

Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte