'Há avanço, mas não no ritmo que deveria acontecer', diz Rubens Ramos

Publicação: 2020-10-25 00:00:00
O engenheiro civil e mestre em engenharia de transportes, Rubens Ramos, avaliou que os problemas que mais incomodam os usuários no transporte público de Natal devem-se à defasagem das linhas que operam e que estão desorganizadas. Para ele, sem um transporte público de qualidade e eficiente, as pessoas recorrem ao transporte individual, lotando as vias e gerando os gargalos no trânsito.

Créditos: Magnus Nascimento

Como o senhor avalia o sistema de transporte público de passageiros de Natal atualmente?
O transporte público tem linhas defasadas e com serviço de péssima qualidade, levando as pessoas a andarem nos carros particulares. Nesse caso, as linhas são longuíssimas e o ônibus não voltam a tempo para pegar mais pessoas em horário de pico.

A mudança no sistema dividindo os itinerários e unificando linhas foi acertiva?
As pessoas dificilmente utilizam o ônibus no percurso completo que ele faz. Então essas linhas estão erradas. As mudanças feitas estão conceitualmente corretas. Mas precisa de campanha, informação para que as pessoas nao saibam somente quando entram no ônibus. Temos linhas novas com tarifa menor, as linhas encurtadas melhoraram para quem está voltando para casa que agora pode pegar os ônibus mais vazios.

O transporte público tem melhorado ao longo dos anos?
Eu diria que há avanços, mas não no ritmo que deveriam acontecer. Há a possibilidade de dar um salto para o futuro trocando a frota por ônibus elétrico, por exemplo. Pior não tem como ficar. Precisa atualizar as linhas para o que é hoje e a tecnologia para ônibus elétrico, que consome um terço de energia em reais comparando aos convencionais.

Por que não se avança em melhorias no transporte público?
Nao mudou por comodismo de Prefeitura e empresas. Tudo era jogado no aumento de tarifa. Mas agora chegou no limite. A cada aumento perde espaço para os aplicativos de transporte. A tarifa não é mais solução para a má gestão e ineficiência. Hoje o transporte tem excesso de ônibus e de linhas, o que falta é um sistema racional. Tem que licitar, mas é preciso fazer mudança da rede. Sugiro um contrato emergencial de 18 meses, como em São Paulo, e nele já se faça ações de mudança, com as empresas comprando ônibus elétricos para as principais linhas e o vencedor da licitação já compra esses ônibus, repondo o custo.

O trânsito ainda tem seus gargalos, apesar da construção de viadutos em vias movimentadas da cidade. Qual seria a saída para resolver ou amenizá-los?
São intervenções erradas, coisas que se pensa que vai melhorar e acaba trazendo mais engarrafamento e não os elimina. Além disso, quase não infraestrutra para bicicletas e as vias não são projetadas para pedestres, pois faltam calaçadas e travessias seguras. O que se sabe em termos de tráfego urbano é que quando se implanta infraestrutura para aliviar o trânsito, mais as pessoas usam. A solução seria tirar as pessoas dos carros e criar mecanismos que estimulem as pessoas a nao usarem o carro. A saída é viabilizar menos carro e mais transporte público, transporte por bicicletas ou mesmo carros compartilhados.