A instituição do dia da Palavra de Deus

Publicação: 2020-01-24 00:00:00
Ednaldo Virgílio da Cruz
Padre e Diretor de formação espiritual do Seminário de São Pedro

Todas as religiões do livro supõem em sua origem uma palavra revelada que, logo a seguir, toma a forma de escritura sagrada. No cristianismo, essa etapa da palavra-escritura culmina na encarnação. Com efeito, a Palavra pessoal do Pai assume o ser humano de Jesus, elevando-o a uma ordem estritamente divina. Por isso, na religião cristã, o tratamento da Palavra de Deus exige, como moldura adequada, o mistério da vida intratrinitária que se autocomunica na revelação e na encarnação. Portanto, o cristianismo não é a religião do livro”, afirma Bento XVI na exortação apostólica pós-sinodal Verbum Domini. No início do cristianismo não existia uma decisão ética ou uma grande ideia, mas o encontro com um acontecimento, com uma Pessoa que dá vida e horizonte.

O itinerário bíblico do Magistério perpassou vários pontificados, cujo início com a Encíclica Providentissimus Deus, de 18 de novembro de 1893 sobre os estudos da Sagrada Escritura do papa Leão XIII. É o primeiro documento oficial da Igreja Católica, após as definições sobre a Palavra de Deus no Concílio de Trento. A trajetória seguiu seu rumo até o pontificado de Bento XVI, com a exortação apostólica pós-sinodal Verbum Domini.

No término do jubileu extraordinário da misericórdia, o papa Francisco pediu que se pensasse num domingo dedicado a Palavra de Deus, com o intuito de fazer a Igreja reviver o gesto do Ressuscitado que abre, também para nós, o tesouro da sua Palavra, para podermos ser no mundo arautos desta riqueza inexaurível. O pedido do papa foi concretizado no dia 30 de setembro de 2019, memória litúrgica de São Jerônimo, na basílica de São João de Latrão – Roma. O santo padre, com o Motu próprio “Aperuit illis” instituiu o Domingo da Palavra de Deus. Assim, com esta Carta, afirma o papa: pretendo dar resposta a muitos pedidos que me chegaram da parte do povo de Deus no sentido de se poder celebrar o Domingo da Palavra de Deus em toda a Igreja e com unidade de intenções. Já se tornou uma prática comum viver certos momentos em que a comunidade cristã se concentra sobre o grande valor que a Palavra de Deus ocupa na sua vida diária. Nas diversas Igrejas locais, há uma riqueza de iniciativas que torna a Sagrada Escritura cada vez mais acessível aos crentes para os fazerem sentir-se agradecidos por tão grande dom, comprometidos a vivê-lo no dia a dia e responsáveis por testemunhá-lo com coerência. “Portanto estabeleço que o III Domingo do Tempo Comum seja dedicado à celebração, reflexão e divulgação da Palavra de Deus. Este Domingo da Palavra de Deus colocar-se-á, assim, num momento propício daquele período do ano em que somos convidados a reforçar os laços com os judeus e a rezar pela unidade dos cristãos. Não se trata de mera coincidência temporal: a celebração do Domingo da Palavra de Deus expressa uma valência ecumênica, porque a Sagrada Escritura indica, a quantos se colocam à sua escuta, o caminho a seguir para se chegar a uma unidade autêntica e sólida.”, escreve o Papa no n. 3 do documento.