Cookie Consent
Política
Álvaro Dias não aceita apoiar candidatura de Fábio Dantas
Publicado: 00:00:00 - 14/04/2022 Atualizado: 00:28:04 - 14/04/2022
O prefeito de Natal, Álvaro Dias (PSDB), não aceita apoiar o ex-deputado Fábio Dantas (Solidariedade) como o candidato ao governo do Estado. Segundo ele, “não é o nome para ser governador do RN neste momento”. A declaração foi dada ontem à noite ao jornalista Heitor Gregório, que mantém blog no Sistema Tribuna de Comunicação. Fontes ligadas ao prefeito confirmam o posicionamento.

Arquivo
Fábio Dantas confirmou que está com o nome à disposição para concorrer ao governo

Fábio Dantas confirmou que está com o nome à disposição para concorrer ao governo


Álvaro Dias declarou ao Blog do Heitor Gregório que defende três opções para disputar o governo como candidatos de oposição a Fátima Bezerra: o presidente da Câmara Municipal, vereador Paulinho Freire, o ex-deputado federal Felipe Maia e o ex-senador José Agripino (União Brasil, todos).  

O prefeito teria elogiado os três por suas trajetórias políticas e capacidades pessoais. “Se forem candidatos ao governo, Paulinho Freire, Felipe Maia ou José Agripino contam com meu apoio”, afirmou. 

Nas últimas semanas esses nomes já tinham surgido como possíveis candidatos. Mas todos têm projetos pessoais e não estão dispostos a disputar o governo do estado nesse momento. José Agripino, por exemplo, declarou que não havia a mínima chance de se candidatar. Paulinho Freire é candidato a deputado federal. E Felipe Maia atua como empresário atualmente.

Há ainda um outro fator que envolve essa composição política: o MDB, presidido por Walter Alves, deve compor chapa com a governadora Fátima Bezerra (PT). O filho do prefeito deve ser candidato a deputado estadual pelo MDB e é sua prioridade política nesse ano de 2022. Isso não condiciona o apoio dele a Fátima Bezerra, mas certamente dificulta sua participação em um palanque com candidato de oposição ao governo. 

Ontem, antes das declarações do prefeito, o ex-deputado estadual Fábio Dantas (Solidariedade) disse à TRIBUNA DO NORTE que caso venha a ser confirmado candidato ao governo nas eleições majoritárias de 2022 pelo partido Solidariedade vai focar em um “projeto de governo e não pessoal, e se for eleito não vai disputar a reeleição, vou ser governador para ser instrumento de transformação do Rio Grande do Norte, diferente dos outros que só pensam em eleição”. As informações de integrantes da oposição são de que o nome de Fábio Dantas tem se fortalecido como candidato por uma coligação que está em formação. Entre os partidos que devem apoiar a candidatura, estão PL, PP, PSC e Solidariedade. O anúncio deve ser na próxima semana. 

Pelo fato de seu nome não aparecer, praticamente, em nenhuma pesquisa de intenção de votos, Fábio Dantas acha que partir do zero não é problema para a sua campanha, porque vai procurar, inicialmente, “focar no projeto de governo para valorizar a municipalidade, é lá que o cidadão sofre, com os problemas maiores da ausência do Estado”.

Fábio Dantas confirmou que o seu nome continua à disposição para uma eventual disputa do governo do Estado,  mas não tem nada fechado sobre uma chapa majoritária de oposição. “Os partidos estão se reunindo para ver quem será o candidato, estão esperando algumas tratativas (tempo de propaganda no rádio e TV) e estou aguardando”. 

Vice de Fátima vai ser Walter, confirma Antenor
A governadora Fátima Bezerra (PT) já comunicou ao PC do B que o candidato a vice-governador na sua campanha de reeleição será o presidente estadual do MDB, deputado federal Walter Alves. A confirmação veio do próprio vice-governador Antenor Roberto de Medeiros ao “Jornal da Manhã”, da rádio Jovem Pan News, ao destacar que como ficará de fora da vice, o seu partido pleiteia participação na chapa majoritária com a indicação de um suplente de senador para coadjuvar a pré-candidatura do ex-prefeito de Natal, Carlos Eduardo Alves, para o Senado da República.

O vice-governador Antenor Roberto disse que sempre deixou a governadora Fátima Bezerra numa situação confortável, porque a reeleição não é de senador e nem de vice, a eleição é da governadora do Estado: “Em que condições essa eleição se apresenta mais viável, então fizemos o primeiro movimento para desmobilizar a oposição, que foi trazer Carlos Eduardo, não só imobilizamos Carlos Eduardo que queria vir para o nosso campo político, porque era sua tradição como parlamentar e prefeito, fomos aliados e foi nosso candidato a governador, como também imobilizamos o prefeito da capital, Álvaro Dias, era candidato com a faca nos dentes”.

Antenor Roberto contou sobre a movimentação em torno  da aliança com o MDB, que passou pelas articulações para que o presidente da Assembleia Legislativa, Ezequiel Ferreira (PSDB), fosse candidato a governador pela oposição. “Naturalmente que esse diálogo com Garibaldi Filho, já vinha acontecendo desde a visita do Lula aqui (agosto de 2021), e terminou que com essa articulação da força de Ezequiel com o MDB, foi a última jogada para acomodar o MDB na vice”, afirmou. 

“Por tudo que foi  dito até agora, ela (governadora) de forma transparente, colocou isso para o partido, que está pleiteando   a  suplência de senador, porque o objetivo é a reeleição da governadora”, declarou Antenor Roberto, sem confirmar se será a primeira ou segunda suplência, vez que o senador Jean Paul Prates já desistiu de disputar à reeleição, colocando-se como primeiro suplente na chapa de Carlos Eduardo.

Para o vice-governador, o fato de contar com dois primos na chapa majoritária (Carlos Eduardo   e Walter Alves) não trará dificuldades para a governadora Fátima  Bezerra, devido a força do fenômeno do “Lulismo” nas eleições deste ano. “Fátima vai fazer uma campanha extremamente explicativa, porque vão cobrar dela a questão do palanque, que é explicativa por causa do contexto no qual estamos vivendo no Brasil”, disse.

Antenor Roberto também avalia que a presença de Walter Alves trará ganhos políticos para a governadora Fátima Bezerra, pois deverá contar com o apoio de uma base no interior, que conta com 40 prefeitos: “"E não é para isso que o Walter Alves vai se tornar vice? Um dos maiores argumentos não é que ele traz a densidade eleitoral, traz os prefeitos? O discurso de Babá daqui a pouco fica desatualizado quando for proclamada a chapa".

Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte