A música do Mada

Publicação: 2012-10-19 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Eliade Pimentel - Repórter

O Mada é a cara da Ribeira. Com o poético nome de Música, Alimento da Alma, o evento nasceu no velho bairro e agora volta para acertar de vez seu espírito alternativo. O mais duradouro festival de música do RN chega a sua 13ª edição e será realizado nos dias 19 e 20 de outubro, sexta e sábado, no estádio senador João Câmara. O evento apresenta grandes nomes brasileiros de carreiras musicais internacionais, como Criolo e Seu Jorge, além de Agridoce, novo projeto de Pitty  e Martin. A banda portuguesa The Gift, é a atração internacional.
DivulgaçãoO mais duradouro festival de música do RN chega a sua 13ª edição e será realizado nos dias 19 e 20 de outubro, sexta e sábado, no estádio senador João CâmaraO mais duradouro festival de música do RN chega a sua 13ª edição e será realizado nos dias 19 e 20 de outubro, sexta e sábado, no estádio senador João Câmara

Durante alguns anos, o festival foi realizado na arena do hotel Imirá, na Via Costeira. No ano passado, não foi realizado por motivos de captação de recursos e não devido à locação. O retorno às origens tem mais a ver com a sintonia que o Mada tem com o bairro em que nasceu. Na concepção do idealizador Jomardo Jomas, a mudança de endereço está sendo uma experiência desafiadora, mas com gostinho de satisfação pessoal.

“O Mada cresceu, não dava para voltar ao bairro sem que houvesse um lugar apropriado. Apostamos neste estádio porque tem área suficiente para comportar a estrutura do evento”, afirma. O Mada 2012 é realizado através da Lei Câmara Cascudo de Incentivo à Cultura, com patrocínios da Cosern/Neoenergia e Governo do Estado, Skol, e apoio da marca de cosméticos Natura, que vai estacionar seu Caminhão Perfumaria dentro do festival Mada. O evento ainda contará com um espaço “front stage” coordenado pelo Peppers Hall.

O melhor acesso para o estádio João Câmara, situado na avenida Esplanada Silva Jardim, é pela Duque de Caxias, na altura do Banco do Brasil. Os portões serão abertos às 19h30. Logo na entrada, os visitantes poderão apreciar a tradicional Feira Mix, come expositores locais. Para dinamizar os shows, será mantida a estrutura de dois palcos para revezamento. De volta ao bairro, o Mada adere ao Movimento Ribeira Território Criativo, que busca melhorias e recuperação do bairro que é berço da cidade Natal.

Na primeira noite, o Mada apresenta um time que vai do samba-rock de Seu Jorge, com direito ao rapper inventivo Criolo. De Penambuco, a novidade é Tibério Azul, iniciando turnê por aqui. Da música potiguar, o festival aposta em Talma e Gadelha, Letto, Rosa de Pedra, Peaceful Pants e Manifestarte.  A banda portuguesa The Gift se apresenta no sábado e divide as atenções com Agridoce, projeto de Pitty e seu parceiro musical Martin, Forfun (RJ), Monomotor (CE) e os potiguares Júlio Lima, Tai e 2 Polos.

PRIMEIRO DIA

SEU JORGE

Seu nome já figurou na programação de 2009 do Mada. Desde então, o conceito e o público de  Seu Jorge só aumentaram, principalmente depois do seu álbum Música para churrasco, Vol. 1. Há pouco tempo, o cantor veio a Natal numa versão mais leve, mas é no show do Mada que o público vai poder vibrar e dançar pra valer os hits que se popularizaram, como Carolina, Burguesinha, Mina do Condomínio, Amiga da Minha Mulher, entre outras.

* PALAVRA DE CRÍTICO - “Pela pegada black e inventividade explícitas, é um show imperdível”. - Rubens Araújo (jornalista/blog Todo Ouvido).

CRIOLO

Do seu hip hop, brotam letras incisivas, como condiz a um bom rapper. O diferencial de Criolo é que ele insere   elementos como samba, reggae, afrobeat e música brega nas suas canções. E assim, conquistou um público muito mais abrangente. Com Nó na orelha, esteve em todas as listas de ‘melhor disco’ do ano passado. Para dançar ao som de Bogotá (e outras igualmente dançantes) ou refletir ao som de Não existe amor em SP, a vinda de Criolo ao Mada está sendo bastante esperada. 

* PALAVRA DE CRÍTICO - “Eis que o hip hop brasileiro desamarra um pouco o carão para pedir amor e verdade, numa mistura que extrapola o gênero e flerta com sonoridades interessantes como o afrobeat”. - .Isaac Ribeiro (jornalista/Tribuna do Norte). 

TIBÉRIO AZUL

O cantor e compositor Tibério Azul  apresenta ao público potiguar o seu primeiro disco Bandarra, que esteve em várias listas de melhores de 2011 e chamou atenção suficiente sobre sua obra. Na opinião de China, (cantor, compositor, vocalista do Del Rey e VJ da MTV), Azul será um dos grandes compositores da música brasileira, “e se isso ainda não se consolidou, é porque ele está apenas em seu primeiro vôo”.

PALAVRA DO CRÍTICO  - “O cantor e compositor Tibério Azul pertence à novíssima geração de músicos pernambucanos que está ajudando a redefinir a sonoridade do mangue (bit)” - Tádzio França/TN).

TALMA & GADELHA

A parceria de Simona Talma e Luiz Gadelha tem sido uma das mais aclamadas da música potiguar, em termos de pegada roqueira. O projeto Matando o Amor explorou a fundo as sonoridades de um ‘indie’ rock melódico.

PALAVRA DO CRÍTICO - “Pop gostoso de se ouvir, bem feito, com boas letras cantadas pelo vocal doce e suave de Simona Talma. Coro na plateia na certa” - Isaac Ribeiro (TN).

LETTO

Letto iniciou seus estudos musicais em 2001, com o violão clássico como instrumento base para suas criações. Em seguida, escolhendo a música popular como linguagem, foi construindo suas letras carregadas de poesia existencialista, extraída das imagens que ilustram o cotidiano, refletindo o ser e seus íntimos comportamentos. Atualmente radicado no Rio de Janeiro, foi escalado para o Mada na seletiva realizada do Rio de Janeiro.  

PALAVRA DO CRÍTICO -  “Letto precisou sair da zona de conforto para consolidar a personalidade de sua música. O cantor e compositor mescla poesia com um rock experimental que surpreende dos iniciados aos mais céticos” - Yuno Silva (Tribuna do Norte).

MANIFESTARTE $.A

O grupo Manifestarte $.A. é uma das gratas surpresas que a cena rap potiguar vem produzindo e apresentando já de forma madura. Com músicas que procuram levar às pessoas versos nordestinos cheios de informação e questionamento social, mostra em suas letras um conteúdo politizado ao mesmo tempo em que resgata a cultura regional associando aos valores do Hip-Hop.

ROSA DE PEDRA

A banda liderada por Ângela Castro  atua na cena independente desde 2002 e tem dois discos na praça. Faz uma música autoral “fusion, pop, regional com uma pitada de rock cangaço”, como o próprio grupo se define. A sonoridade é resultante de ritmos diversos da cultura popular, como coco, ciranda, e da música universal (rock, drum’n bass etc).

SEGUNDO DIA

THE GIFT

Marcando o Ano de Portugal no Brasil, o Mada traz um dos grupos mais destacados da cena pop rock indie mundial, a banda portuguesa The Gift. O quarteto surgido em Portugal, no final dos anos 1990, tem a frente a cantora Sônia Tavares, única mulher no grupo.  A banda canta em inglês e aposta numa sonoridade eclética, cheia de efeitos, aliada a versatilidade da vocalista. Após o show no palco Sunset no Rock in Rio ano passado, a banda volta ao Brasil para duas apresentações de Primavera/Explode Tour Mil cores possíveis. 

PALAVRA DO CRÍTICO - “O quarteto canta em inglês e aposta no pop-rock arrumadinho. De sonoridade descolada, há um ‘quê’ vintage percebido em faixas como The Singles, do novo álbum Explode, onde guitarras de pegada indie e sintetizadores dominam a cena” - Yuno Silva/TN.

AGRIDOCE

Projeto acústico de Pitty com Martin, músico de sua banda, o Agridoce é a reprodução de um som classificado por ela como representante do “fofolk”, que seria algo como um “folk fofo”. Pitty canta em inglês (Upside down, Rainy) e francês (Ne parle pas).

PALAVRA DO CRÍTICO - “Esse projeto de Pitty e seu parceiro musical Martin soa de forma intimista e tem bastante qualidade”. Rubens Araújo/Todo Ouvido.

FORFUN (RJ)

A carioca Forfun  aponta sua metralhadora giratória em todas as direções: rock, reggae, soul, black, eletrônico, hip hop, hard core, emocore, musicalidade latina.

PALAVRA DO CRÍTICO - “Talvez queiram agradar gregos e troianos com essa salada” - Yuno Silva/TN

JÚLIO LIMA

Melhor intérprete do 4º festival do MPBeco e segunda melhor canção com Há sempre música!, Júlio surpreende pelo timbre grave de sua voz e atitude roqueira no palco.

Palavra DO CRÍTICO - “Forte presença, voz marcante e boas composições fazem de Júlio um dos destaques da nova música potiguar”.

RASTAFEELING

Capitaneada pelo vocalista Alan Negão, a banda Rastafeeling completa oito anos de estrada em 2012 e reafirma o gênero imortalizado por Bob Marley no palco do Mada este ano. O grupo potiguar já lançou CD e coleciona uma legião de fãs que sabem as letras de cor e salteado. Destaque para Cidade do Sol e a bandeirosa Me dá 1 Real.

TAI (RJ)

Formada no reality show Geléia do Rock edição 2011, a banda obteve um alto índice de aceitação no programa do canal Multishow chegando à grande final.

MONOMOTOR (CE)

Banda de rock cearense surgiu em 2008 e tem uma pegada do velho rock, com influências que vão de Sérgio Sampaio, Raul Seixas e Country Joe and the Fish, entre outros.

2 POLOS (RN)

Com um CD gravado, a banda 2 Polos se classificou por duas vezes consecutivas para o Festival Universitário da Canção (UFRN) com as músicas até então inéditas. Atualmente, concentra-se nas composições do próximo disco e na produção do primeiro videoclipe.

continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários