Cookie Consent
Viver
Ângela Castro põe sua versatilidade sonora em cena no EP 'Caleidoscópica'
Publicado: 00:01:00 - 01/07/2022 Atualizado: 21:35:50 - 30/06/2022
Dona de uma das vozes mais marcantes da música potiguar contemporânea, a cantora e compositora Ângela Castro põe sua versatilidade sonora em cena mais uma vez. O EP “Caleidoscópica” chega às plataformas digitais de música nesta sexta-feira, e propõe uma ampliação do universo musical da artista. Com a produção de Gabriel Souto, responsável pelos beats das bandas Dusouto e Luísa & Os Alquimistas, o segundo trabalho solo de Ângela pretende levá-la para novos lugares, repletos de paisagens eletrônicas e melódicas.  

Divulgação
Cantora Ângela Castro retoma parceira com Gabriel Souto

Cantora Ângela Castro retoma parceira com Gabriel Souto


Em “Caleidoscópica”, Ângela retoma a parceria que já havia feito com Gabriel Souto em 2018, quando lançou seu primeiro disco solo, “Buena Onda”. Segundo a cantora, o processo de produção do novo trabalho foi marcado por variadas experimentações. O produtor e DJ, além de ser responsável pela sonoridade moderna do EP, também gravou alguns instrumentos tocados nas músicas.  

“Quando chamei Gabriel pra fazer o EP, queria a identidade sonora dele impressa em cada uma das composições que eu trazia. E assim foi acontecendo: a gente encontrava um caminho, aí ele seguia levando pro universo sonoro dos beats, das programações eletrônicas e dos sintetizadores, e eu ia colaborando com alguns detalhes. E quando eu via, já estava tudo lindo”, contou Ângela.

As cinco músicas de “Caleidoscópica” mostram de fato uma nova faceta de Ângela. A presença da eletrônica está mais explícita do que nunca. A cantora põe a tecnologia a serviço de sua visão pessoal de música brasileira, oferecendo sintetizadores borbulhantes, batidas próximas do techno, bregafunk robótico, um toque de funk carioca com  tamborzão romântico, balanço de afoxé eletrônico, e música brega moderna, derramando sentimento em beats programados. 

Processo
Durante o processo, Ângela também explicou que algumas canções passaram por uma verdadeira metamorfose entre a composição original e o resultado final no estúdio. É o caso de “Senhora”, a segunda música de trabalho do EP. "'Senhora' é uma composição minha em parceria com Ricardo Baya, feita no tempo em que tocávamos num projeto de forró. Surgiu como um xote falando sobre um amor entre duas mulheres, que é um ato político só por existir. A canção foi inspirada pelo início do relacionamento com minha esposa”, disse.

“Senhora” também conta com a participação de Carlos Tupy, na guitarra solo. O EP também traz composições em parceria com Khrystal em “Patuás, Fé e Orixás”, primeiro single lançado em maio); Gabriel Souto em “Querendo Paz”, e Priscilla Villela em “Todas Elas”. O disco também traz participações de Tiquinha Rodrigues, que toca violino em “Todas Elas” e participa do coro ao lado de  Priscilla Vilela e Alice Vilela, que também recita o texto. 

Ângela Castro é uma voz e uma cara bastante conhecida na cena de música autoral e alternativa de Natal. Já emprestou sua voz cristalina a diversas bandas e projetos, como Retrovisor, Rosa de Pedra, Bando das Brenha, e Orquestra Greiosa. A cantora nasceu em Porto Velho (RO), mas iniciou sua carreira musical já morando na capital potiguar. 

A paixão por MPB e pela música em geral é a responsável pelas muitas parcerias que ela fez ao longo da carreira, mergulhando sua música por batuques, forró de raiz, rock, carimbó, e batidas eletrônicas. O primeiro disco solo, lançado pela Tratore, tinha clara inspiração na MPB dos anos 70 e sua liberdade estética e experimental. O caleidoscópio de sons sempre fez parte de sua música.  

Serviço:
EP “Caleidoscópica”, de Ângela Castro. Disponível a partir de hoje (sexta) nas principais plataformas de streaming. 

Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte