“Política de Trump pode abrir espaço ao Mercosul”

Publicação: 2017-02-08 00:00:00
A+ A-
Brasília (AE) - O presidente da Argentina, Mauricio Macri, fez ontem visita de Estado a Brasília – a primeira desde a sua posse, há 14 meses. O objetivo é reforçar a relação com o Brasil, principal parceiro argentino na região, no momento em que os dois países querem eliminar barreiras comerciais e conquistar terceiros mercados e que os Estados Unidos, sob a presidência de Donald Trump, ameaçam adotar uma politica mais protecionista.

De acordo com avaliação feita durante a visita, as políticas comerciais protecionistas de Trump poderão facilitar acordos para o Mercosul. "Claramente, essa mudança de cenário faz com que o México olhe para o sul com mais decisão", disse Macri, sem mencionar diretamente Trump ou os EUA, após reunir-se com o presidente Michel Temer.

O cenário favoreceria a negociação de acordos com outros países da Aliança do Pacífico (Chile, Colômbia, México, Peru e Costa Rica) e com a União Europeia. O ministro da Agricultura do México, José Eduardo Calzada Roviroza, virá ao Brasil no fim do mês para tratar da importação de alimentos.

O saldo da vinda de Macri, a primeira visita de Estado recebida por Temer desde que assumiu a Presidência, foi principalmente político. "Temos desafios semelhantes, a urgência de buscar o crescimento econômico e a geração de empregos, e também modos semelhantes de enfrentar esses desafios, com reformas ambiciosas e fortalecimento da competitividade", disse Temer. Macri concordou e pediu que rivalidade fique restrita aos esportes. Mas que, num mundo de incertezas, é preciso fortalecer a aliança.

"A reunião foi muito boa, tanto do ponto de vista político como de repercussão e de cordialidade", diz o ministro das Relações Exteriores, José Serra. Com a assinatura de quatro acordos e uma carta, o Brasil avalia que houve mudança de tom na relação dos países e uma orientação mais pragmática dos presidentes. Uma série de reuniões concretizará decisões tomadas, que vão da possibilidade de ações conjuntas de promoção comercial a regras para cruzar a fronteira em situações de emergência.