É preciso separar excesso do que é legítimo, diz Maia, sobre auxílio-moradia

Publicação: 2018-02-08 13:35:00 | Comentários: 0
A+ A-
O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta quinta-feira, 8, que a Casa deve votar em março deste ano a regulamentação da concessão de auxílio-moradia para autoridades dos três poderes. Segundo ele, é preciso separar o que é "excesso" e o que é "legítimo" para não inviabilizar juízes, membros do Ministério Público e parlamentares de exercerem suas funções.

Rodrigo Maia indicou que falta vontade aos partidos da base para votação votar da proposta
Polêmica do auxílio-moradia a magistrados e políticos ganhou novos contornos nas últimas semanas

"Essa regulamentação vai atingir todos os poderes. Ela precisa ser feita e será feita durante o mês de março de forma harmônica no diálogo, para que se organize do jeito que a sociedade espera, mas entendendo a realidade de cada um dos poderes. Porque tem problemas em todos os poderes, mas tem parte desses auxílios que fazem sentido. Então, a gente precisa separar o que pode ser o excesso e o que é legítimo para o exercício de uma função e de um mandato", disse Maia.

Sem citar casos específicos, Maia disse que o recebimento de dois auxílios moradias é um "excesso". Como veiculado pela imprensa, o juiz Marcelo Bretas, que cuida da Operação Lava Jato no Rio, e a esposa dele recebem auxílio-moradia cada um. 

"Não pode misturar tudo. Dois auxílios, é um excesso. Mas um juiz que sai da sua comarca e vai a outro município cumprir a substituição de outro juiz, no período certamente ele vai ter direito ao auxilio-moradia", disse o parlamentar.

No caso do auxílio-moradia para deputados, Maia evitou cravar sua posição. "Essa questão precisa ser resolvida, vamos resolver isso. Pessoalmente, acho que com moradia fixa, talvez o auxilio moradia não seja necessário", disse, ressaltando que a questão deve ser tratada com os projetos que regulamentam a aplicação do teto salarial já aprovados pelo Senado e que estão parados em uma comissão especial na Câmara.

Estadão Conteúdo

continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários