Alex Medeiros
A primeira telenovela
Publicado: 00:00:00 - 14/10/2021 Atualizado: 22:44:28 - 13/10/2021
Alex Medeiros 
alexmedeiros1959@gmail.com

No feriado, alguém disse na TV, numa conversa sobre censura, que em dezembro fará 70 anos do primeiro beijo de boca numa novela. Na verdade, o septuagésimo aniversário não é do beijo, mas da própria telenovela nacional, quando a quatro dias da Noite de Natal entrou no ar “Sua Vida me Pertence”, uma novela em 15 capítulos veiculada duas vezes por semana na TV Tupi que havia sido inaugurada no ano anterior pelo jornalista Assis Chateaubriand.

Escrita, dirigida e estrelada por Walter Forster, à época com 34 anos e considerado um dos grandes galãs do rádio e do teatro. Ele saiu de Campinas em 1936 com 19 anos e ganhando cem mil réis por mês, indo para a Rádio Educadora Paulista e contratado dois anos depois pela Bandeirantes, onde construiu uma vitoriosa carreira de locutor e ator. Entrou na Rádio Tupi em 1945, acumulando as funções de ator e redator, se tornado uma referência.

Forster escreveu sua primeira radionovela, “Três Destinos”, que alcançou enorme sucesso na capital paulista e também no Rio de Janeiro. O vozeirão e os olhos verdes deram-lhe um slogan: “O galã que toda a cidade quer bem”.

Quando a TV Tupi surgiu em setembro de 1950, o “índio louro” (como os os jornais o chamavam) já fazia tudo na emissora de rádio, sendo diretor de radioteatro, produtor, narrador dos programas, ator e ensaiador de elenco.

Em 1951 a dramaturgia radiofônica dominava a audiência do País, mesmo com a chegada da TV Tupi anunciando que um fenômeno já instalado nos EUA estava brotando por aqui. Os jornais davam destaque diário às radionovelas.

Mas o destaque carregava junto um debate alimentado pelas cartas e telefonemas das donas de casa, principalmente as recatadas, gerando críticas ácidas de jornalistas quanto aos aspectos éticos, morais e bastante pudicos.

Alguns estranharam a presença de grandes autores no corpo de redatores das emissoras. O Diário da Noite, do Rio de Janeiro, indagou em outubro de 1951: “terão êxito os escritores que se abalançaram a escrever para o rádio e a TV?”.

Antes, saiu na Tribuna da Imprensa: “a TV Tupi vem arregimentando escritores para os seus programas. Depois de Silveira Sampaio, contratou Orígenes Lessa que vai escrever “Uma História por Semana”, e Raquel de Queiroz.

Na novela “Sua Vida me Pertence”, Forster fazia par com Vida Alves, então com 23 anos, no papel da mocinha por quem o coração do trintão palpitava. O título vinha da abordagem do enamorado prenunciando amor correspondente.

O beijo que escandalizou o País, principalmente São Paulo e Rio de Janeiro que detinham maior quantidade de aparelhos de TV, ocorreu exatamente no último capítulo do drama, que foi ao ar na noite de 8 de fevereiro de 1952.

A predestinação brasileira à pobreza memorial vitimou também a cena, assim como fez com os registros das primeiras décadas da televisão. Sobrou a fotografia feita por um funcionário, porque alguém lembrou de suprir os jornais.

A partir da novela de Walter Forster e Vida Alves, logo veio o formato dos capítulos diários. Ao lado deles figuras que se tornaram estampas, como Dionísio Azevedo (aos 29 anos), Lima Duarte (com 22) e Lia de Aguiar (24).

A primeira novela diária veio onze anos depois, em 1963, na tela da TV Excelsior, apresentando ao Brasil o casal Tarcísio Meira e Glória Menezes. O título era “2-5499 Ocupado” e tinha 42 capítulos. Mas aí é uma outra história.

Divulgação


Cascudo no Rio
Também está fazendo setenta anos da participação de Câmara Cascudo como um dos grandes colaboradores do jornal Tribuna de Petrópolis, RJ, com muitos artigos publicados no suplemento cultural cujo título era “Arte e Literatura”.

Memorial JB
O Comandante do Exército, Paulo Cesar Nogueira, publicou a Portaria nº 1.589 que cria o Espaço Cultural General João Baptista de Oliveira Figueiredo, no 1º Regimento de Cavalaria de Guardas Dragões da Independência, em Brasília.

Comercial
Um dos patrocinadores da primeira novela da TV, há setenta anos, era o Cognac de Alcatrão Xavier, que tinha como slogan “Evita Tosse e Resfriado”. Se fosse hoje, a Defi-Ciência de Nurenberg vociferava questionando a eficácia.

Dilúvio
A organização Climate Central publicou um estudo sobre o aumento do nível dos oceanos em que nomina 8 regiões da América Latina que poderão estar debaixo d’água em apenas 70 anos. E o litoral potiguar está na triste lista.

Violência
A dicotomia ideológica vem separando amigos, familiares e ativistas de gênero. Uma transexual bastante atuante nas redes sociais que usava uma camisa de Bolsonaro foi assassinada por um travesti que veste a camiseta de Lula.

Livro
Referência da poesia concreta e da arte postal no RN, com reconhecimento nacional e internacional, o poeta Falves Silva vem aí com um novo livro: “Bam! Arte Postal”. E tem no frontispício uma pistola como a minha em Haikai Reaço.

Turnê
Geraldinho Azevedo e Chico Cesar luziram as alpercatas e estão pegando a estrada para animar o Nordeste com seus clássicos da MPB no show “Violivoz”. Anotem aí que serão dois dias em Natal, em 30 e 31 de outubro.

Com imortais
A ABL nomeou quatro sócios correspondentes. O escritor Benjamin Moser (biógrafo de Clarice Lispector), o ex-presidente do Uruguai, Júlio Sanguinetti, e os portugueses Telmo dos Santos Verdelho e Guilherme d’Oliveira Martins.

Os artigos publicados com assinatura não traduzem, necessariamente, a opinião da TRIBUNA DO NORTE, sendo de responsabilidade total do autor.

Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte