Área do Ronda concentra mais homicídios

Publicação: 2017-02-17 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
O maior número de mortes violentas da zona Leste de Natal, em janeiro, aconteceu exatamente na Área Integrada de Segurança Pública (AISP 4) onde existe o Ronda Cidadã. Foram três crimes violentos letais intencionais registrados nos bairros de Areia Preta, Petrópolis e Mãe Luíza. Somadas, as outras três AISPs, que não possuem o  Ronda Cidadã, registraram três homicídios no primeiro mês do ano. As informações estão no Relatório Estatístico de CVLIs de janeiro deste ano.

A AISP 4 também tem a menor população, 24.920 habitantes. Na AISP 2 (Santos Reis, Rocas, Praia do Meio, Ribeira e Cidade Alta), a mais populosa da zona Leste, houve duas mortes violentas entre os 30.262 habitantes no mês passado.  O Ronda Cidadã foi implantado com 112 policiais e oito viaturas em Petrópolis, Areia Preta e Mãe Luíza há pouco mais de um ano e meio. Esse aparato não foi suficiente para evitar que um policial militar tivesse sua arma roubada e fosse tangido, junto com sua família, da  comunidade de Mãe Luíza nesta semana.

Um dos problemas que dificultam o funcionamento do Ronda Cidadã é o número de militares. O problema foi reconhecido pelo então comandante geral Dancleiton Leite, em entrevista à TRIBUNA DO NORTE, ano passado. A Polícia Militar do Rio Grande do Norte possui cerca de 4 mil policiais a menos do que deveria ter.

Em Mãe Luíza, o efetivo da Polícia Civil também diminuiu neste ínterim, garantiu o delegado titular do bairro. Ele não falou número por questão de segurança. A polícia judiciária também deve trabalhar de forma integrada no Ronda Cidadã.

Mesmo sem novos policiais no quadro nem concurso público em andamento, o governo tem ampliado o programa. Neste mês, quatro bairros de Mossoró ganharam o Ronda Cidadã. Em Natal, o projeto funciona também em bairros da zona Oeste.

Sobre a situação de Mãe Luíza, a equipe de reportagem tentou entrevistar o capitão Fábio Sandrine, coordenador do programa Ronda Cidadã naquela área. Mas a assessoria de imprensa da Polícia Militar do RN disse que não seria possível, porque “a opinião dele não representa a opinião da corporação”. A assessoria de imprensa da PM informou ainda que, possivelmente, se pronunciasse hoje sobre o assunto. 



continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários