‘Roadshow’ quer estimular políticas de desenvolvimento

Publicação: 2017-07-15 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
A Associação Nordeste Forte lançou, ontem, o roadshow “Investimento e Desenvolvimento do Nordeste”. O evento reuniu os presidentes das Federações das Indústrias da região, a Sudene, o Banco do Nordeste (BNB), Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), a Confederação Nacional da Indústria (CNI) e Apex, na Casa da Indústria, em Recife. O roadshow, promovido pela Associação Nordeste Forte e Sudene, visa promover políticas para o desenvolvimento econômico da região, incrementar a indústria, debater projetos e propostas de interesses comuns, e, assim, elaborar um modelo estratégico para atração de investimentos.

O presidente da Federação das Indústrias de Pernambuco (FIEPE), Ricardo Essinger, anfitrião do primeiro Roadshow, defende que a Sudene tenha acesso a estrutura e instrumentos que possam alavancar a economia regional, por meio do fortalecimento das indústrias e reparo ao que chamou de “secular descaso com este lado do Brasil que levou a Sudene a ser sacrificado. “Antes da Sudene, a atividade  era incipiente. Depois veio o fomento da região, com a desenvolvimento social e econômico, com a fixação do homem à terra, geração de empregos, diversidade, produção industrial e acervo sobre a terra e a gente do Nordeste. Precisamos retomar isto e a Associação Nordestes Forte une forças para um desenvolvimento neste nível”, destaca.

Sales (na imagem, o segundo da esquerda para a direita): Novas leis estimulam investimentos
Sales (na imagem, o segundo da esquerda para a direita): Novas leis estimulam investimentos

O presidente da Associação Nordeste Forte, Amaro Sales de Araújo, presidente do Sistema FIERN, destacou duas medidas sancionadas esta semana que irão, na análise dele, impactar positivamente na retomada do crescimento da economia: a convalidação dos incentivos fiscais estaduais e a aprovação da reformação trabalhista. As novas leis oferecem condições para atração de investimentos, geração de emprego e renda.

“A convalidação dos incentivos fiscais, aprovada esta semana, traz uma tranquilidade para o empresariado. Não há como fazer um Brasil diferente, um Nordeste diferente, sem os incentivos fiscais. E a modernização das leis de trabalho é fundamental para sermos mais competitivos, pois tira o medo dos empresários de investir, permitindo maior contratação, mais emprego, mais renda”, frisa.

Atração
Este é o primeiro de uma série de encontros regionais que serão realizados nos nove estados do Nordeste, e vai viabilizar um modelo de atração de empresas para a região sem alterar a estratégia de incentivo fiscal entre os estados. Os presidentes e dirigentes técnicos de todas as Federações do Nordeste, explica Amaro, devem levar aos empresários de cada estado, as deliberações do encontro, bem como promover a aproximação desses agentes com o setor produtivo.

A desigualdade regional no Brasil é um problema persistente, apesar de ser alvo de políticas públicas há décadas, como lembrou Amaro Sales. “O Nordeste possui 50 milhões de pessoas aptas a produzir não podemos estar com o pires na mão pedindo ao governo federal. Mas termos políticas de desenvolvimento com condições para crescer e desenvolver mais, de forma diferenciada. Não podemos tratar os desiguais do mesma forma”, observa.

Além do presidente da FIERN, a comitiva potiguar contou com o vice-presidente da FIERN, Pedro Terceiro de Melo, o superintendente de Integração e Articulação, Helder Maranhão, o secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado, Flávio Azevedo, o assessor do Nordeste Forte, Ernani Bandeira de Melo e o assessor técnico do MaisRN, Pedro Albuquerque.

Saiba Mais

Fundada há um ano, a Associação Nordeste Forte é formada pelas nove Federações das Indústrias da Região Nordeste. É presidida pelo presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Norte, Amaro Sales (FIERN); e tem como vice-presidentes os presidentes das Federações dos Estados de Pernambuco, Ricardo Essinger (FIEPE); Ceará, Beto Stuadart (FIEC); Alagoas, José Carlos Lyra de Andrada (FIEA); Paraíba, Francisco Gadelha (PB); Maranhão, Edilson Baldez das Neves (FIEMA); Bahia, Antonio Ricardo Alvarez Alban (FIEBA); Piauí, Antônio José de Moraes Souza Filho (FIEPI); e Sergipe, Eduardo Prado de Oliveira (SE).

continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários