Ítalo Ferreira representa presente do surfe potiguar e tenta título mundial

Publicação: 2019-12-08 00:00:00
A partir deste domingo (8), até a sexta-feira (20), o Rio Grande do Norte estará com os olhos voltados para a praia de Pipeline, no Havaí, onde o potiguar Ítalo Ferreira pode fazer história. Líder do ranking, o surfista de Baía Formosa pode conquistar o título inédito de campeão mundial e, de quebra, a vaga para representar o Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio, no próximo ano.

O resultado do MEO Rip Curl Pro Portugal deixou uma disputa do título mundial certamente emocionante para a esta última etapa da temporada. Principalmente entre os quatro primeiros do ranking, com o campeão podendo ser até definido na bateria final do Billabong Pipe Masters. Isso se acontecer uma segunda decisão brasileira no maior palco do esporte, como em 2015, quando Adriano de Souza derrotou Gabriel Medina já como campeão mundial daquele ano. Agora, a briga do título pode acontecer na última bateria da temporada, se ela for entre Italo Ferreira, Gabriel Medina ou Filipe Toledo.
Créditos: DivulgaçãoO surfista de Baía Formosa pode conquistar o título inédito de campeão mundial e, de quebra, a vaga para representar o Brasil nos Jogos Olímpicos de TóquioO surfista de Baía Formosa pode conquistar o título inédito de campeão mundial e, de quebra, a vaga para representar o Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio

O surfista de Baía Formosa pode conquistar o título inédito de campeão mundial e, de quebra, a vaga para representar o Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio

Aí, a vitória valerá o troféu de melhor surfista do World Surf League Championship Tour 2019 para qualquer um dos três. Os brasileiros só dependem deles mesmo então, mas o título pode ser decidido antes, conforme a combinação de resultados dos cinco concorrentes durante o último desafio do ano.

Ítalo Ferreira será o campeão se vencer o Billabong Pipe Masters e se ficar em segundo também, desde que a final não seja contra o Gabriel ou o Filipe. Seu primeiro título também pode ser sacramentado nas semifinais, mas só se Medina não chegar na grande final e Filipe ou Jordy Smith não vencerem o campeonato. Se perder nas quartas de final, Medina ultrapassa o potiguar já nas semifinais, Filipe também se passar para a final e Jordy com a vitória em Pipeline. Se Italo ficar nas oitavas de final, Medina passa a liderar a corrida pelo tricampeonato se avançar para as quartas de final, Filipe supera o potiguar nas semifinais, Jordy se chegar na final e até Kolohe Andino fica vivo na briga com a vitória.

A disputa no topo do ranking está tão acirrada que, caso Italo Ferreira não passe da terceira fase no Billabong Pipe Masters e permaneça com os 51.070 pontos totalizados com o bi no MEO Rip Curl Pro Portugal, poderá até despencar para o quinto lugar no ranking final da temporada. Isso se Medina e Filipe conseguirem avançar nessa mesma terceira fase para as oitavas de final, com Jordy também ultrapassando o potiguar se chegar nas quartas de final e Kolohe com a classificação para a grande final.

Vagas nas Olimpíadas


Também ficou para o Billabong Pipe Masters, a batalha pelas últimas vagas na lista dos dez surfistas que se classificam para a estreia do surfe nos Jogos Olímpicos de Tokyo 2020 no Japão. Apenas quatro estão 100% garantidos, o sul-africano Jordy Smith, o norte-americano Kolohe Andino, o japonês Kanoa Igarashi e o francês Jeremy Flores.

Com a vitória em Portugal, Ítalo Ferreira passou a liderar a corrida pelas duas vagas do Brasil e Gabriel Medina está com a outra no momento, mas Filipe Toledo segue vivo na disputa.

Ainda não oficialmente, dois estão praticamente classificados, Owen Wright pela Austrália e o taitiano Michel Bourez pela França, já que os concorrentes deles estão bem abaixo no ranking. A briga pela segunda vaga australiana será entre Julian Wilson que ocupa a 11.a posição e Ryan Callinan que está na 12.a. E o onze vezes campeão mundial, Kelly Slater, ainda tenta a segunda dos Estados Unidos contra o havaiano John John Florence, que deve voltar a competir no Billabong Pipe Masters, depois da contusão sofrida no Oi Rio Pro em Saquarema.

As batalhas
1 - Estão na briga pelo título: Italo Ferreira, o defensor do título em Pipeline, Gabriel Medina, o voador Filipe Toledo, o sulafricano Jordy Smith e o californiano Kolohe Andino.
2 - Kolohe tem uma pontuação abaixo dos demais mas matematicamente tem chances de título.
3 - Entre eles Gabriel Medina tem um melhor histórico de vitórias no Havaí e é o mais preparado para qualquer condições de onda.
4 - Ítalo Ferreira que é o líder do ranking tem ganhado as etapas de manobras, com aéreos, mas no Havaí geralmente são tubos. Uma grande vantagem que Ítalo tem é que aparentemente sob pressão ele funciona melhor.
5 - O sul Africano Jordy Smith apesar de não vencer nenhuma etapa este ano, está em terceiro no ranking mundial, surfa muito bem qualquer condição.
6 - Filipe Toledo diferente de Ítalo, parece não agir muito bem sobre pressão, mas também é um atleta imprevisível, pode fazer 10 a qualquer momento em seus tubos e aéreos.
7 - Kolohe Andino apesar de ter chances matemáticas de título, nunca venceu uma etapa do CT, porém compete muito bem e demonstra constância no Tour.
8 - O local do pico John John Florence que estava machucado, voltará a competir. John John é uma ameaça a qualquer um dos atletas que estão na briga pelo título mundial, embora ele próprio não possa mais ser campeão mundial pode acabar tirando alguém.


Fonte: Surf Livre