A vida acima de tudo

Publicação: 2020-07-12 00:00:00
A+ A-
Álvaro Dias
Prefeito de Natal

A politização da pandemia do novo Coronavírus está levando a um falso dilema entre a possibilidade de manter atividades econômicas funcionando e a preservação da vida das pessoas. É fato que a doença ainda é nova e gera dúvidas, incertezas e medo pela quantidade de óbitos registrados e a insensibilidade de alguns diante desse mal tão terrível.

No entanto, como médico e gestor público, a mim não me é dado desconhecer que a suspensão pura e simples das atividades econômicas e o confinamento já superior a 110 dias traz consequências outras na vida psicológica, social, econômica e até mesmo nas condições de saúde de uma população assustada e trancada, longe da prática de atividades físicas já comprovadas como melhor prevenção para uma série de patologias.

Por isso decidimos manter um cronograma gradual e seguro de retomada das atividades consoante protocolo elaborado com a assessoria fundamental de estudiosos do assunto, conforme publicado em decreto do dia 29 de junho, seguindo etapas e sob condicionantes sanitárias que, pelas fiscalizações que temos realizado, estão sendo observadas pela maioria dos estabelecimentos, interessados na preservação da vida dos seus colaboradores e clientes. 

Mantemos no município do Natal um acompanhamento de indicadores que balizam essa decisão, corroborada pelos membros do comitê científico, que nos assessoram na tomada de decisões relativas à Covid. Entre elas, a taxa de transmissibilidade em queda, bem como a procura de leitos críticos e o termômetro mais sensível da procura nas UPAs.

Por outro lado, a realidade tem se mostrado cruel para a parcela da população mais vulnerável, aquela que não tem a estabilidade no emprego, nem uma renda garantida. Em Natal, a queda na arrecadação do ISS tem sido superior a 20% ao mês desde abril com a redução ainda mais drástica da emissão de notas de serviço de pequeno valor, aquelas que vem dos pequenos negócios. O Governo estadual fala em perda superior a R$ 1 bilhão até o final do ano e a arrecadação federal teve um tombo de 25% em junho. 

Diante dessa realidade, estamos tomando as medidas necessárias para enfrentar essa epidemia de frente. Montamos o Hospital de Campanha com 120 leitos, sendo 20 de UTI, o Hospital Municipal está dedicado exclusivamente a Covid 19, dispondo de mais 60 leitos clínicos e 24 de UTI, o hospital dos Pescadores e as UPAs são fundamentais na estratégia. Fizemos a testagem em massa com o encaminhamento dos que testaram positivo para uma das 11 Unidades de Saúde referenciadas. Estabelecemos um protocolo de profilaxia e tratamento aprovado pelo Conselho Regional de Medicina e iniciamos agora um novo serviço. 

Os agentes de saúde estão fazendo a busca ativa por pacientes com comorbidade na Zona Norte de Natal onde há a maior incidência de casos para que sejam direcionados ao Centro de Atendimento e Enfrentamento à Covid montado no Nélio Dias onde os pacientes passam por uma triagem, são testados conforme os sintomas e consultados por um médico a quem cabe decidir a terapêutica adequada com a disponibilidade dos medicamentos no próprio centro para o início do tratamento precoce.  É uma estratégia que vai da prevenção à instituição da terapêutica e o tratamento para aqueles que necessitam.

Estamos acompanhando de perto o protocolo estabelecido para a retomada da atividade econômica e já alertamos que se houver mudança nos indicadores podem voltar atrás. Mas se todos participarmos, mantendo o distanciamento, usando máscaras, higienizando as mãos, e o poder público fazendo a sua parte, podemos enfrentar e vencer essa pandemia.