ABC é a 35ª maior marca entre os clubes nacionais

Publicação: 2018-02-11 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Apesar de estar enfrentando uma grave crise financeira, o ABC foi o único clube do Rio Grande do Norte a ser apontado no levantamento realizado pela Consultoria BDO, que mensurou as 40 maiores marcas do futebol nacional. Tendo o Flamengo como o grande destaque, devido a sua nova organização financeira, o estudo aponta um ligeiro crescimento da marca ABC, avaliada atualmente em R$ 9 milhões, atrás do Guarani que já foi campeão brasileiro e que aparece na 34ª posição e a frente de Remo, Vila Nova-GO, Juventude, Sampaio Corrêa e Londrina.

A torcida do ABC, que anda em falta com o clube desde a temporada passada, é uma das variáveis que mais influencia na valorização da marca do Alvinegro segundo o estudo da Consultoria BDO
A torcida do ABC, que anda em falta com o clube desde a temporada passada, é uma das variáveis que mais influencia na valorização da marca do Alvinegro segundo o estudo da Consultoria BDO

Por estados as maiores forças do futebol nacional se encontram distribuídos da seguinte forma. 7 Clubes SP: Corinthians, São Paulo, Palmeiras, Santos, Portuguesa, Ponte Preta e Guarani; 5 Clubes SC: Figueirense, Avaí, Criciúma, Joinville e Chapecoense; 4 Clubes RJ: Flamengo, Vasco da Gama, Fluminense e Botafogo; 4 Clubes PR: Atlético-PR, Coritiba, Paraná e Londrina; 3 Clubes RS: Grêmio, Internacional e Juventude; 3 Clubes MG: Cruzeiro, Atlético-MG e América-MG, 3 Clubes PE: Sport, Náutico e Santa Cruz, 3 Clubes GO: Goiás, Atlético GO e Vila Nova; 2 Clubes BA: Bahia e Vitória; 2 Clubes CE: Ceará e Fortaleza; 2 Clubes PA: Paysandu e Remo; 1 Clube RN: ABC e 1 Clube MA: Sampaio Corrêa.

Nos últimos cinco anos, a distribuição das fontes de receitas dos clubes sofreu alterações, porém a cota de TV não apenas permaneceu como principal fonte por todo este período, como aumentou sua participação. 

Apesar de vir oscilando entre as Séries B, onde recebe a menor cota de participação e a C, onde não há pagamento dos direitos de TV aos participantes, nos últimos quatro anos o clube potiguar apresentou uma variação positiva em termos absolutos na sua marca. A evolução foi de R$1.6 milhões, ou seja, apesar dos altos e baixos dentro das quatro linhas o Alvinegro conseguiu se expandir em valor de mercado.
O estudo avaliando as marcas dos clubes brasileiros demonstra que cada entidade possui características particulares, de acordo com o perfil de sua torcida, desenvolvimento das receitas, derivadas de sua marca e características do mercado local em que estão localizados.

Análise coloca o ABC como a 35ª marca mais valiosa do país
Ranking dos clubes mais valiosos do país, de acordo com a BDO Sports Management

Segundo a metodologia da BDO esse é o melhor mecanismo para mensurar o valor da marca dos clubes brasileiros. Essa metodologia possibilita avaliar o potencial comercial das marcas de cada clube, de acordo com seu perfil mercadológico.

Muito diferente das empresas, que precisam incessantemente buscar novos consumidores no nicho dos seus concorrentes, os clubes de futebol têm torcedores fiéis. O grande desafio para as marcas é conseguir converter esses milhões de torcedores em consumidores ativos e motivados.
Segundo a metodologia empregada no estudo as variáveis mais representativas para os clubes analisados foram as características e perfil de suas torcidas, com valor consolidado de R$ 4,62 bilhões, seguido das receitas derivadas das marcas com valor de R$ 3,49 bilhões e das características do mercado local, com valor de R$ 2,15 bilhões.

Cabe agora aos dirigentes potiguares, criar meios para estreitar a relação com seus milhares de torcedores. O potencial futuro de geração de receitas de cada marca dependerá de como os departamentos de marketing e comercial dos clubes conseguirão maximizar a relação com seu público alvo, com a finalidade de potencializar suas receitas e explorar as características econômicas e sociais onde estão localizados.

Análise coloca o ABC como a 35ª marca mais valiosa do país
Análise coloca o ABC como a 35ª marca mais valiosa do país

Na temporada de 2015 foi quando o ABC obteve o seu maior salto em termos de valorização da marca. O clube saiu do patamar dos R$ 7.03 milhões em 2013, para alcançar o seu maior valor desde que o levantamento começou a ser realizado, atingindo a casa dos R$ 10 milhões. Na atual edição da pesquisa, mesmo perdendo um pouco do seu valor o Alvinegro  manteve a posição cativa entre as maiores marcas do futebol nacional.

As forças da marca alvinegra estão bem divididas entre mercado (32%), torcida (32%) e receitas (36%). O que demonstra que o time potiguar está dentro daquele processo de descolamento da torcida, o que pesa de forma negativa uma vez que demonstra a perda de potenciais consumidores dos seus produtos.

Em comparação com os demais representantes nordestinos, apenas o Sampaio Corrêa está no mesmo patamar que o ABC em relação a força da torcida, os demais se encontram todos acima. O Sport tem um potencial de mercado de 53%, Clube do Remo, cujo valor da marca é estimado em R$ 8,4 milhões, pussui 72%. No Ceará a torcida do Vovô responde por 54% do potencial do clube, Vitória (51%), Náutico (52%), Santa Cruz (66%), Fortaleza 61%. O Flamengo que lidera o ranking de valor de mercado tem 51%.

Os 40 clubes brasileiros analisados nesta 10ª edição do estudo de avaliação das marcas, atingiram um valor recorde de mais de R$ 10,2 bilhões. Essa é uma clara demonstração que os clubes perceberam o potencial que têm e que o processo de valorização pode gerar um rentável ciclo para os negócios  ao longo dos anos. Falar a linguagem dos seus patrocinadores e se relacionar com qualidade com seus mais variados públicos têm sido cada vez mais debatido internamente nos clubes.

continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários