ABC diverge do Náutico no caso de João Paulo

Publicação: 2020-06-26 00:00:00
A+ A-
O retorno de João Paulo para o ABC é um processo que se encontra em andamento, como afirmou o presidente Bira Marques, que se certificou da real condição do atleta com os membros do departamento médico do clube e garantiu que, o mesmo, tem condições de atuar normalmente. O vínculo contratual entre as partes se encerrou no final de maio e agora terá de ocorrer uma nova negociação. Em nota, a diretoria do Náutico explicou que o motivo de ter desistido da contratação do jogador, é porque a lesão no joelho do atleta teria de ser tratada com cirurgia e da forma como se encontra hoje, aumenta o risco de um futuro rompimento dos ligamentos.

Créditos: ARQUIVO PESSOALPresidente Bira Marques  defende João PauloPresidente Bira Marques defende João Paulo



Na nota oficial emitida pela diretoria do clube pernambucanos, o vice-presidente médico, Múcio Vaz, conclui o seguinte: “Ao analisar o exame de imagem, observou-se uma lesão parcial com afilamento do ligamento cruzado anterior e, em menor grau no ligamento cruzado posterior. Foi transmitido à diretoria haver um maior risco de ruptura ligamentar completa. Pode-se decidir por não operar e o atleta retornar às suas atividades e jogar toda a temporada, sem ter complicações maiores. No entanto, a nosso ver, uma lesão dessa magnitude em atleta profissional, deve-se optar pelo tratamento cirúrgico, já que existe um risco considerável de ocorrer uma lesão complexa, o que levaria o atleta a passar por cirurgia e ficar vários meses afastado.”

O médico abecedista, Roberto Vital, ressalta que na época da contusão, ocorrida justamente numa partida diante do Náutico, pela Copa do Nordeste, o caso do atleta foi levado a um especialista, em Natal, que não fez indicação cirúrgica, optando pelo tratamento convencional.

“Quando se tem uma ruptura parcial, as vezes não tem indicação de cirurgia, precisamos ter acesso aos novos exames que o atleta realizou no Náutico para saber se está muito diferente do que fizemos por aqui. Isso para saber se deu alguma coisa diferente. Se a gente for agir com rigor absoluto, muitos atletas que vêm de outros clubes já tiveram cirurgia no joelho, então nós não podemos contar mais com ele? Se partir para o rigor, praticamente não contrataremos quase ninguém, pois cerca de 40% dos atletas possuem histórico de contusão.  Kaká durante a carreira operou quantas vezes, Ronaldo Nazário também? Eles depois de operados ainda atuaram um período em alto nível. Em casos assim, devemos alertar a comissão técnica que o atleta tal terá de ser mais preservado, se faz necessário ter um cuidado maior com ele. Se o jogador nessa situação não fizer o preventivo, realmente correrá maior risco de ter problemas”, explicou.