ABC perde mais oito atletas e Diá quer quatro reforços

Publicação: 2020-06-27 00:00:00
A+ A-
A crise que está mergulhado vem afetando muito os planos do ABC, que até teve um bom início de temporada. O acirramento da grave situação financeira, devido a paralisação pela pandemia provocada pela Covid-19, obrigou o clube a reduzir a folha salarial em R$ 80 mil, o que significou o corte de mais oito atletas do elenco. Entre os dispensados ou que não chegaram a um acordo para prorrogação contratual estão: Rafinha, Vinícius, Igor Goulart, Núbio Flávio, Erivan, Marlon e o goleio Erivelton. O volante Wesley Dias, recebeu proposta para atuar no exterior e também foi liberado.

A manobra enfraqueceu bastante o elenco, pelo fato de que esses jogadores estavam nos planos do treinador Francisco Diá. Ele visava dar continuidade a campanha vitoriosa no Campeonato Estadual e na busca pela classificação para segunda fase da Copa do Nordeste, que irá gerar uma injeção de novos recursos no caixa do Alvinegro.

“Esses atletas que estão saindo vão fazer muita falta. Entendo a situação difícil que o clube vem passando, mas será necessário trazer, pelo menos, quatro reforços. Não posso mais contar com a base, que não possui as peças de reposição que necessito para o momento, então temos de contratar”, afirmou Francisco Diá.

A tentativa de convencer a diretoria a investir, esbarra na incapacidade financeira do clube de trazer peças de reposição. Mas o fato de não ter um terceiro goleiro vai obrigar o clube a buscar essa peça de reposição. A onda de pessimismo já bate na comissão técnica, mas Diá se mantém firme no cargo: “Tenho de trabalhar com o material humano que o clube me disponibilizar, é a única coisa que posso fazer”, disse.
Em relação as categorias de base, apenas três nomes podem ser aproveitados no momento: Toté, Alisson e Jordan. Os demais, por enquanto, na visão do comandante abecedista, não possuem muito a acrescentar ao elenco principal, que já está bastante modificado em relação aquele montado no início da temporada. 

Para continuar aspirando coisas boas na temporada, o comandante alvinegro aponta a contratação de reforços como imprescindível. Mas em se tratando de imediato, o estrago pode ser irrecuperável, pelo fato do pouco tempo de treinamento que o clube potiguar deverá ter para realizar um confronto decisivo contra o CSA, na Copa do Nordeste.

“Nesse momento, com a retomada do futebol já prestes a se realizar em nosso estado, o problema maior que teremos será o tempo para trabalhar esse grupo que foi bastante modificado. Temos mais de cem dias parados, com previsão de trabalhar apenas 15 dias antes de fazer o nosso jogo para definir a classificação na Copa do Nordeste. Os demais clubes já estão treinando. Necessito de peças de reposição e farei algumas indicações à diretoria”, ressaltou Francisco Diá. “Precisamos de um terceiro goleiro, mais dois atacantes de velocidade e mais um meia, no mínimo”.