ABC se complica com as expulsões

Publicação: 2020-01-17 00:00:00
A+ A-
Em 2018, o Palmeiras de Luiz Felipe Scolari conseguiu algo raro no futebol: Foi campeão brasileiro sendo a equipe mais indisciplinada da competição. Em 38 rodadas, a equipe alviverde somou nada menos que 122 cartões, sete a mais que o segundo clube mais próximo no quesito, o Vitória, advertido 115 vezes. No futebol potiguar, o ABC precisa lidar com essa realidade no início da temporada 2020. Em quatro jogos, três expulsos, sendo que um deles foi o técnico Francisco Diá, que, na última quarta-feira (15) perdeu o controle e tomou o vermelho, assistindo, de fora do campo o Alvinegro ser vaiado após empatar em 2 a 2 com o Potiguar, na Arena das Dunas.

Créditos: Adriano Abreuirritado com Jefão, Diá chuta garrafa na direção do atleta, o objeto passa perto da perna do ala do Potiguar de Mossoró, flagrado pelo árbitro, técnico do ABC é expuso de campoirritado com Jefão, Diá chuta garrafa na direção do atleta, o objeto passa perto da perna do ala do Potiguar de Mossoró, flagrado pelo árbitro, técnico do ABC é expuso de campo
irritado com Jefão, Diá chuta garrafa na direção do atleta; o objeto passa perto da perna do ala do Potiguar de Mossoró; flagrado pelo árbitro, técnico do ABC é expulso de campo

saiba mais

O lance da expulsão de Diá, que havia tomado um cartão amarelo, minutos antes em decorrência de uma reclamação acintosa, chamou a atenção. Irritado com um atleta do time rival, ele chutou uma garrafa de água na direção do jogador. Flagrado, acabou tomando o vermelho.

O Alvinegro já fazia parte das estatísticas ruins de indisciplina no Campeonato Estadual deste ano. Sem contar com a rodada, segundo site O Gol, o ABC era o clube com mais vermelhos decorrentes de exclusão por dois amarelos no mesmo jogo. O primeiro do “combo” foi o volante Valderrama. Na estreia contra o Globo ele foi punido duas vezes com o cartão amarelo e excluído da partida.

No jogo contra o Palmeira, um dos mais complicados até aqui para o time de Ponta Negra, Berguinho seguiu o mesmo caminho do camisa 5 e teve que deixar o gramado. Por fim, foi a vez do comandante abecedista Francisco Diá. A atitude gerou críticas, principalmente através das redes sociais.

Além disso, o atacante Wallyson, que no jogo contra o Potiguar, usou a braçadeira de capitão, tem concedido entrevistas polêmicas. Em duas oportunidades, o camisa 11 abecedista fez críticas públicas aos companheiros e ao time em geral. Aborrecido por não ter recebido os passes que achava que deveriam ter chegado a ele, na primeira vez ele fez questão de enfatizar o problema.

Após o empate na Arena das Dunas, Wallyson foi mais enfático. “Nós não merecíamos a vitória, fomos um time covarde. Recuamos no segundo tempo”, disse.

De acordo com o pesquisador de futebol potiguar, Marcos Trindade, o ABC não está sozinho na questão disciplinar nesse início de temporada. Trindade revelou que ainda está tabulando os dados e incluindo números da última rodada, mas já constatou que o Campeonato Estadual de 2020 é o mais violento, até o momento, dos últimos 15 anos, levando-se em conta o número de cartões distribuídos. O pesquisador enfatiza que, em 2019, o certame foi o mais disciplinado comparando-se números neste mesmo recorte temporal.