Acesso ao crédito é entrave para 54% das microempresas no RN

Publicação: 2019-12-06 00:00:00
A+ A-
O acesso ao crédito ainda é um entrave para a maioria dos donos de micro e pequenas empresas do Rio Grande do Norte. Dos empreendedores que recorreram às instituições financeiras em busca de financiamento neste ano, somente 43% conseguiram êxito. Os demais (32%) não obtiveram o recurso ou ainda estão aguardando a aprovação do empréstimo (22%). Isso é o que mostra uma pesquisa feita pelo Sebrae Nacional com proprietários de pequenos negócios de todo o país.

Créditos: Ana Silva/Arquivo TNConforme pesquisa do Sebrae Nacional, somente 43% do empresariado obteve êxito quando articulou contratar um crédito bancárioConforme pesquisa do Sebrae Nacional, somente 43% do empresariado obteve êxito quando articulou contratar um crédito bancário
Conforme pesquisa do Sebrae Nacional, somente 43% do empresariado obteve êxito quando articulou contratar um crédito bancário

A pesquisa 'O Financiamento dos Pequenos Negócios' foi realizada entre os meses de julho e agosto deste ano e ouviu mais de seis mil empreendedores donos de microempresas, empresas de pequenos porte e microempreendedores individuais (MEI) com negócios na indústria, construção civil, comércio e serviços de todo o Brasil. A região Nordeste teve o maior número de entrevistados: 1.807 empresários. A margem de erro é de um ponto percentual para mais ou para menos.

Segundo o levantamento, 78% dos empreendedores pesquisados no Rio Grande do Norte não buscou empréstimo este ano, grande parte (40%) porque a empresa não precisou de recursos financeiros. Outros 19% desse público preferiu não obter o crédito em função do cenário econômico desfavorável. Já 10% deles afirmaram que não conseguiriam pagar o empréstimo e 9% não gostam de fazer financiamentos. Soma-se a isso mais 3% que não confiam na política econômica e 19% têm outras razões.

Entre os que buscaram o empréstimo e não conseguiram, 26% não sabem ou o banco não explicou o motivo de negar o empréstimo. Para 16%, o crédito foi negado porque a empresa estava com dados inscritos no Cadastro Informativo de Créditos não Quitados do Setor Público Federal (Cadin) ou no Serasa. Outros 16% não conseguiram o dinheiro porque a conta ou a empresa era muito nova. Para 12%, o empréstimo foi negado em função de a empresa ter um faturamento baixo e 9% tinham o saldo médio da conta insuficiente.

Nacionalmente, a pesquisa do Sebrae mostrou que, após uma sequência de sucessivas quedas, houve - neste ano - um crescimento de 4 pontos percentuais na proporção de empresários que buscaram empréstimo ou financiamento novo (18%), em comparação com 2018 (14%). Em 2015, 24% dos donos de pequenos negócios ouvidos na pesquisa haviam buscado crédito nos bancos.

O levantamento revelou ainda uma redução no percentual de empresários que apresentam algum tipo de aversão à tomada de empréstimos (não confia na política econômica, tem medo de não conseguir pagar ou não gosta de empréstimos). Em 2018, esses motivos representavam 32% das justificativas dos empresários que não buscaram crédito. Em 2019, esse volume caiu para 23%.

Ainda de acordo com as empresas ouvidas pelo Sebrae, 63% dos empresários que buscaram obter um empréstimo novo, tiveram sucesso na tentativa. O levantamento também apontou aumento da proporção de empreendedores que afirmaram não ter encontrado dificuldade na obtenção do empréstimo em 2019 (31%), contra 29% em 2018, e 18% em 2017.