Acusados no caso Marielle irão para presídio federal

Publicação: 2019-03-15 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Os dois acusados pela morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes vão ser transferidos para um presídio federal. O pedido foi feito nesta quinta-feira, 14, pelo Ministério Público e deferido pela Justiça.

De acordo com a assessoria do MP, a motivação do pedido foi ligada à questão de segurança pública. O presídio federal que receberá o ex-sargento da Polícia Militar Ronnie Lessa e o também ex-PM Élcio Queiroz será definido pelo Departamento Penitenciário Nacional (Depen). Eles estão presos desde o dia 12 na Delegacia de Homicídios, na Barra da Tijuca.

 Nesta quinta-feira, o policial militar reformado Ronnie Lessa, acusado de matar a vereadora Marielle Franco (PSOL), e o ex-PM Élcio Queiróz, que dirigia o carro do assassino, tiveram a  prisão em flagrante  realizada na terça-feira, 12, convertida em preventiva pela Justiça. A decisão foi divulgada na tarde desta quinta-feira  após  audiência de custódia. Também ficou decidido que Alexandre Mota, que também foi preso em flagrante na última terça-feira, seguirá detido.

Alexandre foi preso em flagrante em sua casa, no Méier, por abrigar peças suficientes para montar 117 fuzis. Ronnie Lessa, que é amigo de infância de Alexandre, foi detido também em flagrante, no mesmo dia, por ser o dono das peças de fuzis. Élcio Queiróz, por sua vez, também foi preso em flagrante pela posse irregular de duas pistolas. Lessa e Élcio também foram denunciados pela tentativa de assassinato de Fernanda Chaves, a assessora da vereadora que também estava no carro mas sobreviveu ao ataque.

Os advogados de Lessa e Queiróz dizem que seus clientes são inocentes. Eles descartaram a hipótese de seus clientes fazerem uma delação premiada para apontar os mandantes do crime - hipótese levantada pelo governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel.

Afastamento de delegado
 O deputado federal Marcelo Freixo (PSOL) disse nesta quinta-feira, durante a missa de um ano da morte da vereadora Marielle Franco (PSOL), que o afastamento do delegado Giniton Lages das investigações será positivo para a resolução do caso. Lages foi convidado a fazer um intercâmbio na Itália e um outro delegado deverá assumir a segunda fase da apuração, que buscará apontar o mandante do crime.

“Acho que ajuda (o afastamento de Lages) porque foram muitos erros que a Polícia Civil cometeu neste ano para chegar até aqui", afirmou Freixo, na Igreja da Candelária. “Um ano para chegar em quem atirou é um tempo inaceitável; que bom que chegou, mas eu acho que agora, com um novo governo, temos uma nova diretriz para a polícia, é normal que tenhamos novas relações de confiança."

Ao longo da investigação, Giniton Lages foi acusado de pressionar suspeitos para confessarem sua participação no assassinato da vereadora. Foi por causa dessa acusação, inclusive, que a Procuradora-Geral da República, Raquel Dodge, determinou, em novembro passado, que a Polícia Federal apurasse se havia alguma interferência de autoridades policiais na apuração do crime, instituindo o que se chamou de “a investigação da investigação".

“Os problemas que a investigação enfrentou não foram problemas específicos da investigação do caso Marielle; são problemas estruturais da segurança pública do Rio de Janeiro", disse Freixo. “Espero que essa morte brutal sirva para que a segurança pública mude, para que nunca mais alguém elogie as milícias, para que nunca mais alguém possa se alimentar de milícias, para que determinados grupos não sejam protegidos pela segurança pública. A gente espera uma mudança profunda. Marielle não volta, mas aquilo que fez a gente perder Marielle tem de mudar o mundo." Para o deputado Marcelo Freixo, “essa investigação só tem valia se conseguir descobrir quem mandou matar", afirmou. “Se revelar que grupo político é capaz de ter a violência como forma de fazer política em pleno século 21."












continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários