Adepol abre pesquisa sobre segurança pública

Publicação: 2018-08-02 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
As fragilidades da segurança pública do estado são sentidas diariamente pela população, sendo vítima de um crime ou tendo um conhecido que já foi. Fazer um levantamento dos anseios da população e apontar melhorias para a área da segurança pública ensejaram a campanha da Associação dos Delegados de Polícia Civil do RN (Adepol-RN): “Eu decido a segurança do RN”. A ação consistirá numa pesquisa voltada a ouvir a opinião da população a respeito da segurança pública do estado, oportunizando-lhe ainda sugerir propostas para os problemas existentes no sistema. Confira pesquisa aqui.

Delegada Paoulla Maués, presidente da Adepol, e outros delegados apresentaram pesquisa ontem
Delegada Paoulla Maués, presidente da Adepol, e outros delegados apresentaram pesquisa ontem

Durante coletiva de imprensa, na manhã desta quarta-feira (1º), a presidente da Adepol-RN,  Paoulla Maués, disse que o diagnóstico da pesquisa será entregue aos candidatos ao Governo do Estado, para que eles possam firmar um compromisso público com as necessidades da população nessa área. “A população quer e merece uma resposta e entendemos que deve haver uma política pública eficiente, com planejamento. Quem vai governar precisa ter o comprometimento político com a vida das pessoas”, explicou a delegada.

O intuito é tentar extrair a percepção da população sobre a segurança pública, as necessidades de cada região, bem como as ações/medidas que elegem como prioridades na área. Para o acompanhamento da pesquisa em tempo real e análise de dados, a ADEPOL firmou uma parceria com uma incubadora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, a inPACTA-UFRN, sob a coordenação de Glaucio Brandão, professor do Mestrado Profissional em Ciência, Tecnologia e Inovação (MPInova).

“Qualquer política de segurança pública deve ser construída e planejada prioritariamente tendo como ponto de partida o cidadão que está sofrendo a violência em casa ou na rua. Deve ser analisado o gênero, a localidade, a idade,  bem como a percepção e necessidade de cada um desses grupos, para só então sistematizar, analisar os dados e fazer conclusões  para que as políticas públicas possam ser construídas”, explica a presidente da Adepol, delegada Paoulla Maués.

A presidente da Adepol destacou os dados do último Atlas da Violência, onde o Rio Grande do Norte figura entre os estados mais violentos do país. No estudo, Natal aparece em terceiro lugar no ranking das capitais com maiores taxas de mortes violentas do país. Na segunda colocação está Belém (PA), com 76,1 homicídios por 100 mil habitantes, em segundo vem Aracaju (AL) com 73 homicídios e em terceiro Natal com 62,7 homicídios por 100 mil habitantes. Em quarto lugar está Rio Branco, com 62,5 e em quinto vem Salvador, com a taxa de 57,8.

O período de apuração ocorrerá entre 1º até 31 de agosto, quando o questionário ficará disponível para a população. O evento de entrega do relatório ocorrerá em 11 de setembro em local a ser definido. Na cerimônia, toda a sociedade está convidada a participar. “Pedimos que voltem e opinem porque quem vai decidir os rumores da segurança são vocês, que sofrem diariamente com essa situação”, frisou a presidente da Adepol.  Ao final, os delegados se comprometem a entregar em mãos aos candidatos a Governo do Estado, o relatório conclusivo gerado pela inPACTA-UFRN.

Como votar
Pesquisa pode ser acessada aqui.


continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários