Advogado afirma que provas respaldam absolvição

Publicação: 2018-07-11 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
O advogado Marcelo Leal destacou – ao conceder entrevista ao programa Repórter 98, transmitido pela rádio 98 FM — que não se encontrou qualquer ato, nas investigações e nos processo judiciais, que envolvam o ex-deputado e ex-ministro Henrique Eduardo Alves com ilícitos.

“Em relação aos processos, posso afirmar, com segurança e sem medo de ser contraditado, que não se localizou um ato sequer de contrapartida, ou seja, que configure corrupção ou no qual ele tenha vendido seu mandato”, afirmou o advogado, durante respostas a Felinto Rodrigues, que apresenta o “Repórter 98”.

Marcelo Leal, que representa judicialmente Henrique Alves, fez um relato detalhado dos processos nos quais o ex-deputado é citado. O advogado disse estar confiante na absolvição do ex-ministro, uma vez que as provas e os testemunhos demonstram que Henrique Alves não cometeu crimes.

“Não se achou qualquer ato de corrupção praticado por Henrique Eduardo”, assegurou Marcelo Leal. Ele explicou que, no processo em andamento na Justiça Federal do Rio Grande do Norte, foram ouvidas dezenas de testemunhas de acusação e nenhuma apontou ilícitos que envolvessem o ex-deputado.

Segundo Marcelo Leal, as acusações envolvem doações oficiais de campanha. Ele afirmou que foram doações declaradas e aprovadas na análise da prestação de contas pela Justiça Eleitoral.

“Seria possível, em tese, uma doação que envolvesse corrupção, mas apenas se motivada por um ato ilícito praticado pelo agente pública. Não é o caso. As testemunhas confirmaram que não houve crime. Ao contrário, há farta prova para absolver”, afirmou.

Segundo Marcelo Leal, os proprietários e diretores das construtora Cariocas, Andrade Gutierrez, Odebrecht e OAS afirmaram, nos depoimentos, que não houve contrapartida, oferecimento ou concessão de vantagens em troca das doações. 

No caso da acusação que envolve a OAS, explicou o advogado, não se apontou envolvimento com desvios, mas sim que o ex-deputado teria tentado influenciar, no Tribunal de Contas da União, para que os recursos da construção da Arena das Dunas fossem liberados. “A imprensa afirmou que Henrique Eduardo foi acusado de envolvimento em desvio [na construção da Arena]. Mas não é verdade, não existe essa acusação”, disse.

Segundo ele, mesmo a suposta influência não corresponde ao que ocorreu, porque o deputado não atuou em benefício da construtora. O advogado afirma que, em mensagens ao ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro, o ex-ministro demonstrou preocupação com possíveis atrasos na obra. Marcelo Leal reafirmou que isso não significa que houve irregularidade.

“É desejável, esperável, que o político se preocupe com uma obra tão importante para um Estado. Natal correu risco de ficar fora da Copa [de 2014] por atraso na construção. Ele estava preocupado com isso e não há nada mais legítimo que um político se preocupar com uma obra pública. Todos os parlamentares deviam ter essa postura”, afirmou.

Marcelo Leal também relatou que nos demais processos, as provas são de que o ex-deputado deve ser absolvido.


continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários