Agência bancária em Arez é a 33ª atacada este ano no RN

Publicação: 2017-05-19 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Um caixa eletrônico da agência do Bradesco da cidade de Arez, distante 60 quilômetros de Natal, foi explodido na madrugada de ontem (18). Segundo a Polícia Militar, pelo menos dez homens participaram da ação criminosa. Ninguém foi preso. Essa é a 33° unidade bancária atacada somente, este ano, no Rio Grande do Norte.

Criminosos abriram buraco em ótica para ter acesso à agência
Criminosos abriram buraco em ótica para ter acesso à agência

Além de quatro explosões ouvidas pelos moradores, a cidade foi acordada pelos barulhos de tiros. Enquanto parte do bando efetuava disparos contra a delegacia da cidade, onde também funciona a base da PM, outra se encarregava de atacar a agência. A ação foi registrada por volta das 3h. O prédio ficou destruído com a força da explosão. O teto desabou.

Os indícios são de que os criminosos quebraram os cadeados de uma ótica, que funciona ao lado do banco. Dentro da loja, teriam feito um buraco, com explosivo, para ter acesso ao  banco. Com as explosões, uma das casas vizinhas teve parte destruída. Essa foi a terceira vez, nos últimos três anos, que a agência é alvo de explosões. A última tinha ocorrido em fevereiro do ano passado, e também deixou parte da agência no chão.

Na investida de ontem, todo o dinheiro que estava no terminal foi levado. Na fuga, os criminosos espalharam grampos de ferro pelas estradas que dão acesso à cidade. Pontiagudos, os grampos são usados para furar os pneus de carros. Assim, a polícia também teve dificuldade de partir em busca dos bandidos, que conseguiram escapar.

Com a ação de ontem, subiu para 37 o número de ataques a agências bancárias e carros-fortes registrados no Rio Grande do Norte neste ano, em 28 cidades. Somando-se esses números, os ataques a agências dos Correios ocorridos este ano, já são 54 ocorrências em 39 cidades potiguares.

As investidas dos bandidos contra agências bancárias e dos Correios vem expondo a fragilidade das Polícias Civil e Militar do Rio Grande do Norte. Ontem, o efetivo da PM, em Arez era mínimo, de apenas dois homens. Em alguns municípios, como foi o caso de João Câmara, há um mês, a base da PM contava com menos de 10 policiais militares no momento da explosão de duas agências bancárias. A quadrilha aterrorizou moradores. Das duas viaturas à disposição do efetivo, uma ficou parcialmente destruída e com pneus furados após ser metralhada.

À medida que têm acesso a armamento de grosso calibre — inclusive fuzis que nem mesmo as polícias utilizam —, os bandos voltaram à estratégia do enfrentamento. Outra justificativa para esse tipo de ação é o apoio das facções criminosas, que segundo essas fontes das polícias, financiam armas e recrutam integrantes às vezes trazidos também de outros estados.

continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários