Natal
Agente relata como teve início rebelião em Alcaçuz; armas foram jogadas para presídio
Publicado: 20:38:00 - 14/01/2017 Atualizado: 21:44:39 - 14/01/2017
A situação no presídio de Alcaçuz segue grave e não há perspectiva para o fim da rebelião. De acordo com a presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Rio Grande do Norte, Vilma Batista, os presos ligados à facção Primeiro Comando da Capital (PCC) iniciaram a barbárie e agora estão passando por retaliação dos demais detentos. A agente disse que carros de apoio jogaram armas para dentro da unidade no início da rebelião, que começou às 16h30 deste sábado (14).
Reprodução/Aura Mazda
Familiares de detentos desesperados em busca de informações sobre os presos

Familiares de detentos desesperados em busca de informações sobre os presos

Leia Mais

Segundo Vilma Batista, presos do pavilhão Rogério Coutinho Madruga, o chamado pavilhão 5, destruíram parte da unidade e seguiram até o pavilhão 3, onde se juntaram a presos não ligados a facções, a chamada "massa", e foram até o pavilhão 4, onde estavam 200 detentos da facção Sindicato do Crime do RN. Foi quando teve início a barbárie.

Armados com facas e até armas de fogo, os presos mataram número ainda desconhecido de rivais. Então, todo o presídio voltou às atenções ao local. De acordo com a agente penitenciária, em seguida teve a represália.

Vilma Batista informou que os próprios detentos teriam cortado a energia e que presos dos pavilhões 1 e 2, além de outros do pavilhão 4, teriam seguido até o pavilhão 3, onde estariam cercando os detentos que iniciaram a chacina. Segundo a representante dos agentes penitenciários, quase 400 detentos estariam na área externa do pavilhão 3.

Além da tensão e possibilidade de novas mortes, os detentos também estariam tentando atear fogo nas torres onde estão os bloqueadores de sinal de telefones celulares do presídio de Alcaçuz. 

Até o momento, o presídio segue sem energia e nem policiais militares ou agentes penitenciários adentraram a unidade após o início da rebelião, que teve presos decapitados.

  

Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte