AL discute prevenção ao coronavirus

Publicação: 2020-02-19 00:00:00
A+ A-
A Assembleia Legislativa promoveu, na tarde desta terça-feira (18), audiência pública com o tema “Coronavírus e RN: estamos preparados?”, para discutir sobre as medidas de prevenção e combate à doença.

Créditos: Eduardo MaiaNa audiência pública, responsáveis por setores envolvidos nos protocolos adotados apresentaram suas providênciasNa audiência pública, responsáveis por setores envolvidos nos protocolos adotados apresentaram suas providências


O deputado Ubaldo Fernandes , que propôs a audiência, afirma que a preocupação se deve ao estado ser um local turístico e atrair pessoas do mundo todo.   “Precisamos nos preocupar com a prevenção, já que o coronavírus vem se espalhando rapidamente pelo mundo”, disse. O deputado elogiou o empenho dos órgãos envolvidos no Plano de Contingência do RN, reforçando a importância da integração para o sucesso do trabalho.

De acordo com informações apresentadas pelo parlamentar, já são 25 países atingidos, fora a China, país originário da doença. De acordo com números do Ministério da Saúde divulgados na última segunda-feira (17), o Brasil permanece sem registro do novo coronavírus, porém com três casos suspeitos e monitorados (dois em São Paulo e um no Rio Grande do Sul). Até agora, 45 casos já foram descartados em todo o Brasil.

A Subcoordenadora de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde Pública do RN (Sesap), Alessandra de Menezes, relatou que a formatação do Plano de Contingência do Estado foi fruto de um esforço conjunto da Sesap e da Secretaria Municipal de Saúde de Natal, além da Coordenação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) em Natal.

“Primeiro fizemos uma discussão técnica com diretores médicos de hospitais públicos e privados do RN sobre a introdução e a detecção do vírus no Estado; depois iniciamos as articulações com os diversos órgãos envolvidos, para discutir o fluxo que seria estabelecido e os níveis diferentes de atuação: fora do Brasil, em outro estado, aqui no RN e em caso de aumento de casos locais”, explicou.

Ainda conforme a subcoordenadora, no dia 10 de fevereiro deste ano o Plano foi publicado e, atualmente, já foi apresentado a todas as secretarias municipais do Estado. “Hoje temos toda uma rede assistencial, vigilância laboratorial ativa e rede de comunicação preparada”, concluiu.

Já a representante dos secretários municipais de saúde do RN, Maria Elisa Soares, demonstrou preocupação não apenas com o coronavírus, mas também com outras doenças que acometem os potiguares há mais tempo.

“É nos municípios que as pessoas adoecem e precisam de apoio. Por isso é importante discutir esse vírus e as medidas a serem tomadas, sim; mas nós precisamos debater os problemas e as dificuldades da Saúde Pública do RN como um todo”, disse Maria Elisa.

Coordenador de Vigilância Sanitária de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados do RN (CVPAF-RN), Francisco Canindé de Souza garantiu que, após a publicação, no dia 22 de janeiro, da nota técnica da Anvisa para portos, aeroportos e fronteiras, a instituição já começou a agir. “A resposta foi imediata e o plano logo surtiu efeito. Além disso, estamos sempre nos atualizando e nos mantendo preparados para qualquer mudança de cenário”, frisou.

O Diretor Geral do Hospital Giselda Trigueiro, o infectologista André de Araújo Prudente, enfatizou o risco de dizer que o RN está preparado para o aparecimento de um caso de coronavírus. “Dizer que a gente tá preparado para um caso de coronavírus é arriscado, e eu não farei isso. Mas eu posso dizer que nunca vi uma mobilização tão grande como esta. O RN foi um dos primeiros estados a ter um fluxograma bem defendido e foi o primeiro a publicar um protocolo de manejo clínico da doença. Inclusive, o Ministério da Saúde fez o seu, 15 dias depois, baseado no nosso”, detalhou.

Magali Câmara, Diretora do Laboratório Central (Lacen), afirmou que “o laboratório tem uma equipe bem preparada e boas condições estruturais para lidar com a enfermidade”. “Nós temos o meio de transporte viral preparado e já pedimos mais materiais, para que não haja falta, se viermos a precisar. Então, se acontecerem casos aqui, teremos condições de dar uma resposta razoável para a população norte-rio-grandense”, completou.

Maria da Conceição Medeiros, Coordenadora do Meio Ambiente da Companhia Docas do RN (Codern), explicou o que está sendo feito hoje nos portos de Natal e Areia Branca.

“Temos máscaras, luvas e batas para casos suspeitos. Todo o protocolo já foi desenhado e nós estamos preparados para segui-lo. Mas eu quero chamar a atenção para o fato de que todo esse cuidado é para existir não só com o coronavírus, mas como todos os outros”, alertou.







Deixe seu comentário!

Comentários