Alpargatas fecha fábrica e demite 200

Publicação: 2014-08-31 00:00:00 | Comentários: 1
A+ A-
Renata Moura
editora de Economia

A Alpargatas SA, empresa do setor calçadista com sede em São Paulo, fechou a fábrica instalada no município de Santo Antônio, no Rio Grande do Norte, a 70 km de Natal. Cerca de 200 trabalhadores foram dispensados.
Reprodução/Portal NcoO fechamento foi confirmado pelo prefeito, por funcionários e noticiado por blogs do AgresteO fechamento foi confirmado pelo prefeito, por funcionários e noticiado por blogs do Agreste

A desativação da fábrica foi confirmada pelo prefeito da cidade, Lula Ribeiro, por meio de sua página no Facebook, neste fim de semana.  Em entrevista à TRIBUNA DO NORTE, a supervisora da unidade, Gina Helena de Oliveira Silva, 38, que trabalhou na fábrica por 20 anos, afirmou que os funcionários foram comunicados sobre o fechamento durante a troca de turnos, na tarde de sexta-feira. A produção foi encerrada às 14h.

A fábrica produzia 4 mil pares de calçados esportivos por dia.  Os calçados eram costurados na unidade e enviados para a fábrica localizada em Santa Rita, na Paraíba, onde eram finalizados.

“O mercado não está bem para todo mundo e para calçados principalmente. As vendas estão ruins. A empresa tem 2,5 milhões de pares dentro do armazém sem conseguir vender”, disse a supervisora. De acordo com ela, a empresa já vinha dando sinais de alerta. No final do ano passado, disse Gina, 40 funcionários chegaram a ser dispensados em Santo Antônio. “Também já haviam dado férias a um turno completo. Sabíamos que a situação não estava bem, que o estoque estava alto, mas não havíamos sido comunicados de que iria fechar”, acrescentou.

Entre os demitidos estão operadores de costura, técnicos de segurança, mecânicos e auxiliares de escritório. “A cidade é pequena. Infelizmente isso é um abalo, um impacto grande. Ganhávamos pouco mais de um salário e girava toda uma cidade. A fábrica existia há 21 anos”, disse a supervisora da unidade. Ela ressaltou que ao longo dos anos de funcionamento não houve atraso de salários. “Eles não deixaram nada a desejar e agora asseguraram que vamos receber todos os nossos direitos”, acrescentou.

Natal
Esta é a segunda unidade da Alpargatas desativada no  RN em menos de três anos. No final de 2012, a unidade instalada em Natal também fechou as portas. Atualmente, a única em operação no estado está localizada em Nova Cruz.

À época do fechamento em Natal, a empresa informou que o motivo era a “otimização do processo produtivo”. As atividades acabaram sendo transferidas para a Paraíba, em busca, segundo a empresa, de ganhos de produção e eficiência logística.

Em nota publicada no Facebook, o prefeito do município de  Santo Antônio, Lula Ribeiro, disse que o fechamento da fábrica representa uma “perda enorme” para o município, mas que já está em busca de soluções. Ele estaria mantendo contato com empresários de vários setores que tenham interesse em instalar uma nova fábrica na cidade, de acordo com a nota publicada na rede social.

Gina Helena de Oliveira Silva, que era supervisora na fábrica da Alpargatas, afirmou que a gerência da empresa está se articulando junto à prefeitura para tentar atrair facções - pequenas fábricas de costura - que possam atender a grandes indústrias como a Guararapes.

A TRIBUNA DO NORTE tentou contato com outros porta-vozes da Alpargatas por meio do número fixo da fábrica em Santo Antônio, mas ninguém atendeu. Na fábrica de Nova Cruz, também no RN, uma funcionária afirmou que somente a assessoria de imprensa poderia fornecer qualquer informação. Na assessoria de imprensa, em São Paulo, o atendente disse que os jornalistas só estão no escritório de segunda a sexta-feira e que não havia outros contatos disponíveis. A reportagem também tentou contato com a prefeitura de Santo Antônio, mas não obteve êxito.

continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários

  • eudesmaximoo

    E lamentavel, precisamos dar mais incentivo ao nossos empresarios, igual aos nossos vizinhos Cearenses que se detacam-se na area textil, so perde pra Sao Paulo, em tempos de concorrencia temos que nos reciclar, ja foi o tempo de esperar que o cliente venha nos procurar, ouvir os nossos empregados as vezes faz uma grande diferen