América pressiona por decisão

Publicação: 2020-05-22 00:00:00
A+ A-
A situação de indefinição dentro do futebol levou o presidente do América, Leonardo Bezerra, a estabelecer o dia 4 de junho como data limite para o clube tomar uma decisão drástica, que pode até redundar na suspensão dos contratos com os atletas e a paralisação do setor profissional no alvirrubro, caso não haja a liberação por parte das autoridades sanitárias para o retorno dos treinamentos. O dirigente disse que não terá muitas alternativas frente ao sério desequilíbrio existente, hoje, entre receitas e despesas.  

Créditos: Canindé PereiraPresidente Leonardo Bezerra está preocupado com os prejuízosPresidente Leonardo Bezerra está preocupado com os prejuízos


“É uma questão de sobrevivência, os clubes não têm como realizar um bom planejamento dentro desse quadro de incertezas. Eu quero que a CBF, a FNF ou as autoridades de saúde do RN determinem uma data aproximada de quando as atividades no futebol vão poder voltar. Se será em julho, agosto ou setembro, tendo essa definição eu vou poder negociar junto aos atletas a suspensão temporária dos contratos, até a data aprazada para o retorno”, afirmou.

O presidente americano ressaltou que vem sendo fiel aos acordos firmados com o elenco, mas como as receitas só diminuíram, com a impossibilidade de a agremiação fazer uso de sua imagem dentro de campo, a situação está se complicando.

“Cumpri com a folha integral de março, quando ocorreu a paralisação na metade do mês, em abril conseguimos fechar um acordo de redução de 25% nos vencimentos com o elenco, mas a partir desse mês eu não sei mais o que vou fazer para evitar o atraso dos salários. A crise atingiu o poder de arrecadação do clube como um todo. A Arena das Dunas deixou de pagar o patrocínio e, os contratos de aluguel, de onde já conseguimos tirar R$ 200 mil, mês passado, caiu para R$ 60 mil. A queda foi muito grande e o que está salvando ainda é a verba que vem do sócio-torcedor, já que os títulos foram todos vendidos em até dez parcelas no cartão de crédito”, explicou.

Leonardo Bezerra está vendo a questão se complicar e se prepara para convocar reuniões com o conselho consultivo do clube, grupo que reúne os ex-presidente alvirrubros, bem como avalia a convocação do conselho deliberativo para tratar das questões que podem gerar problemas novas questões na justiça do trabalho.

“Se essa queda de receita se mantiver, seremos obrigados a realizar algumas rescisões contratuais. Hoje o América está cumprindo rigorosamente os acordos feitos na Justiça do Trabalho, mas se os atletas não aceitarem as propostas que iremos realizar para desfazer alguns vínculos, poderemos sofrer algumas ações novas. Vou reunir o conselho consultivo e o deliberativo para tratar dessas questões e buscar algumas alternativas para ultrapassar esse momento de dificuldade”, afirmou Bezerra.

O ex-presidente Jussier Santos, idealizador do conselho consultivo alvirrubro, o qual lançou em 1976 com a função de debater e lançar luz sobre os problemas do clube, acredita que a crise no futebol com a questão da pandemia é grave e que já passou do momento de se convocar os ex-presidentes para discutir medidas.

“O conselho consultivo foi criado para aconselhar o presidente do clube em momentos de crise, ele não possui poder de decisão. Já faz bastante tempo que não ocorre uma reunião do mesmo e, apenas o presidente do América pode realizar essa convocação. Posso antecipar que de minha parte, assim que for convocado estarei pronto para ajudar o clube, como sempre fiz. Eu não me lembro da última vez que fui convocado para discutir problemas do clube e acredito que o presidente deve fazer isso agora”, ressaltou Jussier Santos.