Cookie Consent
Esportes
Ameaças e a violência preocupam o futebol
Publicado: 00:01:00 - 19/05/2022 Atualizado: 22:09:18 - 18/05/2022
Basta fazer uma pesquisa no Google com as palavras-chave "agressão", "futebol" e "2022" para encontrar diversos casos de violência contra jogadores, treinadores e árbitros nestes primeiros meses do ano. Eles variam de agressões psicológicas a físicas e têm ocorrido em volume e velocidade maiores do que em outras temporadas.

Divulgação
Ônibus do Bahia foi atacado por bomba e deixou feridos

Ônibus do Bahia foi atacado por bomba e deixou feridos


O episódio da manhã de ontem em São Paulo nas proximidades do CT do Palmeiras, a Academia de Futebol, quando o lateral-esquerdo Jorge teve o carro danificado por uma pedrada e foi ameaçado de agressão, é apenas o caso mais recente. Consequência de um comportamento hostil por parte de indivíduos que se dizem "torcedores", mas que recorrem à violência quando consideram que o defensor do seu clube - jogador e treinador como principais alvos - não faz o que dele se espera.

Jorge foi abordado por dois homens próximo à entrada do CT, onde iria treinar. Vários profissionais já passaram por isso nos últimos meses. Um dos casos registrados foi a série de ameaças de morte a jogadores do Corinthians, como o goleiro Cássio (e sua família) e o atacante Willian, o que deixou todos preocupados no clube. Isso aconteceu no início do mês passado, quando o Alvinegro passava por uma fase irregular dentro de campo.

Na ocasião, o Corinthians se manifestou contra o ato violento - todos os clubes repudiam quase que de imediato as agressões - e como protesto decidiu não publicar conteúdos nas redes sociais durante três dias. Nesse período, seus dirigentes, jogadores e treinador não deram declarações públicas. As ameaças foram feitas por um torcedor do clube.

Um dia antes da ação corintiana, um grupo de torcedores da "Força Jovem", organizada do Vasco, havia pressionado jogadores e o técnico Zé Ricardo no Aeroporto do Galeão, no Rio. O motivo dos vândalos: descontentamento com os resultados do time.

As intimidações ganharam as redes e escancararam o quanto os atores do futebol estão expostos e vulneráveis diante dessa fúria - não havia seguranças do clube para proteger o elenco no aeroporto.

NÚMEROS ALARMANTES
Nestes pouco mais de cinco meses de 2022, o futebol brasileiro registrou outros tantos casos de agressão, alguns com intensidade maior de violência. Em fevereiro, dois episódios tiveram consequências graves. O ônibus que transportava jogadores do Grêmio, antes de clássico com o Internacional, no Gauchão, foi alvo de atentado, com atletas feridos. O ônibus do Bahia sofreu uma emboscada semelhante antes de jogo na Copa do Nordeste.

Como consequência desses ataque, o goleiro Danilo Fernandes, do Bahia, precisou ser socorrido e passar por cirurgia porque ficou ferido por estilhaços de vidro. Demorou a voltar a jogar, ou seja, a trabalhar. Villasanti, do Grêmio, sofreu um traumatismo craniano.

Talvez o caso mais absurdo até agora tenha ocorrido no mês passado e partido de um treinador, Rafael Soriano, à época na Desportiva Ferroviária. Seu alvo foi uma mulher. Ele deu uma cabeçada na bandeirinha Marcielly Netto, em jogo do Campeonato Capixaba. O técnico foi demitido e suspenso por 200 dias pela Justiça Esportiva capixaba.

REFLEXO DA SOCIEDADE
Mas o que explica tanta violência, ameaças e falta de paciência no esporte mais popular do mundo, que deveria levar as pessoas torcerem e se divertirem? Para Zeca Marques, professor da Unesp e ex-árbitro de futebol, esses casos escancaram o momento pelo qual a sociedade brasileira passa, com altos índices de violência.

"O futebol é, de fato, o reflexo da nossa sociedade. As pessoas estão impacientes em todos os sentidos, porque essa pandemia deixou todo mundo com um pavio ainda mais curto. A violência sempre fez parte desse ambiente do futebol, com casos emblemáticos anualmente, mas ela está se manifestando de uma forma diferente", diz Zeca Marques. "É incomum que uma torcida faça um atentado com bomba ao seu próprio time", observa.

O caso ao qual o professor se refere é o atentado de seguidores do Bahia. Segundo ele, "é inadmissível que tenha acontecido isso e não tenhamos alguém punido". O ataque ao ônibus ocorreu em 24 de fevereiro. No dia 25 de abril, a polícia prorrogou a investigação por mais 30 dias.

Marques acrescenta que, no Brasil, o caráter punitivo é baixo e às vezes beneficia os infratores. "Há uma relação complexa entre os clubes e suas torcidas. Perceba que, em toda derrota de um time, a torcida está pronta para receber os jogadores no aeroporto. Os próprios clubes abrem portas para que a torcida cobre seus jogadores. Isso é papel dos dirigentes, não de uma torcida. As punições pequenas não impedem que as agressões parem, nem as ameaças veladas. Às vezes, até as perpetuam", destaca.

O professor da Unesp cita o caso da agressão ocorrida no Espírito Santo como exemplo de que as punições são brandas. "A agressão do técnico à árbitra deveria ter uma punição exemplar. Existe um elemento machista na agressão. O Brasil é um país que ataca mulheres e minorias e isso chegou ao futebol", pontua.

Inicialmente, o treinador havia sido suspenso por 30 dias. Posteriormente, o prazo da punição foi estendido para 200 dias. Além disso, ele recebeu gancho de 12 jogos e multa de R$ 1 212,00 pela invasão de campo e pelos xingamentos à arbitragem do jogo.

ALERTA
O crescimento das ameaças aos personagens principais do futebol deixa as autoridades em alerta. Em São Paulo, por exemplo, os responsáveis pelas ameaça ao goleiro Cássio foram identificados, tiveram de prestar depoimento e são alvo de investigação.

À Rádio Eldorado, nesta terça-feira, o secretário de Segurança Pública do Estado, general João Camilo Pires de Campos, disse que as agressões a jogadores de futebol são uma preocupação das polícias em São Paulo e que somente um trabalho de inteligência é capaz de evitar que novos casos ocorram. "Estamos preocupados e atentos a isso", afirmou Campos.

Hulk é absolvido pelo STJD em denúncia por agressão
O atacante Hulk foi absolvido, nesta quarta-feira, da denúncia por agressão que respondia em razão do chute acertado por ele no volante Willian Farias, durante embate entre Atlético-MG e Coritiba. Tomada por unanimidade pela Terceira Comissão Disciplinar do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), a decisão é de primeira instância, portanto ainda cabe recurso ao Pleno.

"Quando a imagem é congelada parece que foi forte, mas não é um chute de alta intensidade. Sou um atleta competitivo, vou em todas as bolas, mas nunca fui desleal. São quase 16 anos e nunca fui expulso e nem desleal", se explicou Hulk em depoimento durante o julgamento.

"Foi falta, o árbitro entendeu por dar amarelo, teve o árbitro de vídeo também e não entenderam pela intensidade. Quando ele (atleta do Coritiba) dominou a bola eu não consigo dar o bote pelas laterais e tentei pelo meio. Eu tentei alcançar a bola. Achei que podia chegar nela, mas como ele protege e fica com o corpo para trás isso impede", completou.

No mesmo processo, Atlético-MG e Coritiba foram multados em R$ 1 mil e R$ 3 mil, respectivamente, por atrasarem o reinício da partida. Depois dos atrasos, já com a bola correndo para o segundo tempo, Hulk protagonizou o polêmico episódio que o levou a ser julgado. Aos 22 minutos, tentava tomar a bola de Willian Farias, por trás, quando acertou um chute na coxa do volante coritibano, lance punido pelo árbitro apenas com um cartão amarelo.

Após o jogo, a Procuradoria da Justiça Desportiva denunciou o atacante atleticano com base no artigo 58-B do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD). O trecho determina que o STJD pode "oferecer denúncia em caso de infrações graves que tenham escapado à atenção da arbitragem ou em caso de notório equívoco"

Na avaliação da Procuradoria, Hulk teria chutado Willian de forma intencional, assumindo o risco de causar dano ao adversário, situação descrita no artigo 254-A do CBJD. Tal acusação revoltou a diretoria do Atlético-MG, que divulgou uma nota oficial chamando a denúncia de "inaceitável".

Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte