Analfabetismo cai a passos lentos

Publicação: 2011-11-17 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Andrielle Mendes - repórter

O Rio Grande do Norte está entre os cinco estados com maior taxa de analfabetismo do País. Dados do Censo 2010, divulgados ontem, mostram que o Estado avançou nos últimos dez anos – reduzindo em 26,5% a taxa de analfabetismo entre pessoas acima de dez anos - mas ainda não conseguiu sair da lista dos piores em alfabetização. No Brasil, onde 9% das pessoas acima de 10 anos não sabiam ler e escrever em 2010, a taxa caiu 29,6%. Para Aldemir Freire, chefe da unidade potiguar do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o dado reflete a falta de investimento na área. Segundo ele, o RN levará, em média, 30 anos para atingir o percentual de analfabetos do País: 9%. “Para isso, precisará alfabetizar as crianças e os idosos”, explica Aldemir. Em 2010, 17,4% das pessoas acima de dez anos que residiam no RN não sabiam ler e escrever. O estado fica na frente apenas de Alagoas, Piauí, Paraíba e Maranhão.

Adriano AbreuCom maior acesso à escola, à leitura e à internet, a população entre 15 e 24 anos está mais letrada. Nesta faixa etária,a taxa média de analfabetismo é de apenas 5 por cento.Com maior acesso à escola, à leitura e à internet, a população entre 15 e 24 anos está mais letrada. Nesta faixa etária,a taxa média de analfabetismo é de apenas 5 por cento.
O indicador, segundo Cláudia Santa Rosa, diretora do Instituto de Desenvolvimento da Educação (Ide), preocupa. “Nós, que lidamos com Educação, estamos preocupados. Esperamos sempre indicadores melhores. Mas isso não está acontecendo. Até quando comentaremos indicadores que nos expõe de forma negativa?”, questiona. Para  reverter a situação, Cláudia Santa Rosa, defende que professores da educação infantil e das séries iniciais do ensino fundamental sejam capacitados continuamente e acompanhados. “Não é qualquer professor que pode dar aula para crianças de 6, 7, 8 anos. Alfabetizar não é só encher o quadro”, justifica. Para Cláudia, ou o RN capacita o professor ou nunca mudará esta realidade.

#maisinformacoes#A diretora do Ide também defende a ampliação do número de vagas na rede pública de ensino. A Secretaria Municipal de Educação estima que cerca de 4 mil crianças estejam fora da sala de aula só em Natal. O número é maior que a população total de Paraú, município localizado a 285 km da capital potiguar. Segundo a secretaria, não há vagas suficientes. Só nas proximidades do loteamento Algemar, em Pajuçara, zona Norte, 140 crianças estão fora da escola. Evandro Alves é um deles. O garoto tem dois anos e seis meses e deveria estar matriculado num dos centros de educação infantil do bairro. Luciane Maria de Lima Caetano, 26, mãe de Evandro, não consegue vaga. A solução, diz ela, é esperar ele completar cinco anos e colocar numa escola.

A Prefeitura de Natal está construindo um centro infantil no loteamento Augemar, a poucos metros da casa de Luciane. A obra, entretanto, está parada há quase dois anos. Segundo moradores, a prefeitura não pagou a construtora. “Meu filho podia estar na creche hoje”, diz. Wanderson, 12, seu outro filho, também está fora da escola. A família mudou-se em abril e Luciane não conseguiu vaga para o garoto. “Ele já perdeu quase um ano de aula. Isso é muito ruim. Ele já repetiu a série duas vezes. Vai atrasar ainda mais”, afirma a dona de casa.

Segundo Cláudia, ‘é inadmissível’ manter 4 mil crianças fora da escola. “Se existisse uma lei de responsabilidade educacional, os gestores do estado estariam presos. É inadmissível manter 4 mil crianças fora da escola, principalmente numa capital, por falta de vaga”. Problemas como esses, na visão da educadora, atrasam a alfabetização das crianças e emperram o desenvolvimento do País.

Embora ostente a segunda menor taxa de analfabetismo entre as pessoas de 15 anos do estado, Natal destaca-se no Nordeste como a capital com o segundo maior número de crianças de 10 anos não alfabetizadas. Segundo o censo, 9,1% das crianças de dez anos que residiam em Natal em 2010 não sabiam ler e escrever. O percentual é maior apenas em Maceió, Alagoas.

João Dias tem uma das piores taxas do Brasil

Com uma taxa que chega a 38,9% da população, o município de João Dias, na região Alto Oeste, é que tem os piores índice do Rio Grande do Norte, segundo os indicadores de Educação do Censo 2010, divulgados ontem pelo IBGE. No caso da população idosa, isto é, com mais de 60 anos, o analfabetismo é de 66,5%.  João Dias integra o grupo de   1.304 municípios com taxa de analfabetismo da população acima de 15 anos, igual ou superior a 25%, juntamente com  Monte Santo (BA), com 35,6%, e São Brás (AL), com 34,7%; Santa Helena de Minas (31,7%) e tantos outros. João Dias já ostenta outro indicador negativo: o de município norte-rio-grandense com maior taxa de pobreza extrema.

O Censo-2010 mostra que existe uma relação entre analfabetismo e população da área rural. João Dias tem pouco mais de 2.600 habitantes, e 55,17% moram na área rural. Espírito Santo, com taxa de 38,4%, tem 10.475, dos quais 52% moram no campo. O problema de João Dias é que, até 2010, quando o censo foi feito, não funcionava o programa de Educação de Jovens e Adultos (EJA).

O EJA, por exemplo, é um dos responsáveis pela redução da taxa de analfabetismo de Parnamirim, o município com melhores indicadores tanto no geral (taxa de 7,6%), como na população acima de 15 anos de idade (8,0%). Entre um Censo e outro, houve redução de 42% na taxa. A segunda menor taxa é a de Natal (8,3%), a terceira de Mossoró, a quarta de Carnaúba dos Dantas e a quinta de São Gonçalo do Amarante.

De acordo com o IBGE, os 8,3% de analfabetismo em Parnamirim representam menos da metade da média estadual. Por faixa etária, o analfabetismo na terceira cidade mais populosa do Estado é de 2,3% entre 15 e 24 anos; de 7,3% para a faixa entre 24 e 59 anos e de 27,6% para quem tem 60 anos ou mais.

A redução só não foi maior por causa das dificuldades que os municípios têm para alfabetizar a população de faixa etária mais elevada. Enquanto a diminuição do analfabetismo  de Parnamirim  foi de 62,9% entre 15 e 24 anos, na população mais idosa a queda foi de  35,8%. Fatores como doença, trabalho, obrigação para cuidar da família são obstáculos para alfabetização de adultos.

Analfabetismo atinge 28% no Nordeste

Rio (ABr)  - Embora a taxa de analfabetismo na população com 15 anos ou mais de idade tenha caído de 13,63% em 2000 para 9,6% em 2010 na média do país, nas menores cidades do Nordeste, com até 50 mil habitantes, ela ainda atinge 28% das pessoas nessa faixa etária. Além disso, nesses municípios a proporção de idosos que não sabiam ler e escrever chegava a 60%. Segundo dados dos Indicadores Sociais Municipais do Censo Demográfico 2010, no caso do analfabetismo de jovens, a situação da região Nordeste também é preocupante. Enquanto na média do país a proporção de adolescentes e jovens que não sabiam ler e escrever atingia 2,5%, no Nordeste era quase o dobro (4,9%), com pouco mais de 500 mil pessoas nessa faixa etária. Na Região Sul o percentual era de 1,1% e na Sudeste, de 1,5%.

Emanuel AmaralCláudia Santa Rosa defende capacitação de professoresCláudia Santa Rosa defende capacitação de professores
Entre jovens e adultos, o levantamento revela que em 1.304 municípios a taxa de analfabetismo era igual ou superior a 25%. Entre eles, 32 não contavam com o programa Educação de Jovens e Adultos (EJA). A maioria está localizada no Nordeste, tendo sido a pior situação observada em João Dias (RN), onde 38,9% das pessoas com 15 anos ou mais não sabem ler e escrever. Em seguida, aparecem Monte Santo (BA), com 35,6%, e São Brás (AL), com 34,7%. No Norte, três municípios aparecem na lista, todos em Tocantins: Ponte Alta do Bom Jesus (25,2%), Mateiros (26,4%) e Centenário (28,6%). O Sudeste concentrava quatro deles, localizados em Minas Gerais. São eles: Miravânia (26,0%), Frei Gaspar (28,5%), Bertópolis (29,6%) e Santa Helena de Minas (31,7%).

O levantamento também evidenciou as diferenças em termos de alfabetização nos resultados segundo cor ou raça. Enquanto entre os brancos, o percentual de analfabetos para pessoas com 15 anos ou mais era de 5,9%, entre os pretos atingiu 14,4% e entre os pardos, 13%.

Taxa de analfabetismo entre a população de 15 a 24 anos

RN    5,0
São José do Seridó    1,9
Jardim do Seridó    2,2
Parnamirim    2,3
Santana do Seridó    2,4
Lucrécia    2,7
Natal    2,7
Água Nova    2,8
Caicó    3,0
Acari    3,1
Itaú    3,2
Mossoró    3,3
São João do Sabugi    3,4
Currais Novos    3,5
Parelhas    3,5
Ipueira    3,6
Carnaúba dos Dantas        3,6
Areia Branca    3,7
Riacho de Santana    3,8
Equador    4,0
Doutor Severiano    4,0
Severiano Melo    4,2
Encanto    4,2
Pau dos Ferros    4,3
Portalegre        4,4
Jaçanã    4,4
Ouro Branco    4,5
Felipe Guerra    4,5
Apodi    4,5
Baía Formosa    4,5
Viçosa    4,5
Ruy Barbosa    4,7
Cruzeta    4,7
Tenente Laurentino Cruz     4,7
Bodó    4,8
Tibau    4,8
São Gonçalo     4,8
Martins    4,8
Rafael Godeiro    4,8
Alto do Rodrigues    4,9
Cerro Corá        4,9
Campo Redondo    5,0
Timbaúba dos Batistas    5,0
Pilões    5,0
Lajes    5,1
Coronel Ezequiel    5,2
Lajes Pintadas    5,2
Pedra Preta    5,3
Extremoz    5,3
Frutuoso Gomes    5,3
Macau    5,3
Taboleiro Grande    5,4
Porto do Mangue    5,4
São Bento do Trairi    5,5
Florânia    5,5
Tangará    5,5
Assu    5,6
Umarizal    5,7
Canguaretama    5,7
Major Sales    5,7
Serra Negra do Norte    5,8
Maxaranguape    5,8
José da Penha    5,9
Santa Cruz        5,9
São Miguel    5,9
Serrinha    5,9
São Paulo do Potengi    6,0
Santa Maria    6,1
Jardim de Piranhas    6,1
Caiçara Rio do Vento    6,1
Passagem      6,1
Carnaubais    6,2
Riacho da Cruz    6,2
Barcelona    6,2
Jardim de Angicos    6,3
Caraúbas    6,3
Goianinha    6,3
Várzea    6,3
São Fernando    6,3
Almino Afonso    6,4

continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários