Viver
Andifes lança concurso para produção audiovisual
Publicado: 00:00:00 - 14/01/2022 Atualizado: 23:08:25 - 14/01/2022
A Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) lançou seu 3° concurso audiovisual, com o tema “Universidade: Conhecimento e Cidadania”. A seleção é voltada para estudantes vinculados a quaisquer faculdades federais do Brasil, e vai ser veiculada pelo YouTube, no canal da Andifes. As inscrições estão abertas até o dia 31 de janeiro, por meio de um formulário online. O objetivo é promover a produção de conteúdos audiovisuais que, além de criativos e diversos, fortaleçam as universidades federais. 

Divulgação
Concurso tem a sua terceira edição

Concurso tem a sua terceira edição


A criação do vídeo é livre e precisa garantir a legitimação do ensino público federal. O tempo-limite para cada material é de até um minuto, com tolerância de cinco segundos para mais ou para menos. No caso de vídeos em que apareçam pessoas, é obrigatória a autorização de uso de imagem. O não atendimento dessa exigência resulta na exclusão. Quanto à classificação indicativa, o regulamento esclarece que deve ser livre e não abarcar a exposição de crianças e conteúdos que comprometam suas dignidades.

Haverá premiação para os três primeiros lugares. No momento da inscrição, o candidato deve preencher o formulário e anexar material em vídeo, documento oficial com foto e comprovação de matrícula em uma das universidades federais ligadas à Andifes. Outra exigência do cadastro é a transferência da propriedade do material audiovisual para a associação, responsável por permitir seu uso e publicação sem natureza comercial.

Na primeira edição do concurso, os estudantes da UFRN Paulo Medeiros e Maria Clara Nóbrega Pimentel ficaram em terceiro lugar. Em dupla, eles foram responsáveis não apenas por representar a capital potiguar, mas toda a região Nordeste. Maria Clara, 21, está finalizando o curso de jornalismo e afirma que a experiência de participar no concurso foi muito enriquecedora. “Paulo falou comigo porque pensava em produzir um vídeo e submeter no concurso. Ele ficaria responsável pelas gravações, da edição e da concepção do vídeo e eu ficaria com o roteiro. Eu nunca tinha feito nada do tipo, mas acabei topando. O processo foi bem legal, ficamos andando pela UF tirando fotos”, contou. 

O vídeo foi realizado com base em diversas fotos colocadas juntas, uma a uma, a fim de fornecer ritmo à produção. “Ao final, gravamos o off no estúdio da FMU e foi bem legal, porque, por mais que eu já trabalhasse com rádio e gravasse matérias no estúdio, foi outra perspectiva gravar aquele conteúdo mais institucional e que seria para um vídeo. E que o meu rosto apareceria, então minha voz teria que casar com os meus gestos e toda a minha comunicação não verbal”, esclarece.

Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte