Cookie Consent
Alex Medeiros
Aniversário de uma lenda
Publicado: 00:01:00 - 22/06/2022 Atualizado: 22:09:43 - 21/06/2022
Alex Medeiros 
alexmedeiros1959@gmail.com

Alguém sabe responder qual a segunda coisa em comum que existe entre os goleadores brasileiros Friedenreich, Pelé, Flávio Minuano, Romário e Tulio Maravilha, além do fato de todos eles terem ultrapassado a marca dos mil gols computados em jogos oficiais, amistosos e festivos? Se ninguém sabe, ora direi, para as estrelas: o milheiro quinteto e nem ninguém mais no futebol brasileiro marcou 5 gols num só jogo da seleção do Brasil como Evaristo.

Divulgação


Evaristo de Macedo Filho, que hoje faz 89 anos, nasceu no Rio de Janeiro em 1933, filho de família da classe média carioca. Teve toda infraestrutura material e emocional durante os estudos, sendo aluno do renomado Instituto Grambery, de Juiz de Fora, chegando depois a cursar Medicina e concluir carreira de oficial no CPOR, entrando para a reserva do Exército Brasileiro. Mas a sua grande paixão mesmo era o futebol, e que o levou a interromper a faculdade.

No começo dos anos 1950, os gols do jovem atacante do Madureira provocaram sua convocação para a seleção olímpica que foi disputar as Olimpíadas de Helsinque, em 1952, terminando a competição em quinto lugar.

Na virada da temporada, o Flamengo foi atrás do jogador que aos 20 anos já não era mais uma promessa. Mas no contrato, por imposição do pai, seu passe não seria da Gávea e de time nenhum. E ele foi livre aqui e também na Europa.

Entre 1953 e 1955, Evaristo deu show no Flamengo ao lado de outros craques como Joel, Zagallo (os pontas que iniciaram a Copa 58), Jordan e o potiguar Dequinha, no time que conquistaria o segundo tricampeonato do rubro-negro. 

Seu grande desempenho no ataque do Flamengo o manteve absoluto na seleção brasileira num período histórico que separa a Era Zizinho da Era Pelé.

Na 25ª edição do Campeonato Sul-Americano de 1957, que reuniu as seleções de sete países, ele foi o craque do Brasil, estabelecendo um recorde fabuloso, mesmo não conseguindo sozinho conter o perigosíssimo ataque da Argentina.

Naqueles anos, os hermanos tinham um trio endiabrado chamado “Los Carasucias” (os caras sujas), formado por Angelillo, Maschio e Omar Sívori, todos contratados pelo futebol italiano, onde Sívori era comparado ao Pelé.
Perdemos a final, mas Evaristo saiu do torneio com uma marca que até hoje nenhum outro brasileiro conseguiu igualar, nem mesmo os cinco artilheiros citados no começo desta crônica. O feito foi na goleada de 9 x 0 na Colômbia.

Na partida no Estádio Nacional, em Lima, no Peru, o atacante se antecipou em cinco anos ao Amarildo na condição de “possesso” (apelido dado por Nelson Rodrigues ao reserva de Pelé em 62. Evaristo fez 5 gols, um recorde até hoje.

Quando o Brasil voltou a capital peruana em jogo das eliminatórias da Copa 58, um dos maiores mitos da história do Barcelona, como jogador e dirigente, Josep Samitier, apareceu lá para assediar o craque com uma boa proposta.

O contrato com o time catalão abriu a grande vitrine da Europa para Evaristo, mas fechou uma janela importante na sua carreira pela seleção. Sendo um dos craques do Brasil, ficou impedido de vestir a amarelinha na Copa da Suécia.

Sua estreia pelo Barça foi ainda em 1957, numa derrota em que ele foi o destaque marcando um belo gol de cabeça. Juntando-se aos húngaros Kubala, Kocsis e Czibor, além do espanhol Luiz Suarez, formou um ataque mágico.

Não demorou a provocar o interesse do rival Real Madrid, que o contratou em 1962 e, por ironia ou coincidência, o estreou exatamente contra o Barça. E sessenta anos atrás, ele inventaria a “lei do ex”, fazendo 3 gols no seu ex-time.

Foi ídolo no Barcelona e no Real Madrid, como alguns poucos, campeão por ambos, e quando decidiu encerrar a carreira, em 1965, voltou para o clube que foi seu trampolim para o mundo: uma bela e justa homenagem ao Flamengo.

Mesmice 
Entra ano sai ano, entra governo sai governo, e o discurso eleitoral no RN só muda de boca e personagem. A cantilena do retrovisor, a desculpa do estado quebrado pelo antecessor. E é prato feito para os assessores e marqueteiros.

Grandeza 
Na fala dos políticos durante as batalhas das urnas, as riquezas do estado dão lugar à pobreza do oponente. Há mais de 60 anos, Aluízio Alves deu o tom para mudar os paradigmas: “O meu estado só é grande em suas deficiências”.

Sequestro 
A conexão entre o PT e o empresário Abílio Diniz não começou em 1989 quando ele foi sequestrado e os bandidos vestiram a camisa do partido. Quatro anos antes, durante a campanha para prefeito de São Paulo, aconteceu algo.

Eixo 
Candidato do PT a prefeito em 1985, Eduardo Suplicy abandonou a campanha praticando um autossequestro e sumiu. Disse que precisava “encontrar o eixo”. Nas redações e nas ruas paulistanas, o eixo de Abílio já estaria com Marta.

Namor 
O ator mexicano Tenoch Huerta (da série Narcos) vai encarnar o príncipe dos mares no filme Pantera Negra: Wakanda Para Sempre. O fato agita os fãs de HQ que já sonham com um filme solo do mais antigo personagem da Marvel.

Top Ten 
Lista de Eduardo Rocha: “Pelé, Garrincha, Nilton Santos, Domingos da Guia, Zizinho, Didi, Marinho Chagas, Zico, Ronaldo Rivaldo. E de Nelson Mattos Filho: “Pelé, Garrincha, Zico, Rivellino, Alberi, Ronaldinho, Falcão, Romário, Marinho Chagas, Leandro”.. 

Os artigos publicados com assinatura não traduzem, necessariamente, a opinião da TRIBUNA DO NORTE, sendo de responsabilidade total do autor.

Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte