Antonio Palocci cita Fátima e Gleisi Hoffmann em delação

Publicação: 2019-12-03 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
O ex-ministro da Fazenda e Casa Civil Antônio Palocci citou mais duas políticas do PT como beneficiárias de esquemas fraudulentos de distribuição de verbas para campanhas eleitorais do Partido dos Trabalhadores: a deputada paranaense Gleisi Hoffmann e a governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra. As informações foram publicadas pela revista Crusoé e, segundo a publicação, fazem parte da delação de Palocci à Polícia Federal.

Ex-ministro da Fazenda, Antonio Palocci está entre os envolvidos que foram denunciados

De acordo com o documento a que a revista teria tido acesso, o ex-ministro disse que à Polícia Federal que era o responsável pela distribuição de propinas pagas pela empreiteira Camargo Corrêa para bancar parte das campanhas eleitorais do PT nas eleições gerais de 2010. À época, Gleisi Hoffmann disputou e venceu a eleição do Senado Federal, enquanto Fátima conseguiu a reeleição para a vaga de deputada federal.

Segundo disse Palocci, as duas petistas sabiam que o dinheiro era oriundo de operação ilícita do PT com a Camargo Corrêa. Não foi informado pela publicação, no entanto, o valor pago às petistas referentes às supostas propinas. Porém, a revista informa que Palocci disse, ainda, que Gleisi Hoffmann recebeu doações extraoficiais da OAS no valor de R$ 800 mil.

Em nota, a assessoria de Fátima Bezerra disse que a "Camargo Corrêa não fez doação à campanha da então candidata à deputada federal em 2010", informando que não há o registro na prestação que está no no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ressaltando ainda que as contas foram aprovadas. Segundo a nota, Fátima Bezerra e a coordenação de campanha "jamais trataram com a Camargo Corrêa e com Antônio Palocci sobre a campanha de 2010 ou qualquer outra", e esperam que as informações sejam devidamente apuradas e esclarecidas.

Fátima nega envolvimento em esquema de distribuição ilegal de recursos eleitorais
Após ser citada pelo ex-ministro Antônio Palocci como beneficiária de esquemas fraudulentos de distribuição de verbas de campanhas eleitorais, a governadora Fátima Bezerra negou envolvimento com a construtora Camargo Corrêa e Palocci na campanha de 2010. Em nota divulgada pela assessoria de imprensa, Fátima afirma que a empresa não fez nenhuma doação para a campanha e que todas as contas foram aprovadas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Segundo a revista Crusoé, Palocci afirmou à Polícia Federal que era responsável pela distribuição de propinas pagas pela Camargo Corrêa nas eleições gerais de 2010. No ano, Fátima conseguiu reeleição para vaga de deputada federal.
Veja a íntegra da nota divulgada pela assessoria da governadora:

continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários