Após ser acusado, senador Irajá quer exame de corpo de delito

Publicação: 2020-11-24 00:00:00
Após ser acusado de estuprar uma modelo de 22 anos, o senador Irajá Silvestre Filho (PSD-TO) pediu para ser submetido a um exame de corpo de delito e a um teste toxicológico. Em nota, a defesa do parlamentar afirma que também solicitou acesso às imagens da casa noturna em que ele teria se encontrado com a vítima e do trajeto feito até o seu flat, no Itaim Bibi, em São Paulo.

A acusação de estupro consta em um boletim de ocorrência registrado na madrugada desta segunda, 23, no 14º Distrito Policial de Pinheiros, na zona oeste de São Paulo. O documento aponta que a vítima é uma modelo que disse ter conhecido Irajá Filho durante um almoço no Jockey Club no último domingo, 22. Na sequência, os dois seguiram para a casa noturna Café de La Musique, onde ela teria sido dopada, perdido a consciência e acordado já no flat do senador, sendo abusada pelo parlamentar.

No boletim consta que a modelo acordou com o parlamentar em cima dela, a penetrando sem preservativo, e dizendo frases como: "você é minha" e "estou apaixonado". Ela relatou à polícia que ficou com medo de ser agredida e, por isso, não resistiu ao abuso, mas pedia "insistentemente" para ir ao banheiro e tomar água, sem sucesso. Quando conseguiu sair da cama, ela se trancou no banheiro e pediu socorro a amigos pelo celular. A modelo só deixou o local após uma amiga chegar no flat.

Em nota divulgada no final da tarde de ontem, o criminalista Daniel Leon Bialski, que defende Irajá, afirmou que o senador "repudia a acusação" e teria ido à delegacia "voluntariamente" para prestar esclarecimentos.