Apesar da convocação de concursados, Estado tem falta de médicos intensivistas e Infectologistas

Publicação: 2020-03-26 12:42:00
A+ A-
A convocação dos 970 profissionais de saúde por parte da Secretaria de Estado de Saúde Pública do Rio Grande do Norte (Sesap) não é suficiente para a expansão planejada dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) durante a pandemia do novo coronavírus. Segundo a subcoordenadora das relações de trabalho da Sesap, Renata Nascimento, ainda são necessários médicos intensivistas e Infectologistas na rede de saúde pública. Em entrevista à InterTV Cabugi nesta quinta-feira, 26, Nascimento informou que alternativas de contratação estão sendo estudadas.

Créditos: Alex RégisFaltam médicos infectologistas e intensivistas no serviço público do RNFaltam médicos infectologistas e intensivistas no serviço público do RN

Entre as possibilidades analisadas, estão a contratação de médicos de cooperativas, contratação direta via recrutamento e negociação com instituições de ensino superior para agilizar a formatura dos alunos de medicina. "São diversas frentes de planejamento que estamos pensando para iniciar essa contratação já na próxima semana", afirmou a subcornedadora.

Ainda segundo Renata, cerca de 200 profissionais aprovados no último concurso e convocados na última semana começaram a atuar na rede de saúde. A Sesap simplificou o processo de contratação dos concursados para diminuir o tempo de espera de 90 dias que normalmente existe até o início da atuação.

Apesar do esforço, a falta de médicos intensivistas, por exemplo, impede que 136 leitos de UTI e UCI anunciados pelo Estado funcionem. A Sesap quer garantir a contratação desses médicos antes que a rede atual entre em colapso. O Estado funciona com 100% dos cerca de 460 leitos de UTI ocupados.

"É muito importante que os profissionais de saúde cumpram um papel tão importante nas unidades nesse momento", apelou Renata Nascimento.




Deixe seu comentário!

Comentários