App que indicava cloroquina para bebês é excluído

Publicação: 2021-01-24 00:00:00
A plataforma TrateCOV, alvo de críticas, nos últimos dias, por insistir em recomendar medicamentos cuja ineficácia para o tratamento da covid já foi comprovada em estudos, caso da cloroquina e da hidroxicloroquina, foi retirada do ar. O sistema era destinado à orientação de profissionais de saúde sobre possíveis tratamentos do novo coronavírus.

Em nota, o ministério alegou que o aplicativo havia sido "invadido e ativado indevidamente". "Informamos que a plataforma TrateCOV foi lançada como projeto-piloto e não estava funcionando oficialmente, apenas como um simulador", reiterou.

O aplicativo recomendava o uso de antibióticos, cloroquina e ivermectina até mesmo para bebês. Segundo o Conselho Federal de Medicina (CFM), que recomendou a retirada da plataforma do ar, uma análise técnica e jurídica identificou "inconsistências": permitir o acesso ao programa por não médicos; dar validação "a drogas que não contam com esse reconhecimento internacional"; induzir à automedicação e à interferência na autonomia dos médicos.






Leia também: