Apreensão de arma de fogo cresce 15% no RN

Publicação: 2018-06-13 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
As apreensões de armas de fogo nos seis primeiros meses deste ano é 15% maior em relação ao mesmo período do ano passado, quando a Polícia Militar do Rio Grande do Norte e Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreenderam, juntas, 338 objetos do tipo. Em 2018, foram 392 apreensões. De acordo com dados do Comando de Policiamento Metropolitano (CPM), a maior parte das pessoas com armas em Natal está nas zonas Norte e Oeste da cidade. Estas também são as regiões onde ocorreram a maior parte dos homicídios, de acordo com estatísticas do Observatório da Violência Letal Intencional (Obvio/RN).

Mais de 85% dos homicídios no Estado são praticados com uso de armas de fogo, segundo o Obvio
Mais de 85% dos homicídios no Estado são praticados com uso de armas de fogo, segundo o Obvio

O tenente-coronel Zacarias Mendonça, comandante do Policiamento Metropolitano, disse que o aumento de apreensões ocorre por dois fatores: mudança de estratégias por parte da polícia, com o uso maior do setor de inteligência e maior número de pessoas cometendo infrações criminais no Estado. “O que vejo é que apreendemos mais armas, mas isso não quer dizer que seja bom ou ruim. Aqui no RN está havendo o aumento da bandidagem, fruto do contexto social”, explicou Mendonça.

Das 359 apreensões de armas pela Polícia Militar este ano, 60 foram “artesanais” e 38 simulacros é um dos pontos que chama atenção do comandante do CPM. “Acreditamos que o uso do simulacro é questão de poder econômico. O tipo de bandido que faz uso dessas armas as vezes não tem dinheiro e compra um simulacro porque é mais barato. Já as artesanais é um 'Know Row' de aprendizagem que está vindo de fora do Estado”, avalia Zacarias Mendonça.

Maior parte das armas apreendidas são pistolas de menor calibre, o que não significa, segundo o tenente-coronel, que não existam armas de maior calibre em circulação no Estado. “A inteligência monitora essas situações e sabe que existem pessoas com fuzis”, disse Mendonça.  Esse foi o caso de um fuzil do Exército argentino (modelo FAL 7,62) apreendido em abril passado em São Gonçalo do Amarante, na Região Metropolitana de Natal.Segundo investigações, a arma seria usada por uma facção criminosa.

A quantidade de mortes por arma de fogo dominam as estatísticas de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs) no Rio Grande do Norte. Dos 917 homicídios registrados esse ano, de 1 de janeiro e 9 de junho, 837 foram por armas de fogo. Em segundo lugar está a arma branca, com 44 casos, seguido de espancamento, com 14 casos, asfixia mecânica, com sete ações, "objeto contundente", com seis homicídios e outros meios.

O comandante metropolitano considera um avanço a quantidade de apreensões, mas adianta, que se houver uma diminuição nos próximos períodos, não significa uma regressão. “É muito relativo saber se estamos sendo efetivos ou não.  Se diminuir a apreensão de armas, pode significar que a quantidade ilegal circulando no estado diminuiu, que houve uma contenção maior pelos órgãos de segurança. Do mesmo jeito que se aumentar a apreensão, não significa que estamos deixando de controlar as armas dentro, mas pode ser um aumento da metodologia adotada nas operações”, completa.

O armamento ilegal entra no Rio Grande do Norte por meio das fronteiras com o Ceará e Paraíba, sobretudo. Segundo Zacarias Mendonça, a Polícia Militar tem órgãos de inteligência para rastrear estas armas e que atua ao lado das operações de contenção feitas pela PM. A dificuldade de apreender antes de chegar no portador ilegal acontece porque “o crime migra”. Quando a arma é interceptada, no entanto, muitos criminosos fabricam armamento caseiro.

O quê
Arsenal apreendido (Janeiro a junho)

2018
Polícia Militar
359 armas

Polícia Rodoviária Federal
33
armas (15 revólveres, 11 pistolas, 3 espingardas e 4 armas artesanais)

2017
Polícia Militar
287 armas

Polícia Rodoviária Federal
51 armas (31 revólveres, 13 pistolas, 3 fuzis, 3 espingardas e uma arma artesanal)

Armas apreendidas durante todo o ano
2017 - 708
2016 - 748
2015 - 604

Homicídios
917 foram registrados de 1º de janeiro até 9 de junho de 2018

837
ocorreram com uso de arma de fogo
44 com armas brancas
14 por espancamento
7 por “objeto contundente”
6 por outros objetos

Fonte:
PM, PRF, Obvio/RN


continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários