Armando Holanda é nomeado para o Iphan-RN

Publicação: 2017-01-11 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
O veterano advogado Armando Roberto Holanda Leite é o novo superintendente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional no RN (Iphan-RN). Sua nomeação foi publicada no Diário Oficial da União do dia 5 de janeiro. Deixa o cargo a arquiteta e urbanista Andréa Virgínia Freire Costa, que estava à frente da autarquia desde 2015. A posse do advogado está marcada para o dia 23 de janeiro.
Alberto LeandroAdvogado Armando Holanda deverá tomar posse dia 23 de janeiroAdvogado Armando Holanda deverá tomar posse dia 23 de janeiro

Indicado pelo Deputado Federal Antônio Jácome (PTN), Holanda espera pela sua efetivação na superintendência do Iphan-RN desde setembro de 2016, quando entregou os documentos solicitados pelo Planalto. Dentro os principais desafios que vai encontrar no cargo, um é a situação das obras do prédio do Instituto Histórico e Geográfico do RN (IHGRN) e a administração do Forte dos Reis Magos, cuja obra de reforma ainda está suspensa.

Advogado, graduado em Direito pela UFRN e Mestre em Direito Civil pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Armando Holanda ocupou cargos de Procurador da República, Procurador Regional Eleitoral e Consultor-Geral do Estado do Rio Grande do Norte. Foi também Presidente do Conselho Seccional da OAB no RN e é membro da Academia de Letras Jurídicas do Rio Grande do Norte.

Em setembro, quando foi noticiada sua indicação para o Iphan, setores envolvidos com o patrimônio histórico de Natal receberam com otimismo seu nome. Presidente IHGRN, Ormuz Simonetti disse à época esperar que o novo superintendente veja a situação das obras do patrimônio histórico com sensibilidade, “seguindo a legislação, mas sem ser fechado, dialogando e dando celeridade”. Holanda já atuou como advogado do Instituto Histórico e Geográfico do RN (IHGRN) em conflitos com o Iphan-RN.

Museu Café Filho deve abrir em julho
Fechado para restauração desde 2009, depois de “vai e vens” burocráticos, o Museu Café Filho ganhou uma data para ser reaberto. A Fundação José Augusto (FJA) confirma para o mês de julho a entrega do museu que conta a história do único presidente da república nascido em solo potiguar. O museu-residência é uma das obras que o Iphan vem acompanhando de perto. Com investimentos de R$ 196 mil, oriundos de acordo com o Banco Mundial, via programa RN Sustentável, a reforma e modernização do museu envolve rampas de acesso, novos banheiros, plataforma elevatória e sinalização em braile. Além de pintura, combate de pragas, instalações elétricas e de combate a incêndio, esquadrias, impermeabilização de cobertura, forro e climatização. Terminada a reforma, será a vez de trabalhar em cima do acervo para montar a exposição. Dentre as peças do museu, há documentos e registros fotográficos sobre Café Filho, além de uma biblioteca particular vinda do Rio de Janeiro, que fez parte da residência do presidente.

Conhecido como “Véu de Noiva”, por causa do acentuado declive na parte posterior da cobertura, o prédio foi construído entre 1816 e 1820, representando a primeira construção assobradada de Natal, ou seja, com mais de dois pavimentos – o que lhe valeu o apelido de sobradinho. O imóvel, de características da arquitetura colonial brasileira, foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan-RN) e desde 1979 é sede do museu.


continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários