As transformações do mundo

Publicação: 2021-02-23 00:00:00
Valério Mesquita
Escritor

Permaneçam atentos às transformações do mundo. Há um sentido firme e forte de irreversibilidade nos fatos e fenômenos. O meu tio materno, poeta Clóvis Jordão de Andrade, já chamava atenção, há décadas, para o “clamor do mundo”. Não do ponto de vista esotérico ou profético. O dominó de ocorrências de terremotos atinge os quatro pontos cardeais da terra. Os abalos, os maremotos, os tsunamis, danificam, assustam e vitimam milhões em toda parte. Continentes aonde as destruições não chegavam, são atingidos com frequência. As estações sismográficas criaram até “caçadores de catástrofes”. As chuvas torrenciais, as inundações, os tufões, os ciclones, a superpopulação, os vírus (gripe suína, Aids, Ebola, gripe aviária,  o Covid, etc.), tudo é fruto da desorganização do ecossistema global, provocada pelo homem. O calor insuportável nos trópicos e o frio nas regiões temperadas dão a tônica da subversão dos elementos.

Por outro lado, as religiões estão em crise. Via de consequência, a fé. As igrejas, além de não se entenderem, são estigmatizadas pelo pecado do corpo e da alma dos obreiros. O chamado pecado inafiançável, sem direito ao habeas corpus da bondade divina. Hoje, são pouquíssimas as instituições públicas e privadas que merecem fé. Mas, as de caridade cristã estão postas em dúvida. Talvez, pelo fato do seu reino não ser deste mundo, e, desgraçadamente, alguns ministros – por ganância de dinheiro e pela paixão da carne – desmoralizam o Livro e lambuzam a Cruz. Assiste-se ao começo da decadência prevista como sinal dos tempos. Enfim, duas naturezas em conflito desesperador: a geofísica e a humana. Fazer o que? 

Alguém poderá alegar: a humanidade sempre viveu em crise, fome, guerra, violência, extermínio, morte. E ainda: o mundo sempre tremeu, sofreu inundações, cataclismos de todo jaez!  Ora, bolas; na intensidade e na frequência dos nossos dias ninguém pode ser tão infantil que não suspeite “algo podre no ar, mais do que sonha a nossa vã filosofia?” Cego, tudo bem; aleijado, vá lá; indiferente pode ser; mas desinteligente, nunca!! A sinistrose no mundo de hoje mora perto e até dentro de nós. Caminhamos sob o signo do malefício. Afinal, para onde vamos? 

Já ouvi que o ser humano foi a pior invenção de Deus. Porque destrói o meio ambiente, corrompe o próximo e a si mesmo. Cadê que os animais (mesmo os selvagens), são responsáveis pela degradação ambiental? A ciência humana que sempre se opôs à Bíblia – a começar pela teoria criacionista – continua no banco dos réus da história. A ciência inventou tudo que é problema na atualidade. Na proporção que inventa remédios, gera mais doenças através da dinâmica do lucro fácil, da agressão ao solo, às florestas, aos mares, sem falar nas chaminés poluidoras provocando o contínuo desequilíbrio no clima do globo terrestre. O que fazer se a poeira do deserto africano do Saara já chegou a longínqua Grã-Bretanha? E o funk fazendo apologia do crime e a degradação dos costumes? 

A verdade é que o ser humano jamais se conformou com a sua finitude. Atitude desoladora que o faz agredir aquilo que representa espírito e verdade. A ciência evoluiu em muitas direções mas ainda não tornou o homem indestrutível. Eis o mistério da Fé e o motivo pelo qual – apesar de tudo – nunca deveremos abandonar a Palavra de Deus. Ante as transformações do mundo, é preferível agir e crer no invisível a se suicidar no palpável. O visível encerra vícios escondidos. O ser humano transgride na vida pública, privada e religiosa. A meu ver, o seu erro não atinge a honorabilidade da instituição à qual pertence, porque ele pagará aqui e lá, duas vezes. Pois, continua a ser o ponto mais frágil e vulnerável da Criação. 









Os artigos publicados com assinatura não traduzem, necessariamente, a opinião da TRIBUNA DO NORTE, sendo de responsabilidade total do autor.