Atividade econômica recua 0,68% de janeiro a março

Publicação: 2019-05-16 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
O Banco Central informou nesta quarta-feira, 15, que seu Índice de Atividade (IBC-Br) registrou baixa de 0,68% no acumulado do trimestre até março de 2019, na comparação com o trimestre anterior (outubro a dezembro de 2018), pela série ajustada.

Mercado fincanceiro revisou projeção de crescimento da economia; produção industrial recua
Se ocorrer mais uma queda no segundo trimestre deste ano, economia entrará em recessão técnica

Após recuar 0,98% em fevereiro (dado revisado), a economia brasileira teve nova baixa também em março deste ano. O IBC-Br recuou 0,28% em março ante fevereiro, na série com ajuste sazonal, informou a instituição.

O índice de atividade calculado pelo Banco Central passou de 137,07 pontos para 136,68 pontos na série dessazonalizada no período. Este é o menor patamar para o IBC-Br com ajuste desde maio do ano passado (133,21 pontos).

A baixa do IBC-Br veio perto da mediana do intervalo projetado pelos analistas do mercado financeiro consultados pelo jornal O Estado de S Paulo, que esperavam resultado entre recuo de 1,00% e zero (mediana de -0,30%).

Na comparação entre os meses de março de 2019 e março de 2018, houve queda de 2,52% na série sem ajustes sazonais. Esta série encerrou com o IBC-Br em 137,90 pontos em março, ante 141,47 pontos de março do ano passado.

O indicador de março de 2019 ante o mesmo mês de 2018 mostrou desempenho pior que o apontado pela mediana (-2,30%) das previsões de analistas do mercado financeiro ouvidos pelo jornal O Estado de S Paulo (-3,20% a -0,30% de intervalo). O patamar de 137,90 pontos é o menor para meses de março desde 2009 (127,81 pontos).

Conhecido como uma espécie de “prévia do Banco Central para o PIB", o IBC-Br serve mais precisamente como parâmetro para avaliar o ritmo da economia brasileira ao longo dos meses.

Na ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) divulgada nesta terça-feira, 14, o BC já havia afirmado que os “indicadores disponíveis sugerem probabilidade relevante de que o PIB tenha recuado ligeiramente no primeiro trimestre do ano, na comparação com o trimestre anterior".

A previsão atual do BC para a atividade doméstica em 2019 é de avanço de 2,0%, mas é muito provável que essa estimativa seja revisada para baixo no próximo Relatório Trimestral de Inflação (RTI), em junho. A expectativa do mercado para o PIB deste ano recuou pelo 11ª semana consecutiva e passou de 1,49% para 1,45%, conforme o Relatório de Mercado Focus publicado na última segunda-feira, 13. Há quatro semanas, a estimativa de crescimento era de 1,95%.

Copom
Na quarta-feira, 14, na ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), o BC adiantou que a economia poderia apresentar recuo no primeiro trimestre. Segundo o documento, o processo de recuperação gradual da atividade econômica sofreu interrupção no período recente, mas a expectativa é de retomada adiante.

Segundo ata da reunião do Copom, o arrefecimento da atividade observado no final de 2018 teve continuidade no início de 2019. “Em particular, os indicadores disponíveis sugerem probabilidade relevante de que o Produto Interno Bruto (PIB) tenha recuado ligeiramente no primeiro trimestre do ano, na comparação com o trimestre anterior, após considerados os padrões sazonais”, diz o documento.

O Copom acrescentou que os indicadores do primeiro trimestre induziram revisões substantivas nas projeções de instituições financeiras para o crescimento do PIB em 2019. “Essas revisões refletem um primeiro trimestre aquém do esperado, com implicações para o “carregamento estatístico” [herança do que ocorreu no ano anterior], mas também embutem alguma redução do ritmo de crescimento previsto para os próximos trimestres”.

O mercado financeiro já reduziu a previsão de expansão do PIB 11 vezes consecutivas. A estimativa para este ano está em 1,45% este ano.

A equipe econômica já está trabalhando com uma previsão de crescimento de 1,5% neste ano, disse ontem o ministro da Economia, Paulo Guedes. Em audiência na Comissão Mista de Orçamento (CMO), ele disse que a reformulação de expectativas diante da demora na aprovação da reforma da Previdência justificou a revisão das estimativas.

Números
0,68% é o percentual de queda da atividade econômica no primeiro trimestre deste ano

1,45% é a expectativa de crescimento da economia em 2019, reduzida pela 11ª vez neste ano






continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários